Fertirrigação foi tema de simpósio

Hoje é 12 de outubro: Dia do Engenheiro Agrônomo! 
As crianças e os Engenheiros Agrônomos tem o seu dia na mesma data, sabem por que?
Simples: porque ambos representam a esperança de um futuro melhor para toda uma sociedade! 
Parabéns e saibam do meu orgulho em ter escolhido esta profissão! 

Entre a verdade da vida nesse meu verso encerra
Tem a medicina dos home e a medicina da terra
As duas caminha junta que a natureza não erra
O nosso Engenheiro Agrônomo orienta o agricultor
Caminhando passo a passo com o progresso e muito amor
Protegendo a natureza, da agricultura é o doutor
Através de sua ciência muitas praga tão no fim
Produção de qualidade o Brasil caminha assim
Como Deus é brasileiro é bão pro cê, tá bão pra mim
Da mão do nosso Agrônomo a natureza florece
A cada fruto colhido é um momento de prece
É da bondade divina que o alimento oferece

Pod Irrigar - Irrigação com efluentes deve ser melhor entendida e estimulada
A fertirrigação é a técnica em são aplicados fertilizantes junto com a água de irrigação e assim tem-se economia de mão-de-obra e energia, diminuição da compactação do solo, o aumento da eficiência do uso e economia de fertilizante com controle da profundidade e flexibilidade de aplicação, além de facilitar a aplicação de micronutrientes e a possibilitar uma melhor utilização dos equipamentos de irrigação, e naturalmente, com mais lucros ao irrigante.



Participamos do simpósio discutindo a viabilidade econômica da fertirrigação, onde são necessários investimentos no sistema de injeção para o uso da técnica. Comprovamos a viabilidade econômica do investimento utilizando resultados de um trabalho anterior nosso realizado em 1993 e outros atuais sobre em quanto tempo se paga o investimento feito. Nada mudou em 20 anos, a técnica é viável, pois substitui os gastos com a operação mecanizada de fazer a adubação de cobertura.



Mas então, porque a fertirrigação não é amplamente utilizada pelos irrigantes? Certamente porque não depende somente de investimentos, há as condições básicas para que ela seja efetiva, que vai da escolha do tipo de injetor de acordo com o sistema de irrigação existente, passa pela avaliação da uniformidade da aplicação, pela escolha do fertilizantes, pelos cálculos necessários e por fim pela operação de injeção em si. Acredito que para a expansão do uso pelos irrigantes falta informação técnica, e esta comunicação deve ser mais efetiva por parte dos vários segmentos que atuam no processo: desde fabricantes e revendas de sistemas de irrigação, à profissionais de extensão e assistência técnica rural.
Mas o II Simpósio de Irrigação promovido pelo GPID - Grupo de Práticas em Irrigação e Drenagem trouxe outras abordagens interessantes e que merecem ser melhor divulgadas e entendidas, que é uso de efluentes industriais como fertirrigação, tais como a vinhaça, dejetos líquidos de suínos e bovinos ou ainda efluentes de indústrias processadoras de frutas. Estes efluentes contem nutrientes que podem e devem ser aproveitados, mas devem respeitar a legislação em vigor e ainda ter cuidados adicionais com o sistema de filtragem.

Sérgio Veronez: um dos mais requisitados projetistas em sistemas para aplicação de vinhaça.

Este foi o tema do Pod Irrigar - o Pod Cast da Agricultura Irrigada desta semana. Ouça também os anteriores. E aproveitamos para parabenizar os alunos do GPID e GELQ pela organização do II Simpósio de Irrigação. Gostamos de presenciar estudantes fazendo o trabalho de gente grande! Parabéns ao Professor Fernando Mendonça, Tutor do GPID.

Alunos do GPID - Esalq-USP.

Visitando a Kipp and Zonen
Durante a nossa viagem à Holanda onde partipamos do SPIE - Remote Sensing recebemos e aceitamos o convite do Engenheiro Dmytro Podolsky para conhecer a fábrica da Kipp and Zonen e também a nova tecnologia para medição do fluxo de calor e evapotranspiração em grandes áreas chamado de cintílômetro. 
Kipp and Zonen é uma empresa fundada em 1830 e usamos os sensores de radiação fabricado pela empresa na Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista. Nas fotos abaixo estão os primeiros equipamentos fabricados pela empresa mantidos na sala do Presidente.




A Kipp and Zonen lançou o LAS MkII Scintillometer que está retratado nas fotos a seguir, sendo calibrados no alto do edifício da empresa e o receptor e outro emissor está instalado no alto do prédio da TU Delft. O equipamento permite o completo monitoramento do balanço de energia em uma área extensa, dando uma outra abordagem em relação ao fluxo de calor medido pelo sistema Eddy Covariance, que é pontual, enquanto que esta outra tecnologia avaliação toda uma extensa área de interesse, medindo o fluxo de calor sensível entre 200 e 4.500 metros.



Engenheiro Dmytro Podolsky nos proporcionou um dia de extenso conhecimento em novas tecnologias e agradecemos o convite e atenção.

Lagos na região
A chuva que caiu na semana passada na região não foi suficiente para dar alívio ao baixo nível dos lagos das hidrelétricas. A Usina de Ilha Solteira no Rio Paraná em 10 de outubro de 2014 operava na cota 319,86 metros (-52,97% da sua capacidade). Já a Usina de Três Irmãos operava na conta 319,92 metros (lago com -51,49% da sua capacidade) e pelo Canal de Pereira Barreto passagem apenas 42 m³/s à uma velocidade de 0,27 m/s. Nestas condições muitos sistemas de irrigação estão impossibilitados de operar.

Safra - café - artigo
Lembro da satisfação de um grupo de alunas da disciplina de Irrigação e Drenagem quando após um seminário nota 10 foram encorajadas a escreverem o artigo "A Comunicação adequada" que publicado no Portal da UNESP - Debate Acadêmico e depois no Portal Dia de Campo teve grande repercussão. O mesmo entusiasmo - o da primeira publicação em uma mídia de grande repercussão - foi percebido por mim em 7 de outubro quando o estudante de Administração da UFLA Fernando Henrique Cubo Hernandez teve o artigo "Os primeiros brasileiros a controlarem uma grande rede de cafeterias" publicado no portal Café Point. No artigo, junto com Eduardo Cesar Silva e Elisa Reis Guimarães, os autores analisam a compra da rede de cafeterias canadense Tim Hortons pelo Burger King, com grande repercussão na imprensa. São os três brasileiros do 3G Capital que de novo, com o seu estilo característico avançam e fazem novamente história porque pela primeira vez, uma grande rede de cafeterias está sob o controle de empresários brasileiros.
Custou aos brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira através do Burger King a bagatela de 11,4 bilhões de dólares. Essa fusão transformará o Burger King na 3ª maior rede de fast-food do mundo, apenas atrás do McDonald’s e do KFC. O estilo do trio cujo mentor é Jorge Paulo Lemann tem sido destaque no mundo e aqui já também falamos sobre eles, mais pela ousadia e estilo meritocrático, do que pela fortuna que acumularam. Parabéns Eduardo, Elisa e Fernando pelo trabalho de análise de mais este movimento do trio!

Carreira
Capacidades, habilidades e competências: é tudo a mesma coisa? Claro que não e é importante sabermos as diferenças para nos posicionarmos e nos prepararmos melhor!


Entretenimento

Nenhum comentário:

Postar um comentário