USO DE ESTAÇÃO METEOROLÓGICA NO MONITORAMENTO AGRÍCOLA E AMBIENTAL É TEMA DE CURSO EM FERNANDÓPOLIS

No próximo dia 23 de outubro (sábado), o Engenheiro Ambiental e Mestrando Sistemas de Produção Gilmar Oliveira Santos estará representando a Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira - coordenada pelo Professor Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez - na cidade de Fernandópolis ministrando um curso sobre "O uso da Estação Agrometeorológica no Monitoramento Agrícola e Ambiental".
.
O público alvo são os alunos do Curso de Engenahria Ambiental (integral e noturno) da Fundação Educacional de Fernandópolis (FEF).
.
O curso de 8 horas faz parte da Semana da Engenharia Ambiental, a qual é realizada anualmente. Neste serão apresentados todas as informações que vão desde à escolha do local mais apropriado para se instalar uma Estação Meteorológica até a aplicação dos dados climáticos nas mais diversas forma de uso tanto na área urbana, como rural, em atidades de monitoramento sistemático do clima como na explicação de fenômenos adversos.
.
O objetivo do Curso é transmitir o conhecimento teórico no período da manhã e prático no período da tarde, onde será também exposto do trabalho da UNESP Ilha Solteira de monitoramento climático até agora desenvolvido e o projeto em andamento que instalará uma rede agrometeorológica na região noroeste paulista.


Hoje, a Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira conta com duas Estações Meteorológicas, sendo uma no município de Ilha Solteira e uma no município de Marinópolis, mas a área coberta por estações e sensores será ampliada pelo projeto “MODELAGEM DA PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM BACIAS HIDROGRÁFICAS COM MUDAAS DE USO DA TERRA”, que está sendo desenvolvido através da Cooperação Institucional entre UNESP Ilha Solteira e EMBRAPA Semi-Árido e financiamento da FAPESP e FACEPE sob a Coordenação pelo Estado de São Paulo de Fernando Braz Tangerino Hernandez e pelo Estado de Pernambuco de Antônio Heriberto de Castro Teixeira.

O projeto segue a linha de pesquisa intitulada PIIRA - PLANEJAMENTO DA IRRIGAÇÃO E DOS RECURSOS AMBIENTAIS, que propõe a formação de uma rede de nove estações agrometeorológicas automáticas. As estações serão distribuídas pela região noroeste paulista, a fim de determinar os diferentes microclimas que compõem a região, a evapotranspiração em escala regional e o apoio ao usuário da água, com ênfase ao irrigante. A rede cobrirá a área que vai desde o encontro do rio Tietê com o rio Paraná até a área às margens do rio Grande em Populina, monitorando áreas irrigadas principalmente de grãos, pastagem, cana e citros.

Desde já, nós da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira agradecemos à FEF pelo convite e oportunidade de mostra nossos trabalhos de pesquisa e extensão.


Um comentário:

  1. Vamos lá Gilmar! Mostre o quanto aprendeu aqui na UNESP Ilha Solteira e motive os presentes a se interessarem e se aperfeiçoarem neste tema! E atenção total no curso lá em São José dos Campos. Abraços e boa semana!

    ResponderExcluir