AGENDA DE EVENTOS

Confira na nossa agenda semanal os principais eventos relacionados a Água e Agricultura Irrigada no Brasil e no mundo confirmados para este ano.

14 a 17 de abril de 2019 - XIX Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto
 Em Santos - SP, tem como objetivo congregar a comunidade técnico-científica e o usuário empresarial das áreas de Sensoriamento Remoto, Geotecnologias e de suas aplicações para a apresentação de trabalhos e debates sobre as pesquisas, desenvolvimento tecnológico, ensino e a política científica realizados no país e no mundo nos últimos dois anos.
A Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira participará com a Mestranda Daniela Araujo de Oliveira que apresentará um trabalho técnico desenvolvido ao longo do ano para a ocasião  intitulado “PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM CANA-DE-AÇÚCAR IRRIGADA E NÃO IRRIGADA UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE LANDSAT 8”, quando discute a avaliação dos componentes da produtividade da água na cultura da cana-de-açúcar, a partir de imagens do satélite Landsat 8, utilizando o algoritmo SAFER (Simple Algorithm for Evapotranspiration Retrieving).


07 a 10 de maio de 2019 - SBSA 2019- Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos
Dia 09 de maio - 08:00-10:00 - Prof. Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez ministrará palestra "Sistemas de irrigação em solos arenosos".
Campo Grande - MS. Av. Dom Antonio Barbosa, 4155, UEMS.

Gramado - RS. Promoção da UFRGS, IPH e UFTM.
A Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira estará participando com a Engenheira Agrônoma Monalisa Vergínia Felicio Ferreira que apresentará o artigo "A interferência da concentração de ferro nos cursos d´água da Bacia Hidrográfica do rio São José dos Dourados".

15 a 17 de agosto de 2019 - Feira Nacional do Amendoim de Jaboticabal e XVI Encontro sobre a cultura do amendoim
Na UNESP Jaboticabal - SP

- 17 a 19 de setembro de 2019 - FIIB - Feira Internacional de Irrigação Brasil
Expo D. Pedro, Campinas - SP

- 17 a 19 de setembro de 2019 - CONBEA 2019 - Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola
Campinas - SP. Informações: conbea.sbea@gmail.com Telefone: +55 (16) 3203-3341
Promoção da SBEA - Sociedade Brasileira de Engenharia Agrícola

- 28, 29 e 30 de outubro de 2019 - INOVAGRI International Meeting
Fortaleza - CE
Submissão de Resumos até 21/06/2018, mais informações clique aqui



 de março de

- SEMINÁRIOS SEMANAIS DA ÁREA DE HIDRÁULICA E IRRIGAÇÃO
Foram realizados seminários pelos integrantes da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira, das 18 às 19 horas na Sala de Reuniões do LHI e aberto aos interessados em geral. Conheça a programação!

- A Seção VIDEOS da fan page da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira no FACEBOOK exibe vários eventos em que a AHI UNESP foi protagonista. Confira!  Aqui, também neste Blog há vários videos interessantes, assim, como no Canal da AHI UNESP no YouTube. Visite-nos!

OUTROS EVENTOS
O sítio do The Consortium of Universities for the Advancement of Hydrologic Science, Incorporated (CUAHSI) apresenta uma agenda de eventos. Confira: http://www.cuahsi.org

Produção agropecuária, infra estrutura e logística de transporte


Aulas
As ilustrações utilizadas nas aulas de Armazenamento e Beneficiamento de Grãos estão disponíveis AQUI! Há links e recomendações bibliográficas indicadas para os estudos na disciplina! Não deixem de acompanhar também na imprensa as notícias ligadas ao conteúdo ministrado! Há atualmente uma forte movimentação no setor!

Diagnóstico, Planejamento e Execução
O PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes foi lançado no ano de 2006, a partir de uma parceria entre o Ministério dos Transportes e o Ministério da Defesa. Seu objetivo principal é estabelecer propostas para a melhoria e aperfeiçoamento da infraestrutura nacional de transportes - portos, aeroportos, estradas, etc. - do ponto de vista logístico. Prevê a realização de workshops permanentes (ou seja: reuniões dos diversos grupos interessados no assunto), visando produzir informações bem fundamentadas e que permitam a intervenção pública e privada no setor (investimentos), corrigir ou reduzir os gargalos (obstáculos e dificuldades) que afetam essa área e, assim, contribuir para o desenvolvimento econômico da nação como um todo.
Trata-se, portanto, de reunir os representantes do Governo, de empresas, confederações, sindicatos, usuários, entre outros, para elaborar relatórios que servirão de base para os planejamentos de médio e longo prazo no campo da logística de transporte de cargas e de passageiros.
a) identificação, otimização e racionalização dos custos envolvidos em toda a cadeia logística adotada entre a origem e o destino dos fluxos de transportes;
b) adequação da atual matriz de transportes de cargas no país buscando a permanente utilização das modalidades de maior eficiência produtiva.

É triste ler em documentos oficiais do Governo Federal que o "Relatório Executivo de 2007 do PNLT representa um marco na reconstrução do planejamento de longo prazo para o setor de transportes e deverá propiciar a perenização de um sistema de informações, bem como de uma metodologia de avaliação do desempenho e da evolução de todos os modais de transportes no Brasil.", enquanto também se observa que os problemas estruturais apontados naquela época se mantém atuais e presente na mesma publicação, mas na edição de julho de 2018.

Em março de 2019, o Ministro Tarcísio Gomes de Freitas anuncia a retomada dos investimento na malha ferroviária. importante para a inversão da distribuição dos modais que ainda tem a indesejável dianteira do rodoviário. À conferir! Fé e obra Ministro!


"Determinantes da eficiência dos terminais intermodais dos corredores logísticos de grãos do Brasil" é uma artigo que permite um bom entendimento sobre a logística de transportes no Brasil.

Safra - Grãos - Comercialização

Necessidade hídricas da cultura do milho no Noroeste Paulista

Victor Rocha Araújo, Fernando Braz Tangerino Hernandez, Vitor Felipe Trinca e João Luis Zocoler após a Defesa do Trabalho de Conclusão de Curso com o estudo sobre a irrigação de milho.

PodIrrigar - Necessidade hídricas da cultura do milho no Noroeste Paulista é tema de pesquisa
O Brasil é o segundo maior exportador e o terceiro maior produtor de milho, tendo esta cultura grande importância econômica e é a principal opção de plantio irrigado no inverno e primavera na região Noroeste Paulista que tem 1.282 mm anual de precipitação média e 1.506 mm de evapotranspiração de referência média anual e ainda 8 meses de déficit hídrico.


Vitor Felipe Trinca combinou informações de solo, com as variáveis agrometeorológicas e ainda as provenientes de imagens de satélite, para, sob pivô central e carretel enrolador, concluir a última exigência da UNESP Ilha Solteira para se tornar Engenheiro Agrônomo.



O uso dos coeficientes de cultura baseados nos Graus-Dia acumulados resultou em estimativas da evapotranspiração da cultura semelhantes em comparação com a metodologia proposta pelo Boletim 56 no segundo semestre, porém, no primeiro semestre, foi 14% superior.
Nas semeaduras em diferentes meses, ao menos 50% da água total fornecida à cultura veio da irrigação, enquanto que o plantio em agosto exigiu 60% da demanda total suprida pelos sistemas de irrigação e assim, os custos operacionais ligados ao fornecimento de energia são menores em plantios no primeiro semestre, que apresenta menor evapotranspiração e um aproveitamento maior das chuvas para suprir a demanda da cultura.



O estudo mostrou que a análise histórica da frequência das chuvas e da evapotranspiração é uma importante ferramenta para definição de épocas de plantio, em que combinando estas informações, pode-se definir as melhores datas de semeadura para menor custo operacional relativo à energia utilizada, com o maior aproveitamento da água das chuvas, pelas diferentes culturas, e ainda garantindo a segurança hídrica oferecida pelo investimento em sistemas de irrigação.



Este foi o tema da edição de 23 de março de 2019 do [Pod Irrigar] - o Podcast da Agricultura Irrigada -, mas o Internauta também pode ouvir as outras dicas que estão disponíveis semanalmente a partir de https://podcast.unesp.br/canal/13/pod-irrigar.

Agricultura, clima e meio ambiente
Programa de Regularização Ambiental: Câmara debaterá MP que prorroga prazo. Proposta de trabalho deve ser apresentada no dia 3 de abril de 2019 e a intenção é estender adesão de produtores até 31 de dezembro de 2019.

Marca na agricultura sendo descartada
É muito difícil e exige tempo construir um nome ou uma marca. Eu, aprendi a gostar da Agronomia admirando o trabalho do Engenheiro Agrônomo na então "Casa da Lavoura", depois Casa da Agricultura, todas organizadas pela CATI. Claro que eu também não gostei da decisão e assim como as entidades do agronegócios que criticam decreto que muda a denominação  desta imprescindível instituição. Esperamos que o Governador Dória reverta esta lamentável e infeliz decisão!

Uso inteligente da água
Derrel Martin, Professor e Pesquisador da Universidade de Nebraska, com um intenso trabalho de interação com os Irrigantes para o eficiente uso da água na agricultura explica a importância do manejo da irrigação. Bom para treinar o inglês!


Seminários em Irrigação e Drenagem - 1o Semestre 2019


Como divulgado em sala de aula - Irrigação e Drenagem -, teremos os temas e líderes para os Seminários do semestre. Os Grupos de trabalho para estes Seminários devem ser formados com até 5 elementos, tendo como Coordenadores os alunos identificados abaixo. Se eventualmente o Líder já estiver em algum grupo, a troca de liderança é permitida desde que comunicada ao Professor antecipadamente. Cabe ao Coordenador organizar e dar as diretrizes para que o grupo faça um excelente seminário. 

Todos os seminários devem ser acompanhados de monografias que devem ser entregues no momento da apresentação, não havendo limitação no número de páginas, ficando todos à vontade para aproveitar o trabalho para estudar o tema a fundo. Os seminários acontecerão nas manhãs que antecedem as provas. As apresentações devem sempre durar aproximadamente 15 minutos (10-20 minutos). Os seminários devem enfocar temas não abordados nas aulas e devem ser ministrados com foco no aluno.

A nota da apresentação é feita em função da média de três critérios: APRESENTAÇÃO, MÍDIA e CONTEÚDO, já a Monografia tem como critérios a APRESENTAÇÃO (forma), o CONTEÚDO e os RECURSOS utilizados para preparar o documento.

TODOS os alunos até o final do curso deverão apresentar ao menos um seminário e a monografia irá compor outra Nota e as apresentações seguirão esta sequência:
1. Desenvolvimento com agricultura irrigada: o exemplo na região Centro-Oeste. Jeferson Silva de Souza
2. Desenvolvimento com agricultura irrigada: o exemplo na região Nordeste. João Lucas Chaves Ferraz
3. Serviço de extensão cooperativa americano: o que fazem, para quem e como fazem? João Pedro Manzati Galvani
4. SAI - Serviço de Assessoramento ao Irrigante: quem são são e como atual as empresas privadas e órgãos públicos. Karina Militão Garcia
5. Comitês das Bacias Hidrográficas: caracterização e sua importância. Marcel de Faria Menegasso
6. Outorga do direito do uso da água. Matheus Balsalobre Simieli
7. Reservação de água: vantagens e limitações. Matheus Fiorentino Nunes
8. Fabricantes de equipamentos de irrigação localizada no Brasil e sua atuação no mercado. Murilo da Silva de Paula 
9. Fabricantes de sistemas pivô central no Brasil e sua atuação técnica e comercial. Paula Arriero Pelozato
10. Aspersores, fabricantes e suas aplicações para sistemas convencionais e mecanizados. Pedro Henrique de Val Castro Almeida Fontes
11. Revendas de projetos de irrigação no Estado de São Paulo: quem são, onde e como atuam? Tara Harumi Rocha Endo
12. Apoio ao irrigante: Laboratório Móvel de Irrigação (MIL), o que é, como atuam, onde e sua importância. Vitor Luis de Souza Pegolo

* Os Grupos devem estar preparados para a apresentação e também devem se encarregar de fazer os ajustes nos equipamentos multimídia e arquivos antes da chegada do Professor.
** As datas detalhadas e demais informações estão disponíveis no arquivo "Introdução à agricultura irrigada" que é a base das nossas aulas e pode ser acessado a partir da aba Atividades Acadêmicas no Canal da Irrigação da UNESP Ilha Solteira.
*** Exemplos do exterior são também bem vindos

Algumas dicas para uma apresentação em público...
- Apresentação ideal: 20% do tempo para a introdução, 70% para o desenvolvimento e 10% para a conclusão
- Powerpoint com efeitos MUITOS especiais? Melhor não, a não ser que seja absolutamente necessário
- Escreva frases-chave no Powerpoint (ou outro software de apresentação utilizado). E por favor, ao falar, não repita o que está escrito. A platéia agradece!
- Para conter um ataque de riso (ou de choro) por causa do nervosismo, contraia os dedos dos pés como se estivesse agarrando o chão.
- Não comece a apresentação se desculpando ou dizendo que vai dar uma "pincelada" no assunto.
- Em geral, recuar um pouco acalma, pois faz você ver as coisas mais de longe.
- Quando parar alguns instantes de andar, evite ficar com os pés paralelos. É melhor manter um pé um pouquinho à frente do outro. Deixe sua postura mais descontraída que facilita quando você for andar novamente.
- Ande pelo palco/sala, pois a movimentação mostra segurança e disposição de comunicar. Só tome cuidado para não parecer um pêndulo e fazer todo mundo cair no sono.
- Divida a platéia mentalmente em quatro partes e passeie o olhar nelas à medida que for falando.
- Se der branco, pergunte o que o pessoal entendeu até o momento.
- Imagine as perguntas que podem ser feitas e estude além disso. Prepare também slides extras com as respostas para mostrar no final. Sua eficiência vai causar uma ótima impressão.

Chuva de alta intensidade em Populina

Ontem a Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista, operada pela Área de Hidráulica e Irrigação, registrou um alto volume e intensidade no município de Populina. Foi registrado chuva em outras localidade, mas com volume não significativo para a agricultura (10mm).



Em Populina foi registrado o maior volume de chuva da região, chegando a chover 45 milímetros em apenas 1 hora. A intensidade da chuva chegou a 109,2mm/h às 22:00. 
Uma chuva com alto volume em um curto espaço de tempo e com alta intensidade pode trazer danos para a população como queda de calhas, e também ao produtor de alimentos como intensificação de processos erosivos.

SERVIÇO:

- Informações sobre agricultura irrigada e agroclimatologia no noroeste paulista são publicadas regularmente BLOG da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira em http://irrigacao.blogspot.com
- Números e gráficos das estações agrometeorológicas no noroeste paulista estão em http://clima.feis.unesp.br
- Canal da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira: http://www2.feis.unesp.br/irrigacao/irrigacao.php 
- Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira: http://clima.feis.unesp.br
- Pod IRRIGAR - O Pod Cast da Agricultura Irrigada: http://podcast.unesp.br/podirrigar
- Informações também em (018) 3743-1959

Mais um semestre se inicia e com ele a expectativa de ótimo momentos de ensino e aprendizado


Início das aulas 
Mais um semestre se incia e sempre é o momento de reflexão e decisão. Vivemos numa época de constante mudança, em uma sociedade espantosamente dinâmica, instável e evolutiva e certamente correrá sérios riscos quem não perceber isso e ficar esperando para ver o que acontece. Portanto, a adaptação a essa realidade será, cada vez mais, uma questão de sobrevivência.

Uma sociedade em desenvolvimento exige rompimento, mudança e novidade em linguagem, conceitos e modos. A cada dia que passa os produtos concorrentes ficam mais similares em termos de tecnologia e preços e estejam certos, o diferencial está e estará, portanto, na capacidade da empresa ou pessoas em se diferenciarem no mercado e este diferencial estará a cada dia mais na prestação de serviços. É preciso inovar, não dá para apenas copiar e é preciso criar uma nova postura e reinventar o setor nosso setor. Mas como fazer isso? Com certeza com a capacitação, com estudos, dedicação e foco!



De acordo com a Câmara Setorial de Equipamentos de Irrigação - CSEI - ABIMAQ em 2012 o Brasil incorporou mais 212 mil hectares irrigados, em uma taxa 21% maior que em 2011. Já em 2013 incorporamos 284 mil novos hectares, 34% mais do que em 2012 e em 2014, novos 221 mil hectares produziram sob sistemas de irrigação. Nestes últimos anos se consolidou a presença dos sistemas de irrigação tipo pivô central. Já os anos de 2014, 2015 e 2016, a crise hídrica pegou o setor em cheio o crescimento da área irrigada anualmente experimentou um declínio se considerado o desempenho dos anos anteriores e em 2015 recuamos para uma expansão de 193 mil novos hectares irrigados e retomamos o crescimento em 2016 com 215 mil novos hectares irrigados em 2017 mantivemos o patamar de 210 mil hectares, mas incorporamos na última década anualmente mais de 190 mil hectares de área irrigada. Com todo este potencial de terras aptas à irrigação e mantido este ritmo de crescimento, levaríamos séculos anos para esgotar nossas potencialidades. Nos últimos dez anos o crescimento médio da agricultura irrigada foi de  8,7%, enquanto que o crescimento médio nos últimos 18 anos ficou em 4,8%.


Aos estudantes e stakeholders da agricultura irrigada, pensem no fato de que com irrigação garantimos produtividades elevadas, a irrigação é ainda considerada uma das ações mitigadoras ao aquecimento global, tem ação agregadora da economia, temos agora o marco regulatório definido na Política Nacional de Irrigação, entre outros benefícios, então, BEM VINDOS à um mundo de oportunidades representada pela agricultura irrigada! Assim, fica a dica: vamos aproveitar a oportunidade e nos dedicar aos estudos, à capacitação técnica e vamos nos diferenciar, em cada área em que escolhemos atuar! Fé, obra e sucesso!

Em relação à disciplina de Irrigação e Drenagem, é recomendável um acompanhamento sistemático das aulas, não deixando para estudar somente na véspera da prova, pois operar a agricultura irrigada exige um conhecimento multidisciplinar. Na nossa primeira aula amanhã abordaremos as regras da disciplina, a bibliografia, as datas das provas, as atividades gerais e a introdução à agricultura irrigada e a irrigação. Também nas primeiras aulas faremos uma abordagem sobre o mundo dos negócios e as exigências do mercado de trabalho e a relação com o trabalho, liderança e empreendedorismo. Já estão disponíveis as ilustrações que usaremos em aulas ao longo do semestre. O roteiro de aula para o semestre e outras informações estão disponíveis na aba "Atividades Acadêmicas" do Canal da Irrigação.

Temos, além das aulas e da bibliografia da disciplina - nada deve substituir os livros textos recomendados - várias mídias de apoio que complementam os livros e são baseadas na Internet: este Blog (marcador "aula" principalmente) onde o estudante encontrará não somente informações sobre a agricultura irrigada e irrigação, mas também desde dicas de leitura/livros, de música (entretenimento) à como crescer na carreira. O Canal de Conteúdo da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira - ou simplesmente, Canal da Irrigação - traz os artigos publicados pela nossa Equipe, fotos, ilustrações e acesso a todos os demais canais de mídia. As ilustrações utilizadas nas nossas aulas estão disponíveis também na aba Atividades Acadêmicas.

Principais produtos produzidos no campo brasileiro.



Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira oferece produtos que são gráficos e mapas de acompanhamento em tempo real de todas as estações e as principais variáveis climáticas, tais como temperatura, umidade do ar, velocidade e direção do vento, chuva, evapotranspiração, pressão atmosférica e radiação global e líquida, além da base histórica, tudo gratuito e com atualização a cada cinco minutos e é a parte visível da Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista foi implantada como parte do projeto “MODELAGEM DA PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM BACIAS HIDROGRÁFICAS COM MUDANÇAS DE USO DA TERRA”, financiado pela FAPESP. Por este canal facilmente se confere os números que mostram a mudança no tempo, de muito frio para a umidade relativa baixa, já crítica, que enfrentamos esta semana e sentida na garganta, nas narinas e nos olhos. Vários artigos técnicos já foram publicados a partir da execução deste projeto e estão disponíveis no canal TEXTOS TÉCNICOS do canal da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira e a TV Tem mostrou um dos nossos trabalhos que visa apoiar o uso eficiente da água. Confira!


No Canal YouTube da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira são ofertados videos que complementam as informações divulgadas de maneira escrita. Por fim, temos também a Fan Page da UNESP Ilha Solteira, onde divulgamos as últimas notícias produzidas pela nossa Equipe e as condições do tempo, quando se tornam adversas. Que tal CURTIR à na Fan Fage e ficar "antenado"? O nosso perfil no Facebook traz diariamente dicas de leitura, agricultura irrigada, negócios, música, cultura, entretenimento, carreiras, entre outros e ainda montamos Álbuns onde compartilhamos fotos sobre sistemas de irrigação, recursos hídricos, e muito mais. Fiquem a vontade para acompanhar-nos (Perfil Profissional e Institucional)! E apreciem sem moderação!

Datas das provas
1a. Prova (Peso 2) será em 08 de abril, a 2a. Prova (Peso 3) em 20 de maio e a 3a. Prova (Peso 3) em 17 de junho de 2019 e o Exame Final será em 27 de junho de 2019 às 10 horas. As P2 e P3 serão com matéria acumulativa e pode-se fazer consulta à material auxiliar. Todas as provas serão às 16:00 horas. Os seminários acontecerão nas manhãs das 2a. e 3º.  Provas.
MF = (2P1 + 3P2 + 3P3 + 2MR) / 10
MR = Seminários* e monografias** (* Notas diferentes para cada atividade, mas baseadas na média entre CONTEÚDO, MÍDIA e APRESENTAÇÃO; ** Pesos diferentes em função da dificuldade e a nota é a média entre CONTEÚDO, RECURSOS UTILIZADOS e APRESENTAÇÃO).

A probabilidade do teste T na correlação entre média das listas de exercícios e a média final do Primeiro Semestre de 2018 foi de 0,46%, comprovando mais uma vez as vantagens de investirem parte do tempo de estudos ao longo do semestre fazendo as listas propostas.



Comunicação e transparência de ações e do conhecimento
Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira para democratizar o conhecimento e a informação, utiliza diferentes linguagens na Internet para cumprir este propósito através do: Canal de ConteúdoCanal CLIMABLOGCanal YouTubeFan Page no Facebook, [Pod Irrigar] e IRRIGA-L Grupo de Discussão em Agricultura Irrigada.  Acreditamos que "que é preciso inovar, não dá só para copiar e é preciso criar uma nova empresa e reinventar o nosso setor, para tanto é fundamental a democratização e a transparência da informação, do conhecimento e de ações",  Também usamos de forma complementar nosso perfil do Facebook para divulgar nossos trabalhos de ensino, pesquisa e extensão e interagir com sociedade como um todo. Existem outros canais mantidos por outras Instituições como o Forum da Agricultura Irrigada. Também confira o vídeo sobre como aprimorar seu networking.

MONITORIA REMUNERADA EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM

Você que se destacou na disciplina de Irrigação e Drenagem, que tal se tornar Monitor este semestre e ampliar seu conhecimento? O Exame de seleção será no dia 26/02/2019, às 16 horas, na Sala de Reuniões do DEFERS! Quer mais detalhes? Pressione AQUI!

Alto volume e intensidade de chuva no Noroeste Paulista

Hoje o dia foi marcado por alto volume e intensidade de chuva na região Noroeste Paulista.
A estações da Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista, monitorada pela Área de Hidráulica e Irrigação da Unesp Ilha Solteira, registraram uma chuva maior que 10 milímetros em toda a região, com exceção da estação Bonança (Pereira Barreto) e Sta. Adélia Pioneiros (Sud Mennucci). O destaque vai para estação de Santa Adélia (Pereira Barreto) que registrou o maior volume do dia até o momento, com 66 mm, seguida por Itapura com 56,6 mm e Paranapuã com 54,1 mm.


Se tratando de intensidade as mais altas foram registradas em Paranapuã com 106,8 mm/h às 14:00, em Santa Adélia (Pereira Barreto) com 100,8 mm/h às 12:45, e em Itapura com 94,8 mm/h.
Vale lembrar que quando tratamos de intensidade de chuva significa a quantidade de chuva por unidade de tempo, no nosso caso, milímetros por hora. Na agricultura, altas intensidades podem trazer danos, como intensificar processos erosivos, portanto se faz necessário o uso de práticas de conservação de solo para evitar estes danos. E quando tratamos de volume de chuva é a quantidade total expressa em milímetros.

SERVIÇO:

- Informações sobre agricultura irrigada e agroclimatologia no noroeste paulista são publicadas regularmente BLOG da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira em http://irrigacao.blogspot.com
- Números e gráficos das estações agrometeorológicas no noroeste paulista estão em http://clima.feis.unesp.br
- Canal da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira: http://www2.feis.unesp.br/irrigacao/irrigacao.php 
- Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira: http://clima.feis.unesp.br
- Pod IRRIGAR - O Pod Cast da Agricultura Irrigada: http://podcast.unesp.br/podirrigar
- Informações também em (018) 3743-1959


Apresentação de novo integrante – Victor Rocha Araújo


Olá pessoal, meu nome é Victor Rocha Araújo e sou natural de Teresina-PI, a “Terra da Cajuína” a qual tenho o enorme apreço e orgulho. Sou formado em Técnico em Informática pelo Colégio Técnico de Teresina-UFPI (2012) e em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal do Piauí (2015), sendo bolsista PIBIC pela graduação por 4 anos, trabalhando com agrometeorologia e fertirrigação, orientado pela professora Dra. Poliana Rocha D'Almeida Mota Suares, a qual me motivou muito a continuar na linha de pesquisa. Fui também bolsista do Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) por 1 ano, trabalhando com Montagem e Manutenção de computadores, impressoras e configuração de redes/sistemas. Fui estagiário supervisionado na Embrapa Meio-Norte, na qual acompanhei experimentos nas áreas de agrometeorologia e irrigação, com a orientação do Dr. Edson Alves Bastos e o Dr. Aderson Soares de Andrade Junior.
Em 2015, iniciei o mestrado no Programa de Pós-graduação em Irrigação e Drenagem na FCA/Botucatu (Unesp), onde realizei experimentos com fertirrigação em tomate, com a orientação do professor Dr. Roberto Lyra Villas Boas, acompanhando paralelamente pesquisas com outras hortaliças, gramados esportivos e água de reuso.
Em 2018 ingressei no doutorado no programa de Irrigação e Drenagem sob a orientação do Professor Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez, o qual já tive a honra de conhecer pessoalmente no CONIRD 2014 e realizado disciplina no mestrado de Manejo e Operação de Sistemas de Irrigação. Logo após, em 2019, entrei no grupo da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP de Ilha Solteira-SP, onde irei dar suporte a toda rede agrometeorológica do Canal CLIMA, acompanhando as variáveis climáticas do Noroeste Paulista além de executar meu projeto de Tese sobre “PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM MILHO IRRIGADO POR PIVÔ CENTRAL”, no qual irei usar as metodologias de manejo da irrigação via atmosfera para realização do experimento.
Agradeço bastante a Deus e a todos os membros da equipe que me acolheram, em especial ao Professor Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez por estar me dando essa grande oportunidade de fazer parte da equipe. Espero somar aos resultados, aprendendo e contribuindo com os meus conhecimentos.

Obrigado e vamos trabalhar!