quinta-feira, 29 de março de 2012

AVISO IMPORTANTE

Boa Tarde

A organização do Inovagri & IV WINOTEC informa que o prazo para pagamento da Taxa de Inscrição com desconto foi prorrogado até o dia 10/04/2012, conforme consta no Menu Inscrições.


O I INOVAGRI INTERNATIONAL MEETING e IV WINOTEC (Workshop de Inovações Tecnológicas na Irrigação) tem o objetivo de promover uma atualização das inovações tecnológicas aplicadas à agricultura irrigada apresentando este evento como um instrumento de discussão sobre C, T & I em irrigação e drenagem, o que está de acordo com os programas de formação de Recursos Humanos, de pesquisas Cientificas e Tecnológica e de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Irrigada da SENIR. As inovações tecnológicas de diversos países focados neste tema serão apresentadas, além de uma interação com a academia e o setor privado será foco de discussões com a participação de pesquisadores renomados em nível nacional e internacional no meio tecnológico e acadêmico, pesquisadores, professores, estudantes, empresários do setor agroambiental e demais interessados na convivência sustentável do homem com o meio.

A Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira - AHI será representada com quatro trabalhos:
Diego Gonçalves Feitosa, Eng. Agrônomo e Mestrando em Agronomia com o trabalho: ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA MENSAL NO NOROESTE PAULISTA
Gilmar Oliveira Santos, Eng. Ambiental Mestre em Agronomia com o trabalho: USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA PARA FINS DE NA MICROBACIA DO CÓRREGO DO IPÊ, ILHA SOLTEIRA, SP
Jean Carlos Quaresma Mariano, Analista de Sistemas com o trabalho: REDE AGROMETEREOLÓGICA DO NOROESTE PAULISTA
Marcus Damião de Lacerda, Eng. Agrônomo Doutorando em Agronomia com o trabalho: ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA

No dia 30 de maio das 10:30h às 12:30h, o Coordenador da AHI participará da 8° Mesa Redonda debatendo sobre as Mudanças Climáticas e seus Impactos na Agricultura Irrigada e na Desertificação juntamente com Eduardo Sávio (FUNCEME - CE- Brasil) e Keith Weathead (Cranfield University - Reino Unido).

O evento será realizado entre os dias 28 e 31 de maio de 2012 na Fábrica de Negócios, em Fortaleza e terá a participação de alunos e professores da UNESP Ilha Solteira.

terça-feira, 27 de março de 2012

Visita de Jovens Agropecuaristas da Austrália e do Canadá ao Brasil, em especial na UNESP Ilha Solteira e Aula Prática da Graduação em Agronomia

 
Prof. Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez, integrantes do LHI (Diego Feitosa e Jean Quaresma) e os jovens agropecuaristas da Austrália e do Canadá em visita ao Brasil, na UNESP Ilha Solteira.

Estiveram ontem (26/março/2012) em visita ao Laboratório de Hidráulica e Irrigação (LHI) da UNESP Ilha Solteira, sete agropecuaristas da Austrália e um do Canadá, aonde conheceram as atividades de pesquisa e extensão da universidade, com destaque para o uso das ferramentas oferecidas em apoio aos irrigantes, que vão desde a avaliação dos equipamentos de irrigação, da qualidade e disponibilidade da água (objetivando o uso racional da água) e da Rede de Estações Agrometeorológicas Automáticas do Noroeste Paulista, que foi recentemente implantada com recursos da FAPESP - Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo. Esses trabalhos da UNESP Ilha Solteira foram divulgados no Japão durante a 4th IWA - ASPIRE - Conference & Exhibition "Toward Sustainable Water Supply and Recycling Systems), 2-6 October 2011, Tokyo International Forum, Japan.

Prof. Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez apresentando os trabalhos de pesquisa e extensão da UNESP Ilha Solteira aos jovens agropecuaristas da Austrália e do Canadá, com ênfase para Rede de Estações Agrometeorológicas Automáticas do Noroeste Paulista.

Os mesmos agropecuaristas foram destaques em seus respectivos países, além de serem premiados com Bolsas da ONG Fundação Nuffield (Londres) com viagens pelo mundo para conhecimento da agropecuária desenvolvida nos diferentes países. Foram recebidos pelo Professor Titular da Área de Hidráulica e Irrigação (AHI) da UNESP Ilha Solteira, Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez, que os acompanhou na visita na UNESP e também na região ao longo do dia. As visitas foram em fazendas com integração lavoura-pecuária e uso da irrigação para a produção de cereais, oleaginosas e cana,  fazenda Bonança, e também na CESP - Usina Hidrelétrica Ilha Solteira.

Jovens agropecuaristas da Austrália e do Canadá buscando informações técnicas e os trabalhos de pesquisa e extensão realizados pela UNESP Ilha Solteira.

Na visita ao Brasil os agropecuaristas estão sendo acompanhados pelo Engenheiro Agrônomo Pablo Rodrigues Manfrim - Consultor -, que trabalhou em atividades agropecuárias por um longo período na Austrália.
Momento ímpar de encontro e parceria dos alunos da Graduação em Agronomia da UNESP Ilha Solteira e os jovens agropecuaristas da Austrália e do Canadá, apresentados pelo Prof. Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez. Estudantes da UNESP puderam interagir e fazer perguntas e ainda testar como estão se virando com a lingua inglesa, um pouco mais difícil de entender devido ao "sotaque" britânico, menos comum de encontrar por aqui.

Dedicação, empenho, motivação e busca de conhecimento, essas foram algumas palavras colocadas pelo Prof. Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez (UNESP Ilha Solteira) para os alunos da Graduação em Agronomia, que estiveram na aula prática e no encontro com os jovens agropecuaristas da Austrália e do Canadá.

Fazendo parte das atividades da Disciplina Irrigação e Drenagem da Graduação em Agronomia da UNESP Ilha Solteira, tivemos ontem (26/março/2012) aulas práticas sobre qualidade e disponibilidade da água e mediação "in loco" de vazão (hidrometria), pelo método do flutuador e do molinete. As aulas foram no Córrego do "Cinturão Verde", nas proximidades de Ilha Solteira e com Coordenadas Geográficas de 20º27'13,1''S e 51º20'25,6''W.

O Córrego do Cinturão Verde deságua no Rio Paraná e verifica-se que a maior parte deste manancial está degradado, com ausência de matas ciliares, processo erosivo acentuado e toda sua extenção ocupado por espécie Taboa (Typha sp.), planta hidrófita (aquática) típica de brejos, manguezais, várzeas e outros espelhos de águas).

Presença da espécie taboa no Córrego do Cinturão Verde

O intenso uso da água e a conseqüente degradação física, química e biológica contribuem para agravar sua escassez e qualidade de água. Por esse motivo a Área de Hidráulica e Irrigação (AHI) da UNESP Ilha Solteira, tem a necessidade crescente do acompanhamento das alterações da qualidade da água da região noroeste, que faz parte do monitoramento ambiental de forma a impedir que problemas decorrentes da poluição da água venham a comprometer seu aproveitamento múltiplo.

Dr. Ronaldo Cintra Lima (UNESP Ilha Solteira) explicando métodos de medição de vazão (hidrometria) aos alunos da Graduação em Agronomia no  Córrego do Cinturão Verde.

Nesta aula prática os alunos tiveram a oportunidade de conhecerem os dois métodos de medição de vazão (método do flutuador e o método do molinete hidrométrico), onde o primeiro é simples e barato de realizar em campo e o segundo é um método mais eficiente de medição de vazão, pois consiste em um equipamento que mede a velocidade média do fuxo de água ao longo da largura do curso d’água, sendo calculada da seguinte maneira:
Q= v1 * S1+ v2 * S2 + ... + vn * Sn
Onde:
Q = vazão do curso d’água (m3/s);
v1 = velocidade do fluxo de água na seção molhada 1 (m/s);
S1 = área da seção 1 (m2);
v2 = velocidade do fluxo de água na seção molhada 2 (m/s);
S2 = área da seção 2 (m2);
vn = velocidade do fluxo de água na seção molhada n (m/s);
Sn = área da seção n (m2);

Alunos da Graduação em Agronomia da UNESP Ilha Solteira em medição de vazão no Córrego do Cinturão Verde, instruídos pelo Dr. Renato Alberto Momesso Franco.

No método do flutuador deve-se procurar um trecho do córrego, uniforme e que o fundo não seja muito irregular. Determina dois pontos com distância de 5 metros no trecho a ser medido, esta distância vai ser usada para medir a velocidade do fluxo. No ponto a montante constrói o perfil, medindo a largura e a profunididade da seção. Disto resulta a área da seção transversal do córrego (m2), a jusante realiza-se o mesmo procedimento, no final tem a média das duas seções. Os tempos gasto pelo flutuador para atravessar a distância dos dois pontos devem ser anotados e o resultado é uma média dos tempos, o objeto utilizado na prática foi um garrafa pet (600 ml). A fórmula para cáculo de vazão, segue abaixo:
Q = A * D * C / T
Onde:
Q = vazão (m3/s);
A = área da seção transversal do córrego (m2);
D = distância usada para medir a velocidade do fluxo d'água;
C = coeficiente de correção: usar 0,8 para córrego com fundo rochoso; usar 0,9 para córrego com fundo lodoso;
T = tempo (s) gasto pelo objeto flutuador para atravessar a distância D.

As aulas foram ministradas pelos Doutores em Agronomia (Sistemas de Produção) da UNESP Ilha Solteira, Ronaldo Cintra Lima e Renato Alberto Momesso Franco, com auxílio dos alunos da Pós-Graduação em Agronomia, doutorando Marcus Damião de Lacerda e mestrando Diego Gonçalves Feitosa.

Dr. Renato Alberto Momesso Franco (UNESP Ilha Solteira) explicando sobre a qualidade e disponibilidade de água no Córrego do Cinturão Verde aos alunos da Graduação em Agronomia.

Foram repassadas explicações nos cuidados necessários para uma precisa medição e amostragem da água, bem como apresentado os sinais de degradação ambiental ao longo do córrego que afetam a qualidade da água, com destaque à presença de ferro e sedimentos, fruto de uma má conservação do solo. 

Para demostrar aos alunos os procedimentos de coleta em campo, houve coleta de água neste local, pois a informação sobre qualidade da água é necessária para que se conheça a situação dos corpos hídricos com relação aos impactos antrópicos na microbacia.

Além do mais, os alunos tem a oportunidade de absorverem conhecimentos sobre o uso e ocupação do solo e a ação antrópica sobre a disponibilidade e qualidade da água discutida e vivenciada em campo. Dr. Renato Alberto Momesso Franco (UNESP Ilha Solteira), junto com os alunos, fizeram a amostragem da água em vários pontos, com o objetivo da avaliação em laboratório, que revelará alguns dados, tais como:

• Unidades Nefelométricas de Turbidez (UNT) por Espectrofotometria (Hach);
• Nitrato (mg/L) por Espectrofotometria (Hach);
• Coliforme Totais (microbiota da água, plantas e solo) em NMP/100 mL;
• Coliforme Fecais ou Escherichia coli (microbiota intestinal) em NMP/100 mL;
• Bactérias Heterotróficas (diversas espécies, algumas patogênicas) em UFC/mL;
• Condutividade Elétrica - CE (dS/m);
• Temperatura (°C);
• Dureza Total (mg/L);
• pH;
• SS, SD, STS e OD (mg/L);
• Fe, Ca e Mg (mg/L).

Alunos da Graduação em Agronomia da UNESP Ilha Solteira em aula prática no Córrego do Cinturão Verde, sobre mediação de vazão.

No final dessa aula prática, a nossa expectativa é a de que os alunos possam consolidar os seus conhecimentos em gerenciamento da água, reconhecendo os limites de uma microbacia e a importância do trabalho de conservação do solo e da água de maneira coletiva, a legislação em vigor, a medição da vazão "in loco" e a comparação com vazão regionalizada em suas várias formas de cálculo e ainda a qualidade da água em seus aspectos físicos, químicos e biológicos.

Os alunos percorreram o Projeto e a Microbacia do Cinturão Verde em Ilha Solteira - Área Norte, desde a sua nascente em uma área urbanizada, passando por uma área de mata remanescente, passando por área degrada tomada de macrófita, como aguapé e a taboa, além de conhecerem as estruturas de abastecimento coletivo de água para irrigação.

As aulas de qualidade da água e hidrometria dos semestres anteriores realizadas no mesmo local podem ser conferidas no Portal da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira em "Aula Práticas".

Na parte da tarde, as aulas práticas continuaram na área irrigada do Projeto Cinturão Verde e na FEPE - Pomar, conheceram os sistemas de irrigação localizada, incluindo o injetor de químicos e sistemas de filtragem, bem como dispositivos de segurança hidráulica, adutoras e válvulas.

Aula prática do Dr. Ronaldo Cintra Lima na FEPE - POMAR da UNESP Ilha Solteira, sobre sistemas de irrigação e injetor de químicos.

Aula prática do Dr. Ronaldo Cintra Lima no Cinturão Verde em Ilha Solteira

A aulas práticas são realizadas em um mesmo local e devidamente registradas, onde os atuais alunos podem observar as mudanças que ocorrem semestre a semestre no local, tanto fisicamente, como na qualidade da água e vazão. 

Boletim do Clima: 27 de março de 2012

Bom Dia!

Neste momento (09:16 hs) entre as Estações Meteorológicas operadas pela Área de Hidráulica e Irrigação UNESP Ilha Solteira, a estação de Paranapuã é a que apresenta maior temperatura registrando 24,5°C. A estação de Marinópolis apresenta a maior velocidade do vento com 6,7 Km/h vindo da direção Sudeste. 

Ontem, na cidade de Ilha Solteira a temperatura média do dia foi de 28,8°C, sendo a mínima de 22,0°C (06:00 hs) e máxima de 35,5°C (15:59 hs).

A umidade relativa média do ar foi de 69,0%, sendo a mínima de 45,7% (14:23 hs). A evapotranspiração foi de 5,0 mm.

Ontem por volta das 22:00 até as 2:00 da manhã de hoje tivemos a ocorrência de ventos fortes em todo o Noroeste Paulista, sendo que a máxima registrada foi de 47,2 Km/h em Ilha Solteira ás 22:43, seguido de Santa Adélia com 43,9 Km/h ás 22:45, de Marinópolis com 30,7 Km/h ás 22:37, Santa Adélia Pioneiros e Populina com 24,8 Km/h ás 00:52 e 21:55 respectivamente, Bonança com 20,2 Km/h as 03:48 e Paranapuã com 13,4 Km/h as 02:50. Na maioria das estações esse vento veio predominantemente do Norte.

O vento forte veio ainda acompanhado de uma leve precipitação, onde ontem foram registrados 1,3 mm em Santa Adélia e hoje já temos a precipitação de 1,3 mm em Ilha Solteira e Bonança, 1,8 em Santa Adélia e 0,3 mm em Santa Adélia Pioneiros. Como o clima continua nublado em boa parte da região, temos hoje na região uma queda na temperatura em relação aos dias anteriores, onde podemos observar uma diminuição de praticamente 5°C em relação a ontem quase neste mesmo horário.


Continue acompanhando o clima de Ilha Solteira e região através do nosso Portal do Clima.

Não deixe de conferir também as últimas matérias que foram publicadas na impressa sobre o trabalho desenvolvido pela Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP de Ilha Solteira.

domingo, 25 de março de 2012

Agricultura irrigada em notícia

Disse Theodore Roosevelt, Presidente dos Estados Unidos: “É muito melhor arriscar-se por coisas grandiosas, almejar triunfos e glórias, mesmo expondo-se a derrotas, do que formar fila com os pobres de espírito que não sofrem muito, nem gozam muito, pois vivem numa penumbra cinzenta e não conhecem vitórias nem derrotas.”   
Assinamos embaixo o seu pensamento! Ótimo trabalho e uma produtiva semana a todos!

Na quarta-feira (dia 21 de março de 2012) recebemos a visita do Engenheiro Agrônomo Wulf Schimdt da Irriger, que chegou no momento em que estávamos lecionando para a Pós-Graduação. Ato contínuo, colocamos o amigo para contar a sua experiência na empresa especializada em manejo de irrigação e também da temporada que passou no Sudão, trabalhando em um projeto de irrigação com 2,4 milhões de hectares. Além de que aprendemos sobre os rios Nilo Branco (fertilidade) e Nilo Azul (vazão) e suas características. Obrigado Wulf pela visita, venha sempre!




Ontem fizemos a seleção dos interessados em participar da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira em nosso projeto de Extensão Universitária "PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO HIDROAGRÍCOLA E AMBIENTAL" desenvolvido há sete anos com o objetivo de democratizar o conhecimento através da interação com as atividades de ensino, pesquisas e extensão com a sociedade utilizando os canais de mídias baseadas na Internet, incluindo redes sociais e relacionamento com a imprensa. Muita alegria e satisfação pela inscrição de 18 alunos dos diferentes cursos da UNESP Ilha Solteira: Agronomia (5), Civil (7), Física (2), Matemática (2) e Mecânica (3). Foram submetidos à entrevistas coletivas e individual, dinâmica de grupo e questionário de avaliação! Obrigado pelo interesse e pela participação!

Serão nossos Bolsistas PROEX 2012 Bruno Felipe Reis da Silva (Engenharia Mecânica) e Rafael Pinho Biazotto (Engenharia Civil). Sejam bem vindos e que vocês encontrem um ambiental adequado para realizarem um ótimo e produtivo trabalho! 

Os canais de mídias atualmente operados pela Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira, além deste BLOG são: Portal de ConteúdoPortal CLIMACanal no YouTube e IRRIGA-L

O artigos enviados para I Inovagri International Meeting & IV Winotec serão avaliados e selecionados pela Comissão Científica  e originarão 2 edições especiais das revistas IRRIGA: Brazilian Journal of Irrigation and Drainage  e Revista Brasileira de Agricultura Irrigada - RBAI.

Falando em eventos, o Paraná sediará o CONIRD 2012 na cidade de Cascavel e se este Estado tivesse uma área irrigada maior não teria sofrido tanto com a seca. Estima-se em R$ 3,4 bilhóes a perda com a quebra da safra, aponta Mauro Zafalon, na FSP (24/03/2012, p.B21).

E a Valmont, fabricantes de pivôs centrais reforça a sua atuação nas mídias sociais com a campanha "Passaporte Valley" que distribuirá entradas gratuitas para o Agrishow 2012. A campanha vai até 20 de abril. Veja como participar! E conheça também o blog da empresa emhttp://blog.valmont.com.br/noticias/.

Mais um notícia ótima chegou: nosso artigo "Determining actual evapotranspiration and crop coefficient in large scale using weather station and remote sensing in the northwest of the State of São Paulo, Brazil" foi aceito pela Comissão Organizadora do 7th International Symposium on Irrigation of Horticultural Crops promovido pela ISHS - International Society for Horticultural Science e que será realizado em Geisenheim - Alemanha entre 16 e 20 de julho de 2012.
A conferência está centrada em seis linhas temáticas com foco no uso eficiente da água para aumento da oferta e sua qualidade. Os temas são: Evapotranspiration and canopy processes (keynote speaker: Jochen Schenk), Irrigation scheduling (keynote speaker: Amos Naor), Water quality / water re-use and salinity, Modelling and climate change, Remote sensing (keynote speaker: Lyn Jones) e Water / carbon footprint and socio-economic consequences (keynote speaker: Brent Clothier).
Este trabalho é feito em parceria com o Pesquisador Antonio Heriberto de Castro Teixeira, no projeto “MODELAGEM DA PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM BACIAS HIDROGRÁFICAS COM MUDANÇAS DE USO DA TERRA”, financiado pela FAPESP e FACEPE e que teve dois artigos aceitos no mesmo Simpósio. Vários artigos técnicos já foram publicados a partir da execução deste projeto e estão disponíveis no canal TEXTOS TÉCNICOS do Portal da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira. Este projeto resultou também na montagem da  Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista  e do Portal CLIMA da UNESP Ilha Solteira, onde estão os produtos oferecidos, que são gráficos e mapas de acompanhamento em tempo real de todas as estações e as principais variáveis climáticas, tais como temperatura, umidade do ar, velocidade e direção do vento, chuva, evapotranspiração, pressão atmosférica e radiação global e líquida.

E sete jovens agropecuaristas australianos e um canadense estarão nesta segunda-feira (dia 26 de março) visitando o Laboratório de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira para conhecer nossas atividades de pesquisa e extensão.  São agropecuaristas que se destacaram e foram premiados um Bolsas da Fundação Nuffield com viagens pelo mundo para conhecimento da agropecuária desenvolvida nos diferentes países. Estarão acompanhados do Engenheiro Agrônomo Pablo Manfrim, de Auriflama, mas que já esteva à trabalho por um longo período na Austrália.

E a Fundação Rotary em parceria com a UNESP estará oferecendo Bolsas de Estudos para especialistas em Recursos Hídricos. Interessados em se candidatar, pertencentes ao Distrito Rotary 4.480 podem entrar em contato com o Companheiro Roberto Cardieri.

Também esta semana complementaremos com as aulas práticas os estudos desenvolvidos em sala de aula sobre qualidade e disponibilidade da água. Vamos medir vazão, ver "in loco" os cuidados necessários para uma precisa medição e amostragem da água, bem como conhecer os sinais de degradação ambiental que afetam a qualidade da água, com destaque à presença de ferro e sedimentos, fruto de uma má conservação do solo. Estas aulas práticas anteriores, que sempre são realizadas em um mesmo local e são devidamente registradas e os atuais alunos podem observar as mudanças que ocorrem semestre a semestre no local, tanto fisicamente, como na qualidade da água e vazão. O vídeo abaixo ilustra a medição da vazão pelo método do molinete e em nosso canal no YouTube há outros vídeos sobre hidrometria. Podem conferir sem moderação! Também, em outra aula prática, nossos alunos irão percorrer o projeto Cinturão Verde e conhecer estruturas de abastecimento coletivo de água para irrigação e ainda na FEPE-Pomar conhecer os sistemas de irrigação localizados, incluindo o injetor de químicos.
Nas aulas anteriores iniciamos os conceitos e exemplos ligados às propriedades físico-hídricas do solo, climatologia e turno de rega e bibliografia para os estudos posteriores está sugerida em nosso Portal, no canal "Atividades Acadêmicas" - onde serão encontradas as listas de exercícios -  e também disponibilizada no canal "Textos Técnicos".



Agricultura irrigada
O secretário da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário de Tocantins, Jaime Café, juntamente com o secretário Nacional de Irrigação do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Ramon Flávio Rodrigues, embarcou para o Peru, ontem, dia 17, com o objetivo de conhecer as obras do projeto de Irrigação Olmos. Também participarão da viagem institucional o deputado federal Irajá Abreu, além dos membros da diretoria da empresa Odebrecht, responsável pelo Projeto.

Manejo da irrigação favorece a produtividade é o que garante os Pesquisadores da Embrapa Hortaliças que  explicam que ganhos variam de 10 a 30% e a redução do uso de água e energia é de aproximadamente 20 a 30%. A quantidade correta de água e o momento exato da irrigação são pontos-chave em um manejo adequado. Além de economizar água e energia, o controle pode assegurar um melhor desempenho em termos de produtividade e qualidade das hortaliças.

Em visita a Alagoas, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, anunciou um novo programa federal, o “Mais Irrigação”, que deverá ser lançado no próximo mês pela presidente Dilma Rousseff.

Programa lançado pelo governo do RS incentiva irrigação nas lavouras e em 25 anos, o Estado deixou de colher 50 milhões de toneladas de grãos. O investimento será de R$ 225 milhões, porém para Cleonice Back o "Programa de irrigação gaúcho é um avanço, mas precisamos de mais", disse no lançamento do "Programa Estadual de Agropecuária Irrigada: Mais Água, Mais Renda" em 14 de março de 2012. O Plano foi lançado depois que seca faz a economia gaúcha desabar. A escassez de chuva que começou a castigar o Rio Grande do Sul em novembro do ano passado e provocará a maior quebra da safra local de grãos desde 2004/05 também vai restringir o desempenho da economia gaúcha neste ano. O tamanho do impacto ainda é incerto, mas a indústria, o comércio e o próprio governo estadual já projetam perdas de receitas, reforçando a tendência de que, ao contrário do que ocorreu em 2011, o Produto Interno Bruto (PIB) do Estado deverá crescer menos do que o brasileiro neste ano.

Economia / infra estrutura
O Porto do Pecém e a agricultura irrigada no Ceará é destaque no Diário do Nordeste e a posição geográfica e as ampliações pelas quais o porto passa tornam o local um polo para negócios no NE.

Para BRF, custo com grãos permanecerá alto e o seu Presidente José Antonio Fay, aponta incertezas devido à seca no campo. A Brasil Foods, maior produtora de carne suína e de aves do Brasil, considera que os custos dos seus principais insumos, o milho e a soja, deverão se manter em patamares elevados durante 2012. "Não há razão para os preços subirem mais, mas não deve haver razão para os preços cederem", afirmou o presidente-executivo da BRF, José Antonio do Prado Fay, em teleconferência anteontem, para comentar os resultados da empresa em 2011. (FSP, 24/03/2012, p.B.20)

Em artigo na FSP de 24/03/2012 (p.B.20) o Professor Geraldo Barros considera que o mercado interno é um caminho para a agregação de valor e que o setor de café e lácteos parecem aproveitar melhor essa possibilidade.


Entretenimento / música
Quarenta anos depois, a história do Clube da Esquina continua e o disco agregou participações e provocou novos lançamentos a partir de 1972. Saiba mais sobre esta galera de Minas Gerais e o que aconteceu na música neste ano tão emblemático. Em 2007, os discos Milton Nascimento - Clube da Esquina I e II - 1972/1978 foram remasterizados.  Conheça as músicas do álbum (1)! E saiba mais desta história maravilhosa que influenciou gerações, incluindo a minha!





Mas assista também com Lô Borges, o depoimento do início da amizade entre Milton Nascimento e Lô Borges cantando depois "Um Girassol da Cor do seu Cabelo", e "Trem de Doido" na versão moderna.

Bolsistas da Fundação Nuffield da Austrália e Canadá visitarão UNESP amanhã

sexta-feira, 23 de março de 2012

CHUVA NO NOROESTE PAULISTA

Ontem choveu no noroeste paulista e a Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista operada pela UNESP Ilha Solteira registrou tudo. O destaque foi Populina, com 53,6 mm e Pereira Barreto (Estação Santa Adélia) com apenas 6,4mm. Novamente a chuva se desviou do município de Ilha Solteira. A Estação Santa Adélia está posicionada na divisa dos municípios de Ilha Solteira e Pereira Barreto.

Veja o volume de chuva no quadro abaixo:

Mais informações em no Portal CLIMA da UNESP Ilha Solteira em http://clima.feis.unesp.br

quinta-feira, 22 de março de 2012

O sucesso no combate à fome depende de melhor utilização da água




A produção de alimentos suficientes para alimentar a crescente população mundial exigirá que comunidade internacional assegure o uso sustentável do “recurso finito mais importante” do mundo, a água.

“A menos que melhoremos a nossa capacidade de usar a água na agricultura, praticando-a com sensatez, não conseguiremos acabar com a fome e vamos abrir a porta a uma série de outros problemas, incluindo a seca, a fome e a instabilidade política” (Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU).

O motivo é claro: regando, os agricultores podem produzir mais alimentos. A agricultura de irrigação é responsável por apenas 20% da área terrestre cultivada do planeta, mas produz 40% dos alimentos.

O Dia Mundial da Água é celebrado anualmente no dia 22 de março, e a cada ano a Organização das Nações Unidas (ONU), define um tema para abordar os problemas relacionados aos recursos hídricos. Em 2012 o tema é “Água e segurança alimentar”, que traz à tona reflexões e discussões em torno do tema. A data tem como objetivo principal criar um momento de reflexão, análise, conscientização e elaboração de medidas práticas para a conservação dos recursos hídricos. Definido anual e mundialmente pela Organização das Nações Unidas (ONU), a proposta para 2012 é ousada e esperam-se profundas discussões e ações concretas dos países para melhoria da qualidade de vida em todo o planeta.

A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento de 1992 (Eco-92) recomendou a criação de um dia internacional para celebrar a água. No ano seguinte, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), através da resolução A/RES/47/193 de 22 de Fevereiro de 1993, declarou que o 22 de março de cada ano marcaria a data. Sendo assim, desde o dia 22 de março de 1993 é celebrado o Dia Mundial da Água. Um dia destinado à discussão sobre os diversos temas relacionadas a este importante bem natural. Cerca de 0,008 %, do total da água do nosso planeta é potável (própria para o consumo).

Com a instituição do Dia Mundial da Água, os países foram convidados a aderir às recomendações da ONU relativas aos recursos hídricos e a concretizar atividades apropriadas ao contexto de cada país. No Brasil, a adesão partiu do Congresso Nacional. A Lei nº 10.670, de 14 de maio de 2003, instituiu o Dia Nacional da Água, que também passou a ser comemorado no dia 22 de março de cada ano.

A ONU divulgou um importante documento: a “Declaração Universal dos Direitos da Água”. Este texto apresenta uma série de medidas, sugestões e informações que servem para despertar a consciência ecológica da população e dos governantes para a questão da água.

A Agência Nacional de Águas (ANA) apoia e promove eventos seguindo a temática para trazer ao debate a ligação que há entre água e segurança alimentar, como a exposição "Água na Medida Certa: a Hidrometria no Brasil", aberta ao público de 22 a 30 de março, no Museu Nacional, em Brasília, mostrando a evolução da rede hidrometeorológica ao longo dos anos e como suas informações são de relevância para o gerenciamento dos recursos hídricos brasileiros.

E como sabemos, grande parte das fontes desta água (rios, lagos e represas) esta sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória do homem. O Dia Mundial da Água tem como objetivo principal criar um momento de reflexão, análise, conscientização e elaboração de medidas práticas para resolver tal problema.

Há sete bilhões de pessoas para alimentar no mundo hoje. Estatísticas dizem que cada um de nós bebe de 2 a 4 litros de água todos os dias, além da água utilizada para produzir o que comemos: produzir 1 kg de carne, por exemplo, consume 15,5 mil litros de água, enquanto 1 kg de trigo consome 1.500 litros. Quando um bilhão de pessoas no mundo já vivem em condições de fome crônica e os recursos hídricos estão sob pressão, não podemos fingir que o problema não está conectado.

Lidar com o crescimento da população e assegurar o acesso a alimentos nutritivos para todos requer uma série de medidas. Todos podemos contribuir:

- Consumir produtos que fazem uso menos intensivo de água;
- Reduzir o desperdício escandaloso de alimentos, nunca consome 30% dos alimentos produzidos no mundo inteiro e da água usada para produzi-los é definitivamente perdida;
- Produzir mais alimentos, de melhor qualidade com menos água;
- Ter uma dieta saudável.

Você sabe quantos litros de água são necessários para fazer uma tradicional xícara de café, bebida consumida por nove entre dez brasileiros? E quanto é gasto para 1 kg de carne chegar nas geladeiras dos açougues? O consumo de água ao longo do ciclo de produtos comuns do dia-a-dia, como o habitual café da manhã ou o bife do almoço, pode ser expresso através da Pegada Hídrica, ou Water Footprint, na sigla em inglês. 

Abaixo, um esquema para mostrar quanta água é usada para produzir alguns itens de consumo geral:

1 Maçã = 70 litros de água
1 kg de carne = 15.500 litros de água
1 copo de cerveja (250 ml) = 75 litros de água
1 fatia de pão de forma = 40 litros de água
1 kg de queijo = 5.000 litros de água
1 kg de carne de frango = 3.900 litros de água
1 camisa de algodão = 2.700 litros de água
1 xícara de café = 140 litros de água
1 ovo = 200 litros de água
1 taça de vinho = 120 litros de água
1 litro de leite = 1.000 litros de água
1 folha de papel A4 = 10 litros de água
1 par de sapatos de couro = 8.000 litros de água
1 kg de açúcar refinado = 1.500 litros de água
100 gramas de chocolate = 2.400 litros de água
1 hambúrguer = 2.400 litros de água


O conceito de Pegada Hídrica pode ser uma poderosa ferramenta de educação ambiental, e incentiva o uso responsável da água. O objetivo é avançar nas estratégias de conservação e gestão da água doce.

A Pegada Hídrica é uma ferramenta de gestão de recursos hídricos que indica o consumo de água doce com base em seus usos direto e indireto. O método permite que as iniciativas públicas e privadas, assim como a população em geral, entendam o quanto de água é necessário para a fabricação de produtos ao longo de toda a cadeia produtiva. Desta forma, os segmentos da sociedade podem quantificar a sua contribuição para os conflitos de uso da água e degradação ambiental nas bacias hidrográficas em todo o mundo.

O criador do conceito de Pegada Hídrica foi o Professor Dr. Arjen Y. Hoekstra (University of Twente, Faculty of Engineering Technology, Department of Water Engineering & Management, Netherlands), onde o mesmo transmite o conhecimento técnico a representantes de instituições-chave que possam unir esforços para atrair o engajamento de governos, empresas, universidades, institutos de pesquisa, ONGs, entre outros, no sentido de implementar a metodologia de gestão eficiente e sustentável da água em vários países.

E VOCÊ?

A ONU, com o tema Água e Segurança Alimentar, convida você a reduzir o desperdício de água e alimentos. O “Águas de Março” convida você a participar dos eventos brasileiros no mês em que é comemorado o Dia Mundial da Água.

Nas próximas décadas, alimentar uma população global crescente e garantir a segurança alimentar e nutricional para todos dependerá do aumento da produção de alimentos. Esta, por sua vez, significa assegurar o uso sustentável do nosso recurso finito mais crítico – a água.

O tema deste ano do Dia Mundial da Água é a água e a segurança alimentar. A agricultura é de longe a maior usuária de água potável. Se não formos capazes de usar a água com sabedoria na agricultura, falharemos em acabar com a fome e vamos abrir a porta para uma série de outros males, incluindo a seca, a fome e a instabilidade política.

Em muitas partes do mundo, a escassez de água está aumentando e as taxas de crescimento da produção agrícola têm diminuído. Ao mesmo tempo, a mudança climática está agravando o risco e imprevisibilidade para os agricultores, especialmente para os agricultores pobres em países de baixa renda, que são os mais vulneráveis e os menos capazes de se adaptar.

Estes desafios interligados estão aumentando a concorrência entre as comunidades e países de escassos recursos hídricos, agravando antigos problemas de segurança, criando novas e dificultando a realização dos direitos humanos fundamentais de comida, água e saneamento. Com cerca de um bilhão de pessoas com fome e cerca de 800 milhões com falta de fornecimento seguro de água potável, há muito o que se fazer para fortalecer os alicerces da estabilidade local, nacional e global.

Garantir a alimentação sustentável e a segurança da água para todos exigirá o empenho total de todos os setores e atores. Implicará a transferência de tecnologias de apropriação de água, capacitando pequenos produtores de alimentos e conservando os serviços ambientais essenciais. Isso exigirá políticas que promovam os direitos da água para todos, uma maior capacidade reguladora e a igualdade de gênero. Os investimentos em infraestrutura de água, desenvolvimento rural e gestão de recursos da água serão essenciais.

Devemos todos nos incentivar pelo interesse político renovado em segurança alimentar, como evidenciado pela alta prioridade dada a esta questão pelas agendas do G8 e G20, com ênfase na relação dos alimentos, água e energia no relatório global Painel de Sustentabilidade Global, e o número crescente de países que se comprometeram na Escalada Nutricional.

Neste Dia Mundial da Água, insto todos os parceiros a utilizarem plenamente a oportunidade proporcionada pela Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). No Rio, temos que ligar os pontos entre a segurança da água e segurança alimentar e nutricional no contexto de uma economia verde. A água vai desempenhar um papel central na criação do futuro que queremos.

Fonte: ONU, ANA, Google.

Dia Mundial da Água

Iniciamos nosso trabalho em Ilha Solteira pesquisando o uso da água e os sistemas de irrigação. Depois percebemos que se não tivermos água em quantidade e qualidade, de nada adiantará os equipamentos de irrigação. E assim, ao longo dos anos incorporamos aos projetos de pesquisa estudos sobre a oferta e qualidade da água a tal ponto que em alguns momentos foram os nossos principais projetos de pesquisa.

E assim, treinamento e conscientização sempre foram as marcas da atuação da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira e criamos a mensagem abaixo que estava gravada nas camisetas que distribuímos no Curso de Capacitação em Agricultura Irrigada (Ilha Solteira, 25 a 29/01/1999) e no Programa de Capacitação em Agricultura Irrigada Fase I e 2 realizado em 2001 e 2002.


ÁGUA: VAI ESPERAR ACABAR PARA ECONOMIZAR?




Reflexão do DIA MUNDIAL DA ÁGUA: é dia para comemorar ou para se preocupar
Pense nisso!

domingo, 18 de março de 2012

Resumindo a semana

Começamos com as palavras de Marcel Proust, para quem "A verdadeira viagem da descoberta consiste não em buscar novas paisagens, mas em ter olhos novos."

Em 18 de março de 1314 morre Jacques De Molay, último Grão-Mestre dos Cavaleiros Templários que preferiu morrer do que trair seus Irmãos e em 18 de março de 1919 é fundada a Ordem DeMolay, atualmente com cerca de 4 milhões de membros espalhados pelo mundo, e hoje se comemora os 93 anos de existencia Ordem DeMolay e luto eterno ao nosso herói mártir Jacques De Molay. A Lei Federal Nº 12.208, de 19 de janeiro de 2010 oficializa o "Dia do Demolay" no Brasil como sendo 18 de março. Portanto a todos os Demolays e também aos Tios que se dedicam à nobre missão de educá-los e manter as Sete Virtudes Cardeais em prática, um imenso PARABÉNS! Sinto orgulho de vocês! E para comemorar  a data, daqui a pouco começa em todo o Estado de São Paulo, a campanha de arrecadação de alimentos proposta pelo Grande Capítulo DeMolay São Paulo. Os alimentos serão destinados à entidades assistenciais. É tão fácil participar, vamos colaborar?

Na semana passada na Graduação visitamos a FEPE-Cerrado para conhecer o sistema de irrigação tipo pivô central e as instalações hidráulicas e componentes do equipamento e cuidados necessários para o seu projeto e funcionamento. Sistema de captação de água e instalações de bombeamento também foram amplamente discutidos e o registro da aula já está disponível no canal Galeria e também em "Aulas Práticas".

Na postagem anterior divulgamos a oportunidade para alunos de Graduação da UNESP Ilha Solteira fazerem parte da Área de Hidráulica e Irrigação através do projeto de Extensão, onde receberemos Bolsistas que devem se envolver com a interação entre a pesquisa, o ensino e a extensão, através dos canais de mídia operados por nós. Esperamos ter a oportunidade de agregar alunos motivados a aprender e inovar.

Recebemos e agradecemos ao amigo Júlio de Angelis que nos envia a excelente e completa publicação "O retrato da citricultura brasileira" (Coordenação de Marcos Fava Neves - Markestrat) onde no capítulo sobre mudanças climáticas a região de São José do Rio Preto é citada como a que registrou entre 1995 e 2009 uma elevação de temperatura da ordem de 2ºC em relação ao período de 1960 a 1990, tendo como resultado o agravamento das condições climáticas, com chuvas mais escassas nesta região e com isso a irrigação dos pomares passa ser uma realidade nos dias de hoje, ao contrário de duas e três décadas atrás. O estudo também cita o IPCC que aponta um agravamento dos fenômenos extremos e a ampliação dos períodos de seca. No noroeste paulista a recomendação é a do uso de porta-enxertos diferentes do limão-cravo e o uso da irrigação (p.54 e 55).
De fato, em Ilha Solteira em 2010 ficamos 141 dias sem chuva (o maior período desde 1991) e Marinópolis forma 177 sem chuva neste ano (o maior período desde 1998).

O setor sucroalcooleiro brasileiro em geral sempre apresentou resistência ao uso da irrigação e mantem um percentual de terras irrigadas com água (não considerando vinhaça) muito baixo perto da potencialidade da cultura da cana. No Brasil em 2010, apenas 2% dos 9,5 milhões de hectares foram irrigados com água, não obstante o setor ter dificuldades para o crescimento necessário da produção de cana, muito prejudicado pelo clima reinante. Assim, esta semana as notícias ligadas à este setor falavam da influência do clima e a previsão da safra 2012/2013. "Clima pode atrasar em até 1 mês início da safra de cana: além do atraso da colheita, o setor está preocupado com a repetição, nesta safra, do cenário de 2011, quando um menor volume de cana fez com que tanto a produção de açúcar como de etanol fosse afetada", foi uma das notícias publicadas. A safra 2011/2012 produziu 495 milhões de toneladas de cana. O Datagro diz que a  safra de cana 2012/2013 será igual ou pior do que a atual, diante deste cenário demanda de açúcar e etanol continuará pressionada, o que fará com que os preços sigam sustentados no próximo ano. A Agência Estado também destaca o atraso no início da safra e a Copersucar reduz previsão da safra de cana e a revisão ocorreu pela estiagem em fevereiro e março em regiões produtoras como São Paulo. Com a oferta de açúcar praticamente estagnada no Brasil, o preço da commodity deve ter um novo ciclo de alta no médio prazo. A Copersucar, maior comercializadora brasileira de açúcar e etanol, revisou a previsão de safra de cana-de-açúcar 2012/13 do Centro-Sul do Brasil para entre 500 milhões e 520 milhões de toneladas, ante uma estimativa inicial de 540 milhões de toneladas. A revisão, que fará com que a safra fique levemente acima das 495 milhões de toneladas processadas na safra 2011/12, ocorreu pela estiagem em fevereiro e março em regiões produtoras, como São Paulo.

Por aqui no noroeste paulista, o início da moagem previsto para 15 de abril terá atraso, pois a cana ainda não está em condições de ser colhida. As chuvas de fevereiro foram aquém do previsto e um veranico prolongado trouxe consequências. A chuva voltou na sexta-feira e Sud Menucci registrou em apenas uma hora 70,6mm (total de 87,1mm), ou seja, chuva em grande intensidade com potencial erosivo. Na Bonança (Pereira Barreto) no mesmo horário (entre 19 e 20 horas) foram 51 mm, mas antecedidos de outros 30 mm (total de 90,7mm). E na Santa Adélia, também em Pereira Barreto, foram apenas 20,3 mm, ou seja, distribuição irregular de chuvas, como tem acontecido com elevada frequência.

Ilha Solteira é a estação com um histórico maior (registros desde 1967) e são esperados até o fim de março 553 mm (em fevereiro 173 e em março 147 mm) e até o momento choveu 356 mm, ou seja, apenas 64% do esperado. Fevereiro fechou com apenas 101 milímetros.

E ainda, enquanto São José do Rio Preto enfrentou na noite deste sábado mais um dia de chuva e dificuldades no trânsito, em Populina foram 16,5mm, em Ilha Solteira registramos 1,3 mm e em Paranapuã, Pereira Barreto, Sud Mennucci, Marinópolis registramos apenas 0,3 mm, evidenciando mais uma vez a dispersão das chuvas na região e a necessidade de se contar com sistemas de irrigação para manter a produtividade em alta.


E com um cenário em que há uma grande dificuldade em se ampliar a produção para atender a demanda baseada em aumento de produtividade, devido às secas e veranicos, o uso da irrigação é cada vez mais necessário, porém a maioria dos empresários e técnicos do setor ainda se mostram céticos quanto ao uso de sistemas de irrigação alimentados por água pura e assim surge a excelente ideia do projeto "Cana Pede Água", que visa implementação de irrigação com água em produção de cana-de açúcar. Trata-se de uma ação de marketing pré-concorrencial baseada em estudos técnicos que comprovam a viabilidade técnica-econômica do uso de sistemas de irrigação e vários artigos técnicos e mapas já foram publicados e podem ser acessados, além de outras ações que visam conscientizar o setor. A iniciativa é das empresas IrrigaBrasil, NaanDanJain, Raesa, Tigre e Valley, tendo a frente a RPA Consultoria.

Na visita à NaanDanJain também conhecemos e trouxemos para uso nas aulas práticas o NDJ DripKit, sistema de irrigação por gotejamento utilizado por gravidade para pequenas áreas. Na foto abaixo os Diretores da NDJ Egídio Osti Neto e Alfredo Teixeira entregam as caixas com o kit de irrigação doados à UNESP.

E o Inovagri International Meeting está chegando. Será entre os dias 28 e 31 de maio de 2012 em Fortaleza, onde 35 Pesquisadores estrangeiros e 15 brasileiros mostrarão o que há de mais atual em agricultura irrigada e uso da água.

No sul, a estiagem fez muitos estragos e o Banrisul disponibiliza aos produtores rurais, já a partir desta quinta-feira, 15, as linhas de crédito vinculadas ao Programa Estadual de Expansão da Agropecuária Irrigada em todas as suas 405 agências no Estado. O programa oferece financiamentos com incentivos econômicos para estimular o investimento de produtores rurais em sistemas de irrigação que minimizem o impacto das estiagens e aumentem a produtividade na atividade agrícola. 

A equação do clima: Quantificar o real efeito do desmatamento e das atividades agrícolas na temperatura média do planeta é o principal resultado de um trabalho realizado por pesquisadores do Brasil e dos Estados Unidos e publicado na edição de março da revista Nature Climate Change com o titulo de "Climate-regulation services of natural and agricultural ecoregions of the Americas". O conhecimento mais acurado do impacto dos ecossistemas terrestres sobre o clima se tornou possível agora porque os pesquisadores incluíram nos cálculos dois fenômenos que costumavam ser deixados de lado: a evapotranspiração (perda de água por evaporação e transpiração das plantas) e a absorção de energia solar pela vegetação. "É importante ressaltar que, de modo geral, as matas nativas têm um papel de resfriamento próximo ao solo maior do que as culturas agrícolas e bioenergéticas", explica o pesquisador Marcos Heil Costa, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), outro autor do artigo. "A exceção mais notória são as coníferas canadenses, pois devido à grande quantidade de neve nessa região a presença das árvores tende a aquecer a região, ao invés de resfriar."

Economia e agronegócios
Tatiana Freitas na Folha de São Paulo (15/03/2012, p.B.5) informa que  o agronegócio cresce o dobro da economia e que com preços altos e volumes recordes de produção, PIB do setor aumenta 5,7% em 2011 e atinge R$ 942 bilhões e a participação do setor na economia sobe para 22,7%. Mas com preços menores, 2012 deve ter crescimento menor. O agronegócio cresceu, em 2011, o dobro da economia brasileira, que avançou 2,7%, segundo o IBGE. Preços altos e volumes recordes de produção levaram o PIB do setor a R$ 942 bilhões, alta de 5,7%. Com isso, a participação do agronegócio na economia aumentou de 21,78%, em 2010, para 22,74% no ano passado. Os dados são de estudo do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), ligado à USP, com apoio da CNA (Confederação Nacional da Agricultura).
O ano foi de continuidade na melhora da renda do setor, mas os efeitos da crise, a partir do segundo semestre, reduziram o ritmo de expansão - em 2010, o PIB do agronegócio subiu 7%. Em 2012, dificilmente o bom resultado será repetido. "Os preços (das commodities) com certeza não vão ajudar tanto [como em 2011] e terão efeito negativo no PIB", afirma Geraldo Barros, coordenador científico do Cepea. Com os efeitos da estiagem do início deste ano nas lavouras ainda desconhecidos, há dúvidas sobre a contribuição dos volumes produzidos no resultado geral. "Vai depender muito do impacto do clima na quantidade produzida, mas devemos ter um pequeno aumento ou leve queda", acrescenta Barros.
AVANÇO NO CAMPO: No ano passado, o melhor desempenho ocorreu da "porteira para dentro". O mercado de insumos para a agropecuária, como fertilizantes e rações, cresceu 11,4% no ano passado, enquanto a produção no campo, considerando lavoura e pecuária, aumentou 10,8%. Só nas lavouras, o avanço foi de 12,1%, com destaque para o algodão, cujo faturamento mais do que duplicou. O PIB da pecuária subiu 8,8%. Mas, nesse caso, a alta de 8% nos preços médios foi a única responsável pelo avanço, pois o volume de produção permaneceu estável. No caso da pecuária de corte, que passou por mais um ano de oferta restrita de animais para o abate, a alta de preços não compensou a queda nos volumes, e o setor encerrou o ano com um leve recuo de 0,45% no PIB. Já a produção de frango (30%), leite (10%) e ovos (17%) cresceu. Entre todas as atividades do agronegócio, a indústria teve o desempenho mais modesto, encerrando o ano com variação de 0,66% no PIB. Das 13 indústrias analisadas, apenas 3 cresceram: café (13%), óleos vegetais (12%) e alimentos (10%). O dado geral reflete setores em crise, como calçados, cujo PIB caiu 11,7%, e têxtil (-9,9%). A quebra da safra de cana, ocasionada por problemas climáticos e falta de investimento nos canaviais, provocou retração de 10,7% na produção de açúcar. 



Enquanto isso, a USP se consagra entre as 70 universidades com maior reputação no mundo e é a única da América Latina a aparecer no ranking da THE (Times Higher Education). E a FSP dá o destaque em seu Editorial de 16/03/2012 (p.A.2) " A reputação da USP" que começa assim: "A classificação da USP entre as 70 universidades com melhor reputação no mundo evoca a metáfora um tanto gasta do copo cheio (ou vazio) pela metade. É uma boa notícia, por certo, ainda que não mereça ser brindada com entusiasmo. A USP é a única instituição da América Latina entre as cem da lista das mais reputadas compilada pelo grupo THE (Times Higher Education). No ano passado, nem aparecia na relação. Fica longe de fazer feio, de toda maneira, uma universidade que se encontra no mesmo patamar de centros como a Universidade Humboldt (Berlim) e o King's College (Londres)..." O sítio oficial pode ser acessado AQUI!

Cultura e entretenimento
E eu que avalio meus alunos com provas onde se pode realizar consultas, gostei do artigo "Como desisti da Escola Politécnica", publicado na FSP (16/03/2012, p.A.3) e assinado por Jotagá Crema - um dos Diretores da série "Três por Cento" - que mostra a sua insatisfação com o que se ensinava, a difícil decisão de mudar o rumo inicialmente traçado e finalmente o encontro da satisfação em outra atividade. Jotagá escreve "Na Poli, as várias técnicas de cola eram uma instituição, trapacear era natural, os alunos acabavam a prova e as fórmulas, de origem misteriosa, já eram esquecidas..." e termina seu artigo assim: " Abandonar a Poli foi difícil... Saí com a consciência tranquila e passei em último lugar no curso de audiovisual da USP. Estou formado há um ano e creio que, apesar do difícil mercado de trabalho, estou na área certa. Sinto maior liberdade para pensar e me expressar. Uma escolha errada não precisa acabar com uma vida inteira. Preparo-me para fazer mestrado. Quero ser professor. E tenho certeza de uma coisa: se um dia tiver de aplicar provas, elas terão consulta."  

Uma bíblia de 1500 anos foi descoberta na Turquia, após a prisão de uma quadrilha que comercializava antiguidades de forma ilegal. O livro, feito em couro tratado e escrito em um dialeto do aramaico, língua falada por Jesus, tem as páginas negras, por causa da ação do tempo. Veja a matéria completa com video!

sexta-feira, 16 de março de 2012

SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROEX

O projeto de Extensão universitária "PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO HIDROAGRÍCOLA E AMBIENTAL" desenvolvido pela Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira há sete anos estará selecionando Bolsistas para o ano de 2012.

Poderão se candidatar alunos de qualquer dos cursos oferecidos pela UNESP Ilha Solteira, desde que esteja cursando pelo menos o 4º SEMESTRE e se exige a dedicação de 10 horas semanais.

Os Bolsistas deverão ajudar a democratizar o conhecimento através da interação com as atividades de ensino, pesquisas e extensão realizadas pela Área de Hidráulica e Irrigação e os canais de mídias baseadas na Internet, incluindo redes sociais e relacionamento com a imprensa. Para tanto usarão editores de texto, planilhas eletrônicas e receberão treinamento para confecção de sítios e ainda para operar os equipamentos disponíveis no Laboratório de Hidráulica e Irrigação e em campo.

Os canais de mídias atualmente operados pela Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira, além deste BLOG são:
Portal de Conteúdo: http://www.agr.feis.unesp.br/irrigacao.php
Portal CLIMA: http://clima.feis.unesp.br
Canal no YouTube: http://www.youtube.com/fernando092

Os Bolsistas terão direito à uma Bolsa de Apoio Acadêmico e Extensão II cujo valor atual é de R$ 310,00 mensais.

Os projetos de pesquisa atualmente desenvolvidos estão disponíveis em www.agr.feis.unesp.br/pesquisas.php


Os INTERESSADOS deverão enviar e_mail manifestando interesse, informando o curso e o semestre que está cursando até o dia 20 de março para

quinta-feira, 15 de março de 2012

Curso Prático de Calibração de Sensores

Boa Noite



Uma ótima oportunidade:

A calibração da instrumentação é a ferramenta fundamental que assegura a confiabilidade das medidas obtidas por sistemas de coleta de dados ambientais em conformidade com as normas técnicas estabelecidas pelos diversos órgãos mundiais de padronização e regulamentação. A exatidão das medições realizadas depende diretamente da calibração periódica dos instrumentos de medição. Por outro lado, a rastreabilidade dos padrões utilizados na calibração é controlada a nível internacional e, atuando em conjunto, permitem a comparabilidade das medições realizadas em qualquer parte do mundo.

Público alvo - Profissionais e estudantes das áreas de Meteorologia, Instrumentação e Metrologia.
Carga horária - 35 horas. (Certificado emitido para > 80% presença)
Instrutores - Equipe do LIM / Metrologia Ambiental
Local - Prédio do LIM e Prédio da Difusão do Conhecimento do CPTEC/INPE 

Tempo muda de repente no Noroeste Paulista

NACI - Núcleo de Apoio Computacional à Irrigação

Pela manhã foi um calor intenso nessa quinta-feira (15 de março de 2012) em Ilha Solteira-SP, e bruscamente  no início da tarde, o tempo fecha e a temperatura cai no Noroeste Paulista.

A estações Santa Adélia e Ilha Solteira, respectivamente na região de Pereira Barreto-SP e Ilha Solteira-SP, registram nesse dia (15/março/2012), às 15h:15min, pouquíssimas chuvas de 6,9 e 0,3 mm, temperaturas médias do ar de 23,2 e 24,9°C, umidades relativas do ar médias de 87,9 e 79,2%, e velocidade do vento médias de 12,5 e 5,0 km/h.



Esperamos que venha chover a noite. Será?

Confira mais informações em nosso portal: http://clima.feis.unesp.br

 Analista de Sistema da UNESP Ilha Solteira, Jean Quaresma, monitorando os dados da Rede de Estações Agrometeorológicas Automáticas no Noroeste paulista.

segunda-feira, 12 de março de 2012

domingo, 11 de março de 2012

Resumo da semana e muito mais...

A semana foi bastante intensa e produtiva. Nas aulas na Graduação e Pós-Graduação discutimos a história da irrigação, sua importância no Brasil e no mundo, o porque do uso de sistemas de irrigação, sugerimos a bibliografia relativa aos temas e ainda falamos da disponibilidade hídrica. Aqui neste blog trouxemos também a sugestão de textos para leitura semanal. E como informado, amanhã teremos aula no Cerrado, pivô central e os acessórios que formam um sistema de irrigação é o objetivo da aula. Reforçamos a importância de estarmos adequadamente vestidos, incluindo o uso de protetor solar.

Nosso Projeto de Extensão "Planejamento e gerenciamento hidroagrícola e ambiental" terá continuidade e esta semana saiu o resultado da sua renovação. Alunos de Graduação da UNESP Ilha Solteira poderão participar da seleção de Bolsista com o objetivo de interagir com a midias sociais e Internet divulgando as atividades desenvolvidas pela Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira ligadas à agricultura irrigada e agroclimatologia. Interessados, aguardem instruções para participar do processo de seleção! Detalhes ainda esta semana neste blog e em cartazes no Campus.

Já consolidado com quase 88.400 páginas visitadas e 22.937 acessos em 2011, chegou a hora do Portal CLIMA da UNESP Ilha Solteira conhecer seus usuários e assim, na segunda-feira a noite (dia 5 de março de 2012), 14 meses após o seu lançamento, para acessar o banco de dados há agora a necessidade de cadastrado. O acesso aos dados diários continuará sendo gratuito e para consultar os produtos (mapas e gráficos em tempo real) não há necessidade de cadastro, continua tudo como antes.

Claro que uma mudança desta não seria realizada sem outras inovações e assim o  Portal CLIMA da UNESP Ilha Solteira sofreu uma reformulação completa, com novo lay-out e muito mais conteúdo e inovações, como o que aconteceu na quinta-feira (dia 8 de março) quando disponibilizamos o novo produto que é o mapa da evapotranspiração no noroeste paulista e por ele o irrigante ou interessado em geral pode saber como está a evapotranspiração de referência acumulada no dia na região. Como a evapotranspiração é resultado da ação de todas as variáveis climáticas, ela integra todas estas variáveis e assim, podemos ver onde está acontecendo a maior transferência de água para a atmosfera. Também ao irrigante, que pretende iniciar a irrigação a tarde, ele já pode acompanhar a tendência do dia e não mais esperar o dia fechar para saber qual será a evapotranspiração. É mais uma ferramenta à disposição para auxílio no uso eficiente da água. Confira: http://clima.feis.unesp.br/sobrepor/eto.php

E ainda uma discussão interessante aconteceu no Facebook a partir da publicação da foto do sistema de deslocamento linear instalado em Paranaíba - MS para irrigar um viveiro de seringueira.

A revista Globo Rural de março de 2012 chega às bancas com uma matéria muito interessante sobre o uso da irrigação. "A conta-gotas, máxima produção com menos água é iguala eficiência. Como fazer essa equação prosperar? Empresas do setor já têm as respostas" é o título do artigo, que traz nosso depoimento (p.51) à jornalista Mariana Caetano sobre o uso eficiente da água "Sem saber quanto a cultura 'bebe', a chamada evapotranspiração , pode-se irrigar além do necessário, desperdiçando e gerando custos, ou aquém, reduzindo o potencial produtivo" e também as novidades da indústria em emissores.

Exatamente para conhecer as novidades da indústria que viajamos esta semana a Leme e Jaguariúna para conhecer as estratégias e emissores da NaanDanJain  (gotejadores TalDrip, TopDrip e AmmonDrip) e Senninger (aspersores diversos), lideres em seus seguimentos de irrigação localizada e aspersão. Na NDJ fomos recebidos pelo Diretor Geral Alfredo Mendes e pelo Gerente Comercial Egídio Osti Neto e pelo Gerente Administrativo José Cláudio Baccarin, além dos demais técnicos e colaboradores quando da visita da fábrica e instalações.

Também ficamos sabendo mais detalhes do projeto "Cana Pede Água", que considera que no Brasil em 2010, apenas 2% dos 9,5 milhões de hectares são irrigados com água e o projeto que visa a implementação de irrigação com água em produção de cana-de açúcar. A coordenação é de Ricardo Pinto da RPA Consultoria. Saiba mais você também, já que entramos na terceira safra decrescente de cana na região noroeste em função da falta das chuvas!

 Conhecendo as linhas de montagem de tubogotejadores que mantem duas linhas de fabricação e trabalham 24 horas diárias para atender a demanda atual.

Em Jaguariúna, na Senninger, conhecemos a linha completa de emissores (aspersores diversos), suas aplicações e estratégias de mercado adotada pela empresa, tanto para pequenas como grande áreas irrigadas.

No Carnaval já havíamos visitado o condomínio Damha III em Presidente Prudente e esta semana viajamos a Araraquara e São Carlos para conhecer os residenciais Damha nestas cidades que se diferenciam atualmente no mercado imobiliário por adotarem como padrão a incorporação de lagos ornamentais revestidos com borracha sintética (EPDM) e terem todas as suas áreas institucionais, dispositivos de lazer e esportivas irrigadas com emissores (MP Rotator) e controladores de acionamento de válvulas (Hunter) de última geração visando o conforto térmico e visual, a manutenção do verde do gramado e o colorido das flores o ano todo, economia de água e energia. Também visitamos o Damha Golf Club em São Carlos para conhecer como é feito o controle da água aplicada aos gramados.

Hoje, no programa Globo Rural, excelente reportagem sobre o uso de barragens subterrâneas no nordeste. Veja a reportagem!

E o Tocantins busca novas tecnologias de irrigação para aumentar a produtividade agrícola: atualmente a irrigação tem um papel fundamental no processo de modernização da agricultura.

Software avalia potencial de irrigação: Programa gratuito da Embrapa analisa solo, água e cultura, revelando a produtividade esperada. A irrigação é investimento muito necessário em alguns casos. Novas tecnologias de irrigação, ferramentas e programas de governo têm incentivado cada vez mais o uso do sistema de irrigação. Com o objetivo de auxiliar o produtor a analisar o potencial de irrigação de uma área, a Embrapa Solos desenvolveu um software que avalia qual é o melhor sistema a ser usado de acordo com a análise de solo, de água e a cultura a ser cultivada. O interessante é que o software consegue, inclusive, calcular qual será a produtividade naquela área. O software Sibcs está disponível gratuitamente no site da Embrapa Solos, em ambiente web. Basta o usuário preencher todas as lacunas necessárias que o sistema exige, como parâmetros de solo e água, depois selecionar a cultura e o sistema de irrigação a serem utilizados. O programa cruza todas as informações e fornece ao usuário qual é a potencialidade de retorno daquela cultura naquele sistema de irrigação com aquele tipo solo - ensina Fernando César Amaral, pesquisador da Embrapa Solos.

Equipamento desenvolvido na Esalq mede consumo hídrico do pinhão-manso: Pesquisa da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da Universidade de São Paulo (USP), em Piracicaba, construiu equipamentos para medir o consumo hídrico do pinhão-manso, planta utilizada na produção de biocombustíveis. Os aparelhos, chamados de lísimetros de pesagem direta, têm a capacidade de determinar a quantidade de água transferida da planta para a atmosfera (evapotranspiração). Apesar de ser uma espécie ainda não domesticada, cujo conhecimento técnico e científico é reduzido, o pinhão-manso possui características atrativas, como, por exemplo, alto rendimento de óleo, o qual poder ser facilmente convertido em biodiesel líquido, com especificações que atendem aos padrões exigidos pelos mercados dos Estados Unidos e Europa.

Coloquem na agenda, o XXII CONIRD - Congresso Nacional de Irrigação será em Cascavel - PR, de 4 a 9 de novembro de 2012. A promoção é da ABID em parceria com o Governo do Estado do Paraná, sob a liderança do IAPAR e participação das cooperativas da região.

Rogério Cezar de Cerqueira Leite escreve na FSP (06/03/2012, p.A.3) o oportuno e excelente artigo "Retrocesso em ciência e tecnologia" onde afirma que o s cortes em ciência condenam o país ao subdesenvolvimento e a aversão dos economistas por tecnologia, preferindo fazer o país pagar royalties, é desastrosa. Informa que hoje, pagamos US$ 10 bilhões de royalties, mas isso é apenas a ponta do "iceberg". Para o renomado Físico "A consequência desastrosa da aversão que os economistas tradicionalmente sentem por tecnologia é a incapacidade que tem o Brasil hoje (e, pelo jeito, continuará tendo no futuro) de competir no campo de manufaturados e outros produtos de alto valor agregado, por falta de competência tecnológica,  para a desgraça do Brasil. Enquanto na China 80% dos cargos de decisão são ocupados por engenheiros, no Brasil são economistas, quando não advogados, que decidem. Talvez esse fato explique o desenvolvimento modesto do Brasil em comparação com o da China."
Para pensar!!!!

Investimentos e conomia
PAC 2 tem 21% de seu orçamento executado em 2011, diz governo. Em 2011, o PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento) teve R$ 204,4 bilhões executados, de um total de R$ 955 bilhões previstos até 2014. Isso significa que 21% do orçamento do programa foi executado no ano passado. Segundo balanço de um ano da segunda etapa do programa, divulgado nesta quarta-feira (7) pelo Ministério do Planejamento, a maior fatia do dinheiro foi para financiamento habitacional: R$ 75,1 bilhões. Foram R$ 60,2 bilhões executados por empresas estatais, R$ 35,3 bilhões pelo setor privado, e R$ 20,3 bilhões são recursos do Orçamento Geral da União. Desse volume, R$ 10 bilhões são relativos ao programa Minha Casa, Minha Vida, que não são investimentos e antes eram considerados à parte.

Economia brasileira cresce 2,7% em 2011, fecha em R$ 4,1 trilhões, aponta IBGE: Abatida pelos efeitos da inflação alta e da crise externa, a economia brasileira cresceu apenas 2,7% no ano passado. O resultado, divulgado nesta terça-feira (6) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), representa menos da metade da expansão de 2010 (7,5%) e ficou bem abaixo das projeções apresentadas pelo governo (5%) e pelos economistas de mercado (4,5%) no início de 2011. Veja o PIB ano a ano!
Novamente a agropecuária segurou o crescimento à taxas superiores, com o setor tendo o crescimento de 3,9%, (indústria cresceu 1,6% e serviços ficou em 2,7%), mas o que preocupa não é somente oeste crescimento considerado modesto, mas já temos um quadro crítico de oferta de mão de obra em todos os segmentos da sociedade e a pergunta que não quer calar é "e se crescermos mais, como vamos equacionar o problema de mão de obra? vamos importá-la ou capacitar, treinar, estimular aqui?"
Inglês por Ulisses de Carvalho 
TIME OUT [Dá um tempo! (inf.); Um momento!; pausa; intervalo; interrupção; um tempo (inf.)]
Essa interjeição é usada em diversas modalidades esportivas quando os árbitros interrompem momentaneamente uma partida. Em outras situações, usamos a expressão Time out! quando pedimos para uma pessoa interromper o que está fazendo para prestar atenção no que temos a dizer. Ela também pode ser usada para nos referirmos a intervalo, interrupção ou pausa em alguma atividade. A expressão time out também pode ser usada com crianças pequenas e significa uma punição por mau comportamento na qual são separadas do grupo por alguns instantes.
Time out! Let’s not digress from the main issue at hand. (Um momento! Não vamos nos desviar do assunto em questão.)
Time out. For Charles Cole, day trading seemed so easy. Then reality hit. (The Wall Street Journal) (Um momento. Para Charles Cole, a negociação ao longo do dia parecia estar tranquila. Então o mercado caiu na real.)
Dole urges a “time out” for candidates. (USA Today). (Dole “pede um tempo” aos candidatos.)
We don’t throw food, Brian; you need some time out to think about it. (The American Heritage Dictionary of Idioms). (Não se joga comida nos outros, Brian; você precisa de um tempo para pensar no que fez.)

HALF-BAKED [mal planejado; incompleto; insensato; bobo]
That’s just another one of his half-baked ideas. (Essa é só mais uma de suas ideias bobas.)
Half-baked é uma metáfora que vem da padaria. Ao pé da letra, significa “meio assado” e se refere ao pão que, se for mal-assado, não dá para comer. Da mesma forma, qualquer ideia ou plano “cru”, mal-acabado ou incompleto e que não é prático, não dá para engolir, é half-baked.

Entretenimento - viagens pelo mundo
Em recente viagem à Espanha, estivemos em Montserrat, Catalunha (perto de Barcelona) para visitar o Mosteiro que fica no alto da cadeia de montanha à 1.250 metros de altitude e se percebe como estes Monges eram "loucos" ao construírem aqueles monumentos todos à aquela altura: quanta dificuldade. É o Mosteiro Beneditino onde se encontra a famosa imagem de Nossa Senhora do Monte Serreado, a padroeira da Catalunha. O mosteiro foi construído na Idade Média ao redor da gruta onde havia sido encontrada a imagem de Nossa Senhora de Montserrat, em 880. Foi destruído por tropas francesas em 1.811, por ocasião da Guerra Peninsular. Foi reconstruído em 1844. Durante a ditadura de Francisco Franco, que reprimiu o nacionalismo catalão, em meados do século XX, o mosteiro foi um reduto da cultura catalã. Usando a tecnologia fornecida pelo Google há uma belíssima apresentação sobre o Mosteiro. NeverMindsLagares traz a filmagem da subida até o Mosteiro, confira: (1), (2), (3) e (4) , mas há também uma apresentação em fotos com o teleférico e trem de acesso ao local!
Ao visitar igrejas e castelos dos mais variados sentimos que realmente complicamos demais a vida e sempre nos perguntamos "como esses caras conseguiram fazer isso?" Hoje ninguém se arriscaria a fazer que nossos antepassados fizeram. 

Música
A sugestão da semana é Al Di Meola. Se gostou, pressione AQUI para ver uma lista de videos com o músico tocando com amigos.