Aprendendo sempre

"A universidade precisa de muito mais autonomia para gerir seu dinheiro, fazer negócios, contratar professores com salários competitivos internacionalmente. É preciso criar um mecanismo para atrair os melhores professores do mundo" (Phil Baty na FSP (30/07/2012, p.A.13)

No ar há dois meses, o portal Veduca já abriga 4.700 vídeo-aulas, grande parte traduzida para o português, com conteúdos de Stanford, MIT (Massachusetts Institute of Technology), NYU (New York University), Columbia, Michigan, Harvard, UCLA (Universidade da California, Los Angeles), Yale, Princeton, Berkeley e a australiana, UNSW, (University of New South Wales). Essa dica veio do blog W&D Consultoria em TI, que também vale a pena visitar com frequência. O canal EDUCAÇÃO no YouTube também tem muitos videos interessantes. Passe por lá!

E o Open Library disponibiliza mais de um milhão de obras em cerca de 50 idiomas para download ou leitura on-line nos formatos PDF, ePub, Plain text, DAISY, ePub, MOBI e DjVu. No acervo, é possível encontrar desde clássicos como “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carrol, “Macbeth” de William Shakespeare e “Dom Quixote”, de Miguel de Cervantes a publicações históricas de museus, universidades, instituições religiosas, além de textos jurídicos. Outro acervo que é rico também está na Funag - Fundação Alexandre de Gusmão.

Na nossa primeira aula de Irrigação e Drenagem abordamos os aspectos iniciais do curso e também a importância histórica e atual da agricultura irrigada. Na nossa postagem anterior disponibilizamos as sugestões de leitura complementar aos temas desenvolvidos em sala de aula. Ministramos um conteúdo abrangente que vai desde o histórico da irrigação, como as áreas irrigadas no mundo e ainda aspectos econômicos da agricultura irrigada e estes ensinamentos podem e devem serem complementados com as nossas listas de exercícios. Comece pela "HISTÓRICO E DESENVOLVIMENTO DA IRRIGAÇÃO NO BRASIL E NO MUNDO", mas da leitura uma coisa legal, nada de pressa, com tranquilidade. Também na parte prática conhecemos os aspersores utilizados em irrigação paisagística e campos esportivos e aspersores de impacto e algumas características dos seus jatos tipo gear-drive (ou rotores), spray-head ou ainda os modernos MP Rotators (aspersores pop-up). Hunter, Fabrimar e Agropolo são os fabricantes do emissores visualizados em operação. No nosso canal no YouTube damos destaque para alguns emissores em operação. Confiram!

"A volta do flagelo" é o Editorial da FSP (8/8/2012, p.A.2) que traz o contraste entre a seca e as obras da transposição do Rio São Francisco, que supostamente amenizariam o problema. É parte do Brasil desigual que mostramos na aula passada. Confiram, começa assim: "Ao longo do governo Luiz Inácio Lula da Silva, a economia do Nordeste se expandiu a taxas superiores à média nacional. De 2003 a 2009, segundo o IBGE, a renda nordestina teve crescimento de 32,8%, enquanto a média brasileira se elevou em 27,5%. Trata-se de um ritmo de 4% anuais, não tão espetacular como apregoa a propaganda governista, mas ainda assim o dobro do verificado nos sete anos anteriores. Nos últimos meses, entretanto, o esgotamento generalizado do crescimento econômico foi agravado, no semiárido, pelos efeitos de uma das estiagens mais severas das décadas recentes. Assiste-se a uma demonstração quase didática do contraste entre o surto de bonança, acelerado por programas de transferência de renda e reajustes do salário mínimo, e a persistência do atraso institucional e das deficiências de infraestrutura na região..."

Nossa aluna Luana Rodrigues está com uma bem estruturada empresa de paisagismo em Ribeirão Preto, a Dulam Paisagismo, com um sítio bem ilustrativo e rico em informações. Parabéns Luana! Confiram!

E vocês sabem onde está a maior coleção de palmeiras do mundo? Em Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte, no Instituto Inhotim que conta com 1.400 espécies. Vejam fotos! Confira o blog do Instituto!

Ensino, pesquisa e universidades brasileiras no cenário internacional
PHIL BATY é o editor do principal ranking de universidades do mundo e afirma que o Brasil incentiva pouco a competitividade de suas instituições em entrevista publicada na FSP (30/07/2012, p.A.13). Salário nivelado pode engessar qualidade universitária no país e o Brasil precisa ter mais flexibilidade nas suas universidades de elite, como a USP, para conseguir ser competitivo internacionalmente, diz Phil Baty, editor do THE (Times Higher Education), considerado hoje o principal ranking universitário internacional. Para Baty, o sistema de contratação das universidades públicas brasileiras, que padroniza salários e impede o recrutamento de grandes nomes estrangeiros, engessa o ensino superior do país. "As universidades fazem parte de um processo de inovação que impulsiona o desenvolvimento econômico. O Brasil tem de entender isso." O THE avalia anualmente dados de 700 universidades do mundo e classifica as 200 primeiras. Entre essas, a USP hoje figura como única representante da América Latina, em 178º lugar. LEIA a entrevista completa!

Bruce Alberts, professor emérito do Departamento de Bioquímica e Biofísica da UCSF e conselheiro do presidente Barack Obama para assuntos de ciência e tecnologia em palestra em São Paulo alerta que: "Universidades e institutos de pesquisa devem criar ambiente propício para estudos inovadores", “Nossos sistemas de recompensa a pesquisa devem mudar para incentivar fortemente a originalidade e a tomada de riscos e aceitar as falhas, que fazem parte do processo”, “Um desafio urgente para as universidades e agências de financiamento à pesquisa é desenvolver mecanismos especiais para selecionar os melhores jovens pesquisadores e proporcionar a eles os recursos de que necessitam para iniciar novas linhas de pesquisa, sem a exigência de resultados preliminares”, “Precisamos incentivar os cientistas a saltarem de áreas de pesquisa já excessivamente exploradas para outras, que ainda apresentam muitas lacunas e podem resultar em estudos inovadores”, “Meu conselho aos jovens cientistas é que trabalhem problemas que são importantes para serem resolvidos e que ainda não foram intensivamente explorados. Mas problemas que também tenham outros cientistas qualificados tentando solucioná-los, com os quais possam interagir”. Leia a matéria completa.

Artigos técnicos
Recebemos a notificação da aprovação do artigo "CARACTERIZAÇÃO ESPACIAL DA DEMANDA HÍDRICA DA VIDEIRA PARA VINHO NO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO: CENÁRIOS ATUAIS E FUTUROS" para ser apresentado na forma Oral no XXII Congresso Brasileiro de Fruticultura, a ser realizado em Bento Gonçalves - RS, entre 22 e 26 de outubro de 2012. Os autores do artigo são: Antônio Heriberto de Castro Teixeira, Jorge Tonietto, Giuliano Elias Pereira, Fernando Braz Tangerino Hernandez, Francislene Angelotti.

Os editores da Water Resources and Irrigation Management (WRIM) convidam aos estudantes e pesquisadores da área a navegar no site da revista (www.wrim.com.br), para acessar a política editorial e normas para elaboração dos trabalhos, antes de submeter seu trabalho para apreciação. O primeiro número está previsto para mês de outubro.

E o Portal UNESP destaca o último dos artigos publicados pela AHI em que mostramos que a fertirrigação proporciona vantagens econômicas para cultura de milho e afirmamos isso baseados na comparação com adubação tratorizada. Confiram a matéria! O Prof. Fernando França da Cunha (UFMS/CPCS) também destacou nosso trabalho em sua coluna no Jovem Sul News.

XXII CONIRD
O prazo para o envio dos artigos para o XXII Conird - Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem, que será realizado em Cascavel - Paraná entre os dias 04 e 09 de Novembro, se encerra em 20 de agosto. Ainda dá tempo para preparar o seu artigo. Participem! Saiba mais sobre o CONIRD 2012 em:
http://abid.org.br/blogs
http://www.abid.org.br
http://www.abid.org.br/texto.asp

Agricultura Irrigada
A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil - CNA apóia a criação da Frente Parlamentar de Irrigação, lançada nesta quarta-feira, 1º de agosto, em cerimônia na Câmara dos Deputados. “O Brasil tem um potencial de 30 milhões de hectares de áreas irrigadas e só utiliza 5 milhões de hectares. Não podemos obstruir nosso potencial para produzir mais", defende a Presidente da CNA, Senadora Kátia Abreu.  Um exemplo vem do Ceará, onde debate realizado em 10/08/2012 conclui que os perímetros irrigados no Estado poderiam prestar maior contribuição à bacia leiteira, uma vez que cerca de 10% da área vem sendo explorada.O empresário Bruno Girão, presidente da Companhia Brasileira de Alimentos (CBL), disse que somente o leite Betânia tem condições de triplicar sua produção, que hoje é de 16 mil litros de leite/dia, necessitando porém de mais áreas irrigadas para trabalhar, hoje ele ocupa 400 hectares do Perímetro Irrigado Jaguaribe Apodi. O sucesso do projeto ocorreu com a implantação do Pastejo rotacionado, produzido durante 12 meses do ano, utilizando a irrigação, o chamado projeto Pasto Verde, que vem demonstrando ser uma alternativa altamente viável, num pais como a Nova Zelândia. "No Ceará, segundo estudos da Adece, existem 200 mil hectares irrigáveis nos perímetros irrigados do Dnocs, e somente são explorados 20 mil", disse Raimundo Reis, consultor da Agencia.

O artigo de JOSUÉ GOMES DA SILVA (FSP, 5/08/2012, p.A.2) "Resposta à fome do mundo" é uma demonstração de realismo e de crença na capacidade do nosso país. Começa assim: "Semana passada, ratifiquei a opinião de Dani Rodrik, professor na Universidade Harvard (EUA) e respeitado economista, quanto às boas perspectivas de o Brasil continuar crescendo, do nosso mercado interno, do equilíbrio das contas públicas e da democracia consolidada. Acrescentei à análise o nosso diferencial competitivo referente à imensa reserva hídrica. Mas, há outros fatores significativos favoráveis ao país, entre eles, a disponibilidade superior a 300 milhões de hectares de terras agriculturáveis. São mais de 100 milhões de pastagens, dando sustentabilidade à criação de gado de corte e, parte das quais, se necessário, pode ser adequada à cultura de outros alimentos. São poucas as nações com áreas disponíveis à agropecuária que não impliquem desmatamento. Somos, de longe, os campeões no quesito, em plenas condições de conciliar produção/segurança alimentar com a preservação ambiental." e termina assim: "O Brasil tem, portanto, a faca e o queijo (...o leite, a carne, a soja, o café, os grãos, as frutas...) para se tornar a grande referência e protagonista da segurança alimentar. Não há dúvida de que esse potencial pode ser cada vez mais convertido em vantagem competitiva, crescimento econômico e desenvolvimento."  Vale ler cada parágrafo!

Irrigashow, Feira sobre tecnologias da irrigação será realizada em Paranapanema, SP nos dias 14 e 15 de agosto de 2012 e paralelamente acontecerá o Fórum Nacional da Agricultura Irrigada. A promoção é da ASPIPP.

Grãos, índios e reservas
Reinaldo Azevedo em seu blog vai fundo na questão e recomendo a leitura para os de bom senso e para os que vivem no mundo da lua e resume o artigo assim: em 58,81 milhões de hectares, produzem-se 165,92 milhões de toneladas de grãos para alimentar brancos, pardos, pretos, índios, chineses, japoneses, alemãs, indianos, iranianos… Em 106,7 milhões de reservas indígenas - o dobro da área dedicada à agricultura (13% do país), não se produz um pé de feijão. Confiram!

Cana
A RPA (Ricardo Pinto & Associados) publica a Idea News e tem um canal de notícias somente do setor sucro-alcooleiro. Confira!

Clima
No PodCast UNESP  pesquisa aborda "Ilhas de calor" que  afetam populações das cidades médias, aponta  o pesquisador da Unesp João Lima Santana Neto, coordenador da pesquisa e especialista em climatologia da Unesp em Presidente Prudente. Leia também o artigo!

Empreendedorismo
Start-ups inovam também na seleção e empresas de tecnologia têm métodos inusitados para descobrir talentos e contratar novos profissionais (FSP, 5/08/2012, p.F.3, Felipe Maia). Há dois meses, Rômulo Gomes, 22, disputou uma vaga de desenvolvedor no GetNinjas, uma plataforma on-line para compra e venda de serviços. A seleção foi em um sábado, e os candidatos se serviam de cerveja, energético e salgadinhos enquanto tentavam desenvolver códigos de programação. Gomes se saiu melhor no desafio e terminou ficando com a vaga. Essa é uma das maneiras que as start-ups (empresas iniciantes de base tecnológica) encontraram para contratar profissionais que têm perfil inovador e aceitam o risco de trabalhar para elas. "Esse tipo de seleção é um filtro para saber quem tem a cara da empresa. Aqui, o ritmo é intenso, mas há momentos divertidos", diz Eduardo L'Hotellier, 27, presidente da GetNinjas. Como as equipes são enxutas, essas empresas, em geral, tentam criar um ambiente familiar entre os profissionais. Essa estratégia aparece também na fase de seleção.
Na Sync, uma start-up do Rio de Janeiro que desenvolve aplicativos para celulares, a seleção começa com um encontro em uma cafeteria ou um restaurante -só depois a empresa testa conhecimentos técnicos do profissional. "Primeiro, avaliamos se a pessoa vai ter um convívio harmonioso com a gente", conta Amure Pinho, 28, diretor-executivo da empresa. Esse estímulo à camaradagem também aparece no recrutamento do Minha Vida, que oferece um serviço on-line de dietas. Quem quer trabalhar na empresa, além de passar por entrevistas com o RH e com o futuro chefe, também tem de conversar com potenciais colegas. "Queremos verificar a afinidade que o profissional vai ter com as pessoas da área", diz o cofundador Daniel Wjuniski, 34.
No Rio, 15 start-ups se inspiraram no filme "Tropa de Elite" e no Bope (Batalhão de Operações Especiais, da Polícia Militar) para fazer uma seleção conjunta. De acordo com Pinho, idealizador do projeto Eu Sou Caveira, a ideia é formar um "clube exclusivo de profissionais de elite" nas áreas de desenvolvimento, design e mídias sociais. Nesse caso, são as empresas que disputam os profissionais. Elas recebem os cadastros dos interessados ao mesmo tempo e correm para contratar os candidatos mais interessantes. "Quem vende melhor o peixe da própria empresa fica com o profissional mais capacitado", diz Pinho. Na primeira seleção, em maio, foram contratadas 13 pessoas entre as 200 cadastradas. A próxima rodada acontece na próxima quarta. Os interessados podem preencher o cadastro no site www.eusoucaveira.com.
Ascensão e riscoProfissionais têm ascensão rápida, mas trocar grande empresa por start-up envolve incerteza, mas funcionário ganha autonomia. Aceitar um emprego em uma start-up é uma decisão de risco, já que, se o negócio não for bem-sucedido ou se a empresa não encontrar investidores, ela pode fechar rapidamente. No Brasil, 30% de todas as empresas não sobrevivem por mais de dois anos, de acordo com o Sebrae. "Uma start-up pode desaparecer de um dia para o outro ou virar o próximo Facebook", resume Gustavo Caetano, presidente da Associação Brasileira de Start-ups. O caso da rede social é emblemático porque a empresa compensa seus funcionários com ações. Quando o Facebook começou a negociar esses papéis na Bolsa, em maio, havia a expectativa de que muitos deles se tornassem milionários ao vender as ações, o que será permitido a partir deste mês. No Brasil, pequenas empresas de tecnologia também têm o costume de premiar os melhores funcionários com ações, o que os torna sócios. E elas dizem pagar salários compatíveis com os que profissionais ganhariam em uma companhia de maior porte. "O pacote de compensações está no nível do mercado. O funcionário não vai ganhar muito menos do que em uma grande empresa", diz Flavio Pripas, fundador da Fashion.Me, uma rede social voltada ao universo da moda. Hoje, o salário inicial de um analista de desenvolvimento de sistemas, uma função comum em empresas de internet, é de R$ 3.100 em São Paulo, de acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação.
Degraus: Há quem assuma o risco de deixar a estabilidade de uma multinacional para trabalhar em uma pequena empresa de tecnologia. No caso de Elisabeth Gomes, 27, o atrativo não foi o salário, mas a possibilidade de crescer rapidamente na profissão. Em novembro de 2010, ela deixou o trabalho em uma rede mundial de lojas de roupas para ocupar o cargo de assistente de compras na Dafiti, uma plataforma on-line de moda, quando a empresa tinha apenas dez funcionários. Um ano e meio depois, o negócio tem 1.100 empregados e Gomes já foi promovida. "Em uma grande empresa eu levaria muito mais tempo, porque teria de passar por várias etapas até chegar a esse cargo", diz. Alexandre Benedetti, consultor da agência de recrutamento Hays, diz que esse "apetite pelo risco" varia de acordo com o momento de vida do profissional -alguém que tenha filhos, por exemplo, vai ter mais dificuldades de tomar a decisão. Para os jovens, outro ponto atraente das start-ups é a autonomia. Como não há vários chefes de diferentes hierarquias, os profissionais sentem que tomam decisões mais importantes. "Há um maior grau de responsabilidade e você se sente o dono do negócio, mesmo não sendo. Seu trabalho influencia no resultado de modo muito direto", diz Ricardo Grandinetti, 32, gerente de produto do LikeStore, serviço que permite a criação de lojas no Facebook e que hoje tem três funcionários.

Start-up ou uma grande empresa? Perfil do candidato determina o tipo de companhia mais adequado para começar a carreira. Saiba mais sobre o assunto!

Entretenimento
A dica musical desta semana vai para quem completou na quarta-feia 65 anos de vida, que é o cantor, compositor, guitarrista e flautista escocês Ian Scott Anderson, ou seja, Ian Anderson, membro fundador da banda Jethro Tull. Começou sua carreira em 1963 como guitarrista de um grupo chamado The Blades e foi somente em 1967 que formou a banda Jethro Tull. Nesta epoca, Anderson abandonou de vez o sonho de ser um grande guitarrista, alegando que nunca poderia ser tão bom como Eric Clapton, assumindo de vez a flauta. Até hoje, o musico tem tido uma carreira promissora, somente a frente do Jethro Tull, a banda vendeu em todo o mundo a soma de 60 milhões de albuns. Foram cerca de 22 abuns de studio, 08 ao vivo, inumeras coletaneas. Sua marca em suas performance é tocar seu instrumento sustentando-o em uma perna só, jesto adquirido por acidente ocorrido no Marquee Club, criticado por um jornalista. "Como pode ficar de pé em uma perna só e ainda tocar flauta. São coisas do rock. E quem deu a dica originalmente foi Reinaldo Oliani da FM 97 - A presença do Rock!

Nenhum comentário:

Postar um comentário