Pod Irrigar - Realizando o manejo racional da água na irrigação

Reunião de alinhamento da Mesa Redonda a ser gravada para o IrrigaWeb, em Brasília.

Pod Irrigar - Realizando o manejo racional da água na irrigação
Continuamos a aproveitar a nossa participação nas gravações para o IrrigaWeb oferecido pela EMBRAPA que usa o ensino a distância para promover a agricultura irrigada e disseminar técnicas que levem ao melhor aproveitamento da água pela agricultura. Com o tema "Água na Agricultura e Agricultura Irrigada: um serviço estratégico para um tema estratégico" respondemos questões enviadas pelos alunos. Na semana passada lançamos as dicas para incentivar o controle da água aplicada pela agricultura.
Nesta edição, a pergunta é: "Para estabelecer de fato um programa de manejo da irrigação, o que o irrigante precisa fazer? Quais os elementos o irrigante precisa reunir para fazer o manejo da irrigação?"

 Canavial irrigado por gotejamento e monitorado com os sistemas Eddy-Covariance e Bowen Ration em projeto desenvolvido em parceria entre a Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira e a EMBRAPA Monitoramento por Satélites, e abaixo, adesivo na caixa selada com o datalogger com a campanha pelo uso racional da água.


O primeiro passo é saber qual a quantidade de água se pode armazenar na zona das raízes da cultura de interesse, a chamada CAD - Capacidade de Água Disponível, que pode ser obtida com precisão a partir de uma amostra de solo indeformada e a determinação da curva característica de retenção de água no solo, ou no primeiro momento, buscando o valor nos livros de solos. Por exemplo, aqui no Noroeste Paulista predominam os Argisolos que conseguem reter em média 1,0 mm/cm de solo.
Conhecendo o reservatório de água no solo, é hora de estimar as perdas de água, que se dá pelo processo chamado de evapotranspiração, ou seja, a evaporação do solo e a transpiração das plantas.
A estimativa da evapotranspiração da cultura é estimada pela multiplicação da evapotranspiração de referência - obtida em estações agrometeorológicas - pelo coeficiente de cultura - chamado de Kc - que identifica a cultura e o estágio de desenvolvimento naquele dia. Um pluviômetro na propriedade completa os elementos necessários e a partir daí é como se fosse uma conta de banco em que a chuva ou a irrigação correspondem ao "salário" que recebemos e a evapotranspiração da cultura representa as retiradas de água e que deve ser reposta pela irrigação para encher o reservatório no solo até a Capacidade de Campo representada pela CAD.

Estudante realizando a manutenção em uma das Estações Agrometeorológicas Automáticas que fornecem a evapotranspiração de referência e abaixo a Estação Santa Adélia.


Acima e abaixo os sistemas Eddy Covariance e Bowen Ration sobre cana para a determinação dos componentes de energia e o coeficiente de cultura (Kc). A torre tem oito metros de altura.


Orientados fazem a manutenção nos sistemas.

A Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista oferta no Canal CLIMA da UNESP de Ilha Solteira de modo livre e gratuita a evapotranspiração de referência e para quem está perto de uma estação agrometeorológica, mas não tem a estimativa, também oferecemos o software SMAI - Sistema para Manejo da Agricultura Irrigada que possibilita de forma intuitiva e simples obter e evapotranspiração de referência.
Em dois momento, o NACI, onde chegam e são processados os dados da Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista que abastecerá o Canal CLIMA da UNESP de Ilha Solteira. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário