Aula QUATRO: onde e o que irrigar e ainda estratégias para se ter água

"Num mundo transparente, aberto e em "real time", as redes sociais se tornaram um território aberto para as empresas e para as pessoas, sejam como cidadãos, consumidores e trabalhadores. Saber navegar e se beneficiar desses novos tempos é uma responsabilidade individual. Não delegue a sua carreira a própria sorte, trace uma estratégia de exposição de suas competências e seus gostos na web. Não acredite mais no poder do currículo bem feito e bonitinho, ele já era." (Mauro Segura, Brasil Post, 16/03/2014)

Onde irrigar?
Nas nossas aulas da semana que passou continuamos a discussão sobre onde a irrigação se faz necessária, desde a interpretação do balanço hídrico, que dirá se a irrigação é absolutamente necessária ou apenas uma segurança da produção. Discutimos o balanço hídrico exemplificando o noroeste paulista, regiões como Goiás, regiões semi-áridas, como o nordeste e ainda regiões áridas pelo mundo e mostramos as diferenças entre a captação de água na propriedade ("on farm") e sistemas coletivos de irrigação, chamados de Perímetros ou Distritos de Irrigação, como o São João em Tocantins. Aprendemos a diferença entre irrigação "on farm", onde apenas critérios econômicos são levados em conta e quando pensamos em desenvolvimento regional com o uso da água, onde critérios econômicos se associam à estudos de solos, disponibilidade de mão de obra, clima, análise de mercado regional, rede de escoamento da produção (rede aero, ferro, rodoviário e também pluvial e marítima da região) e que critérios sociais também são levados em consideração. Soubemos que a maior obra do Brasil atualmente é a transposição do Rio São Francisco, que se faz sobre uma grande controvérsia técnica, ambiental e financeira e frequentemente está na mídia, infelizmente muito mais pelos seus feitos negativos do que pelos positivos que pode representar (1, 2, infográfico). "A esperança para que o tempo se faça bonito - 19 de março é dia de renovar a esperança de que o ano não será de mais seca. A espera de muitos dos que dependem da chuva para as sementes brotarem é de enxada na mão, na confiança de que a água não tardará" é uma matéria ilustrativa de quem realmente precisa de água.

Demos alguns exemplos e outros dois exemplos simples do uso do balanço hídrico para gestão ambiental: Marinópolis e Palmas no Tocantins! O Baixo Acaraú no Ceará é um ótimo exemplo de Perímetro ou Distrito de Irrigação, conheça-o! Veja a visita que fizemos a convite do Instituto Inovagri e também assista o vídeo com o depoimento do produtor "Doca"! Vamos conhecer um Distrito de Irrigação nos Estados Unidos? Situado no sul da California, com restrição na oferta de água, com um solo extremamente arenoso e com problemas de salinidade, o The Coachella Valley Resource Conservation District (CVRCD) promove a conservação e o uso adequado da água como ferramenta para a continuidade do desenvolvimento sócio-econômico do Coachella Valley, que circunda n parte norte do Salton Sea. Veja fotos, vídeos (1 e 2) e estratégias, que inclui o Laboratório Móvel para Avaliação e Manejo da Irrigação (Irrigation Evaluation/Management - Mobile Lab). Veja também o uso da água para agricultura no Coachella Valley. Mas o Coachella é alimentado pelo All American Canal, um aqueduto de 130 km de comprimento aqueduto, localizada no sudeste da Califórnia, que leva a água do rio Colorado até o Vale Imperial e nove cidades, sendo a única fonte de água da região e substituiu o Canal Alamo, que foi localizado em sua maior parte no México. A Imperial Dam (1), cerca de 48 km a nordeste de Yuma, Arizona, no rio Colorado, desvia a água para o All American Canal, que vai até a oeste de Calexico, Califórnia, antes de seu último ramo seguir principalmente para o norte do Vale Imperial. Seis ramificações/canais menores saem do All American Canal para levar água para o Vale Imperial que tem no Imperial Irrigation District o distribuidor de água para toda a região, que irriga 250.000 hectares de terra de alta produtividade e possibilitou um grande aumento de rendimento das culturas nesta área, originalmente uma das regiões mais secas da Terra. É o maior canal de irrigação no mundo, transportando até 740,6 m3/s. Toda a água de drenagem agrícola e de escoamento superficial deságua no Salton Sea, uma área federal de refúgio da vida selvagem, criada por uma enchente em 1905, com água do rio Colorado corria para a área através do Alamo Canal, construído a partir de 1900. O All American Canal corre paralelo à fronteira com a Califórnia do México por vários quilômetros, pelo fato de que mais de 500 pessoas terem se afogado no canal desde 1997, tem sido chamado de "o corpo de água mais perigoso dos Estados Unidos" e foi autorizada a sua construção junto com a Hoover Dam pelo Boulder Canyon Project Act em 1928 e construído em 1930 U.S Bureau of Reclamation e Six Companies Inc, tendo a sua concepção e construção sido supervisionada pelo Engenheiro John L. Savage e foi concluída em 1942. Tivemos o privilégio de conhecer toda esta estrutura de transporte de água e de produção agrícola em dezembro de 2010 na companhia do Engenheiro Agrônomo Sócrates Gonzales, do Imperial Irriagtion District e detalhes desta viagem que começou em Phoenix, no Arizona, estão descritos neste blog e também registrados em videos no canal da AHI no YouTube (1, 2).

BNDES aprova financiamento para projeto de irrigação no Equador. O projeto de irrigação Daule Vinces, que vai aproveitar a água do Rio Daule, na província de Guayas, no Equador, vai receber recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no valor de US$ 136 milhões. O contrato de financiamento do governo equatoriano com o BNDES foi assinado no dia 21 de agosto de 2013 e abrangerá quase 65% do valor total da obra, estimada em U$ 210 milhões, o governo do Equador financiará o restante do valor. Segundo o governo equatoriano, o projeto envolve a construção de 64 quilômetros de canais principais e 269 de canais secundários, aproveitando água disponível do Rio Daule. A irrigação alcançará uma área de 177,9 mil hectares e poderá beneficiar cerca de 180 mil habitantes, que também poderá usar água do rio, em épocas de seca. Esse é o segundo financiamento do BNDES a projetos no Equador. O primeiro, no valor de US$ 92 milhões, se destinou ao projeto hidrelétrico Manduriacu.

E um novo mapa global de áreas de irrigação está disponível (Mapa Global de Áreas de Irrigação - Versão 4.0.1) para download gratuito. O mapa mostra a quantidade de área direcionada para irrigação durante o século XX em relação à superfície total, representada em uma imagem rasterizada com uma alta resolução. Uma explicação sobre as diferentes terminologias utilizadas se encontra no glossário. Veja também mais informações no Free GIS, Remote Sensing, Spatial e Hydrology Data.

Google Street View lança sistema para "navegar" pelo Grand Canyon. Vamos conhecer o rio Colorado e o seu entorno? O rio Colorado é um dos principais rios americanos.....

Em nossas aulas nossos alunos conheceram também quais os meios de se conduzir água, através de canais ou tubulações e as diferenciamos em tipo de material e classe de pressão, que indicam a resistência de cada tubo ou tubulação. Assim diâmetros comerciais, nominais, internos e classe de pressão de já são conhecidos pelos alunos, incluindo a diferenciação entre conduto livre e pressurizado. E quando se fala de recursos hídricos para se iniciar uma obra, 5 "engenharias" devem ser levadas em consideração: Técnica, Financeira, Ambiental, Institucional e Política. Na busca pela água, várias obras de engenharia foram necessárias para desenvolver regiões

Clima, agricultura irrigada e mapas
O AGRITEMPO compila as informações climáticas de todo o Brasil e também por Estado. Veja as condições atuais do armazenamento de água no solo no Estado de São Paulo, que traz também o mapa da necessidade de irrigação e o mapa da estiagem
O Forum Agricultura Irrigada apresenta dos mapas interessantes, o da Concentração da Área Irrigada nos Municípios Brasileiros e a Distribuição da Área Irrigada nos Municípios Brasileiros (1).
O trabalho "Clima do Estado de São Paulo" de Marcello Martinelli traz vários mapas e explicações interessantes sobre o nosso Estado. Já escrevemos "Tão quente, tão úmido, tão seco: construindo a resiliência dos agro-sistemas" e ainda uma equipe da NASA foi para o Estado de Iowa para estudar as chuvas e inundações no centro-oeste americano e voltaram com uma grande quantidade de dados que eles usam para melhorar a forma como eles medir a precipitação a partir do espaço e como eles usam esses dados para prever enchentes. Mas a agricultura irrigada muda vidas no nordeste com geração de emprego e renda, veja como!

E o IBGE disponibiliza novos mapas de cobertura e uso da terra dos Estados do Rio Grande do Sul e do Amazonas, em escala 1:250.000, além do Mapa Mural de Uso da Terra do Brasil, na escala 1:5.000.000.Os mapas estaduais, que resultaram da interpretação de imagens de satélite, com o apoio de trabalho de campo e de documentos de referência, apresentam ampla gama de classificação; o mapa do Brasil, de características predominantemente agropecuárias, possibilita um retrato mais abrangente do censo agropecuário de 1996 e oferece ao usuário a oportunidade de comparar tipologias de uso com produtos mais recentes.

O mapa da felicidade no mundo (Happy Planet Index) também se encontra disponível e foi feito utilizando ferramenta de GIS e publicado pela NEF (New Economics Foundation).

A Esri publicou a segunda edição do livro “Lining Up Data in ArcGIS: A Guide to Map Projections", uma obra que serve de referência para qualquer Sistema de Informação Geográfica (SIG), elaborado para os usuários que trabalham com sistemas de coordenadas. Se trata de uma obra completa.

O que irrigar?
O outro tema desenvolvido em aula foi o "O Que Irrigar?" onde destacamos algumas culturas, mas lembramos que a vocação natural do produtor deve ser respeitada quando elaboramos planejamento de uma região. Outra questão é a logística de transporte e de consumo dos produtos a serem produzidos, portanto, a análise do mercado é essencial na decisão sobre quais cultivos irrigar. O fato é que com irrigação é possível ousar e quebrar alguns paradigmas. Veja o exemplo que vem de Viradouro, citros com mogno irrigado por gotejamento. Ou ainda a integração lavoura-pecuária ou a produção de novilho precoce baseada na pastagem irrigada associada ao confinamento, com o milho silagem produzido sob pivô central, sem esquecer as possibilidades associadas à irrigação de parques, jardins e campos esportivos! A pastagem irrigada é adequadamente ilustrada em video pelo Médico Veterinário José Ricardo Solfa no sítio Sr. Francisco Ferreira em Sud Mennuci.  E conheça a experiência de um projeto irrigado que garante criação de caprinos e ovinos no Sertão de PE. O Projeto Pontal tem pulmão verde, área de 12 hectares irrigada, os animais estão saudáveis, graças à forragem. Pastejo rotacionado, adubação e irrigação foi tema da reportagem na TV Tem - Programa Nosso Campo de 16 de março de 2013. Veja o video! A Fenicafé é o principal evento da cafeicultura, com ênfase à irrigada - veja em video como foi a edição 2014 e muito mais.

Contraste entre a pastagem irrigada e a de sequeiro no noroeste paulista. Tanto o gado de corte como o leiteiro podem e devem se beneficiar da irrigação para se obter elevadas produtividades e rendimentos.

Consórcio de citros com mogno africano, sob irrigação em sistema de gotejamento, aos 20 meses de idade. Na Fazenda São Paulo, em Viradouro-SP. (Fonte: José Gibran)

Outro desafio é a irrigação da cana, que ainda enfrenta muita resistência do setor. Algumas iniciativas como o Projeto Cana Pede Água e o GIFC - Grupo de Irrigação e Fertirrigação de Cana-de-Açucar visam provar que a irrigação é vantajosa e estimular o uso da técnica.

Cristalina em Goiás certamente pode ser exemplo tanto para a questão de ONDE IRRIGAR, pois seu balanço hídrico se mostra negativo em alguns do ano, como em O QUE IRRIGAR, pois se orgulha de vários índices, inclusive da sua diversidade de cultivos. O município tem o maior rendimento de alho por hectare (um quarto do alho nacional é produzido em Cristalina e com melhor qualidade que os importados). Cristalina também é o maior produtor de milho doce do país, maior produtor de alho nobre do país, tem a maior área irrigada de trigo do país (produz a melhor qualidade de grão com maior produtividade), é o maior produtor de cebola do Centro-Oeste, o maior produtor de feijão da região, o maior produtor de batata do Centro-Oeste, o maior produtor de café do Estado de Goiás e na produção de sequeiros destacam-se soja, milho, feijão, algodão, sorgo e arroz, numa área total cultivada de 210.000 hectares, sendo que produz as melhores qualidades de sementes de soja e milho. Durante muitos anos, a economia de Cristalina se baseou na exploração de cristais. Na década de 70, com a chegada de produtores rurais do sul do país, o cenário extrativista deu lugar ao plantio de diferentes culturas. A altitude do município, as temperaturas amenas e a excelente qualidade do solo permitiram que o município empregasse uma nova forma de cultivo: a irrigação. Beneficiado por mais de 240 nascentes e rios, foi possível a instalação de 560 pivôs que captam a água e distribuem de maneira uniforme e constante a quantidade necessária para a realização de colheitas mesmo em épocas que não há chuvas, e também é detentora do título do município que mais utiliza a irrigação na América Latina. O resultado é a alta produtividade, em especial, de alho, batata e cebola. Somente nestas três culturas, são 8.000 empregos em uma das etapas de produção. Depois de anos apenas plantando, Cristalina passa a partir de 2010 a industrializar sua produção e incorpora plenamente os efeitos multiplicadores da agricultura irrigada e as indústrias Incotril, Fugini e Bonduelle estão presentes processando alimentos vindos dos diferentes cultivos no município. Além de empregar mão-de-obra manual nas colheitas, Cristalina abre inúmeras oportunidades de trabalho em nível superior como agronomia, zootecnia, administração e engenharia civil. Com a mudança de muitas famílias para a cidade, houve um grande crescimento no setor da construção civil. Diversos prédios residenciais estão sendo edificados e há constante necessidade de mestre-de-obras, pedreiros e serventes. E tudo isso leva Cristalina a ser a detentora do 1º PIB (Produto Interno Bruto) agropecuário do país, sendo destaque nacional na produção de grãos e a economia fortalecida coloca o município como um dos maiores geradores de emprego do Brasil. Trinta e cinco culturas fazem a economia crescer e o desenvolvimento sócio-econômico do município e a irrigação - com seus 560 pivôs - sendo a força motriz para produtividades elevadas. Parabéns Cristalina! 

Destacamos também algumas culturas que recentemente tem recebido investimentos em irrigação e a situação atual de alguns importantes setores, como pastagem (1), cana (1, 2 e ainda o artigo dos Pesquisadores da EMBRAPA sobre a safra 2011/2012), citros e ainda a irrigação de parques, jardins e campos esportivos (1, 2). O projeto Cana Pede Água é um ótimo exemplo de marketing concorrencial, vale conferi-lo! As estatísticas mundiais de área irrigada podem ser encontradas no AQUASTAT da FAO

Na parte prática da aula conhecemos os aspersores utilizados em irrigação paisagística e campos esportivos e aspersores de impacto e algumas características dos seus jatos tipo gear-drive (ou rotores), spray-head ou ainda os modernos MP Rotators (todos aspersores tipo pop-up). Hunter, Fabrimar e Agropolo são os fabricantes do emissores visualizados em operação. No nosso canal no YouTube damos destaque para alguns emissores em operação. Confiram

Esperamos que nossos alunos já estejam ampliando seus conhecimentos em agricultura irrigada relembrando conceitos anteriormente ensinados através da resolução das listas de exercícios, que foram preparadas para uma melhor capacitação e despertar o interesse pela agricultura irrigada. Está lá na aba "Atividades Acadêmicas".

Próxima aula
Pela manhã vamos ao Cinturão Verde de Ilha Solteira. Abordaremos planejamento dos recursos hídricos considerando a microbacia como unidade de gestão, a qualidade e disponibilidade da água para irrigação. As aulas são sempre no mesmo lugar e com isso, a partir do registro fotográfico é possível verificar as transformações que o manancial passa a cada semestre, "sentindo" os efeitos das chuvas sobre o córrego e o seu entorno. Acima, verifica-se que a calha está se aprofundando. Discutiremos os problemas decorrentes da ausência de conservação do solo, erosão assoreamento e como isso afeta a qualidade da água que pode ser classificada por fatores físicos, químicos e biológicos. As aulas dos semestres anteriores podem ser visualizadas a partir do canal "Atividades Acadêmicas" do Canal da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira. Videos destas aulas podem ser vistos no Canal da AHI no YouTube. Esperamos que os alunos aprendam e se motivem ainda mais.
A recomendação é participarem da água com "roupa de ralo" como dizem os Escoteiros, ou seja, botina, roupa velha e protetor solar são altamente recomendados.

Pod Irrigar - Escolhendo a lâmina de irrigação para pivô central
No nosso Pod Irrigar desta semana aproveitamos o tema de uma visita que recebemos na quarta-feira. Dois agricultores, pai e filho, já cansados de frustração de safras pela irregularidades das chuvas chegam até mim e um diz "já estamos convencidos de que precisamos comprar um pivô central, porque não dá mais para confiar nas chuvas. Por onde começamos? Como escolher certo o equipamento?"
A aquisição de sistema de irrigação não deve basear-se apenas pelo valor do equipamento, ou preço final do sistema e sim baseada em uma análise conjunta de fatores levando-se em consideração os aspectos gerais de projeto, a assistência técnica, a garantia, a idoneidade da revenda, a qualidade e tecnologia do fabricante, a solidez da empresa fabricante e por fim, o preço.
Por limitação de tempo hoje falaremos apenas de uma dos aspectos de projeto, a escolha de lâmina de projeto para um sistema de irrigação tipo pivô central, que deve percorrer áreas circulares fazendo a reposição de água necessária para se buscar a máxima produtividade.
Acontece que em um cultivo temos este coeficiente de cultura variando em grande parte das espécies entre 0,4 e 1,2 ao longo do ciclo e ainda o plantio se dá em épocas distintas do ano, com demandas climáticas distintas em função da posição do sol que levará radiação em quantidade diferente em cada região da terra.
Assim, dimensionar pela máxima exigência de uma cultura, exigirá um investimento muito alto e ainda levará à uma ociosidade do equipamento em uma maior parte do tempo ao longo do ano e dimensionar pela média das exigências de água pode ser temerário, pois por uma grande número de dias não será possível repor a água perdida pela cultura. Economicamente, um sistema de irrigação deve ser dimensionamento com uma lâmina intermediária entre a média e a máxima, mas uma análise econômica entre investimento e custeio será fundamental para alicerçar a decisão, especialmente por que temos no Brasil a tarifa diferenciada, que no período noturno proporciona um ótimo desconto para o irrigante, que ainda tem a eficiência da irrigação aumentada devido a menor temperatura, maior umidade relativa e menor velocidade do vento.
Um bom projetista deve atentar para esta relação entre o investimento e o custeio representado pelo valor pago pelo consumo da energia necessário para acionar o motor do sistema de irrigação.


Esse foi o tema que desenvolvemos esta semana no Pod Irrigar - o Pod Cast da Agricultura Irrigada desta semana. Ouça também os anteriores.

Pod Irrigar Interativo
No POD IRRIGAR INTERATIVO o tema é "Redes agrometeorológicas e altas temperaturas no noroeste paulista". Confira! Há outras edições no Canal da AHI no YouTube, é só assistir!



Dia Mundia da Água
Em 22 de março se comemora o Dia Mundial da Água e muitas entidades e empresas fizeram questão de lembrar da importância da água para as nossas vidas, pois precisamos dela em quantidade e qualidade. Assim, ontem preparamos uma postagem especial, o músico Tavito Carvalho foi muito feliz ao postar que "Hoje é o DIA MUNDIAL DA ÁGUA. Só em saber disso fico afogado em dúvidas sobre o futuro." A ONU lembra em números aqueles que sofrem pela falta de água.

Consumo de água nas atividades diárias: no início da década de 90 a ONU definiu o dia 22 de março como o Dia Mundial da Água no intuito de alertar a sociedade a respeito da importância deste valioso recurso natural. Embora o uso intensivo de água nos estabelecimentos comerciais seja em segmentos específicos, é importante que se entenda que o consumo deste bem se deve ser analisado ao longo de todos os processos produtivos como, por exemplo, na agricultura (irrigação, lavagem, resfriamento, vapor etc.), na indústria alimentícia para a fabricação de alimentos e bebidas, além do uso para limpeza, higiene pessoal, dentre outras finalidades. Chamamos isso de "Pegada hídrica" (SabespExameWWF) - veja o video. Há instituições que trabalham exclusivamente na mensuração do uso da água nas cadeias produtivas, como, por exemplo, a Water Footprint. Quanto maior o emprego da água, mais intensivo é seu uso. Vejam alguns exemplos e conheça a publicação "O Uso Racional da Água no Comércio". Calcule a sua pegada hídrica! Conheça também a obra de referência no tema, "The water footprint assessment manual: Setting the global standard", disponível também em português. Conheça algumas imagens sobre o tema (1,).

pesquisa Saneamento Básico - Regulação 2013 reflete uma realidade brasileira insustentável, com o sistema de saneamento básico apresentando precariedade absoluta, onde apenas 50,4% das residências brasileiras tem coleta de esgoto, o que leva à uma porcentagem maior de residência sem tratamento do esgoto, contribuindo para a perda da qualidade da água dos mananciais, muitos deles utilizados para a irrigação das lavouras.

Recursos hídricos, infra estrutura e agricultura irrigada


Criatividade e técnica são necessárias para vencer desafios. O de obter água no Chile, em Huasco assina pelo nome de "Coastal fog-harvesting tower". Huasco é uma região árida e sua agricultura depende de irrigação. Com seu rios esgotados, a torre de nevoeiro-colheita propõe uma solução engenhosa utilizando apenas energia eólica e da gravidade. A torre de 200 metros é construída como uma espiral que coleta partículas de água da névoa litoral, filtra o sal por osmose inversa e distribui água doce para uma outra forma declínio área agrícola.


Promessa de caminho mais fácil para licença ambiental na irrigação no RS. Agricultura será transformada de divisão em departamento da Fepam na reestruturação do órgão. Uma das principais reclamações de produtores e indústrias com relação à irrigação no Estado é a demora na obtenção da licença ambiental em propostas hoje não contemplados pelo programa Mais Água, Mais Renda – que estabelece limite de até 10 hectares para açudes e até cem hectares de área irrigada. Após longa discussão sobre o tema, finalmente se chegou a um formato que promete dar condições diferenciadas aos produtores, conforme cada projeto. O novo secretário de Agricultura, Claudio Fioreze, afirma que haverá um rito simplificado para projetos em áreas maiores do que aquelas previstas no Mais Água, Mais Renda. Na prática, esses empreendimentos terão de ser licenciados individualmente pela Fepam, mas uma norma técnica, que está sendo criada, estabelecerá diferentes graus de exigência, proporcionais ao tamanho.


II INOVAGRI INTERNATIONAL MEETING
Esta chegando a hora do maior evento da agricultura irrigada deste ano, que reunirá 34 especialistas nacionais e 32 estrangeiros a partir de 13 de abril de 2014 no II Inovagri International Meeting em Fortaleza - CE. Além da programação já fechada, trabalhos científicos recebidos, confirmados e sendo impressos, o público já confirmado através de 1000 inscrições feitas, contará também com dois workshops que trarão o estado da arte atual em: (A) 13 de abril de 2014 - Técnicas Avançadas para Dimensionamento de Sistemas de Irrigação Pressurizada em Larga Escala, tendo como Instrutor Nicola Lamaddalena (Diretor do IAMB, Bari, Itália); (B) 15 de abril de 2014 - o Workshop sobre Lisimetria: Instalação, Manejo e Análise dos Dados, tendo como Instrutor Richard Allen (Universidade de Idaho, Estados Unidos). Durante o evento a International Commission on Irrigation and Drainage - ICID  também organizará, no dia 14 abril, o SIDE MEETING ON IRRIGATION AND DRAINAGE IN SOUTH AMERICA. mais uma oportunidade de interação e participação e conhecimento sobre o que acontece na agricultura irrigada no mundo.  A Casablanca Turismo é a agência oficial do evento e responsável por passagens, hospedagens e traslados de palestrantes, convidados e pessoas interessadas em participar do evento. Para mais informações sobre a emissão de passagens e hospedagem, basta enviar e-mail para eventos.for@casablancaturismo.com.br.

Carreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário