Aula Doze - Sistemas de irrigação para todos os fins

Campanha pelo uso racional da água lançada em 2000 pela Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira.

Recursos hídricos - Conservação e "produção" de água na bacia hidrográfica
Há muito tempo, temos alertado para a excessiva presença de mananciais degradados, grande parte deles identificados pela espécie Typha sp, comumente chamada de "tabôa", cuja presença é decorrente de um intenso processo de assoreamento da calha do córrego, que tem a sua profundidade diminuída e a sua largura aumentada.
O assoreamento por sua vez é o resultado de um processo erosivo que desloca o solo de uma área normalmente produtiva para o ponto mais mais baixo do terreno, que chamamos de talvegue, por onde a água corre. Talvegue é então a linha mais baixa de uma bacia hidrográfica e o extremo do divisor de água, representado pela linha mais alta do terreno.
Assim, consciente de que água e é fonte de vida, temos defendido medinas efetivas para se proteger as nascentes e toda a área ripária, ou seja, todo o entorno de um manancial ou talvegue, que vem a ser parte de uma APP, ou Área de Preservação Permanente.
A crise hídrica invade os canais de comunicação diariamente porque existe risco de não termos água para beber, principalmente nas grandes cidades e nem para gerar energia. Mas, de maneira específica, na região noroeste paulista - onde vivemos e trabalhamos -, identificamos a fragilidade da oferta hídrica na área entre os grandes lagos da região e começamos a falar em nossa palestras e escrever sobre a necessidade da recomposição das matas ciliares ainda em 2000 a partir da experiência vivida no projeto Palmeira d´Oeste, quando nossa Equipe propôs a construção de terraços, recomposição ciliar e barramentos em substituição à talvegues assoreados e degradados e tomados por Typha sp ("tabôa"), como forma de garantir a segurança hídrica necessária a ampliação da área irrigada, fundamental para o desenvolvimento sócio-econômico da região.
Também, por três anos trabalhamos no "Monitoramento dos Recursos Hídricos para Irrigação nas Microbacias dos Córregos Boi, Três Barras e Coqueiro na Bacia Hidrográfica do Rio São José dos Dourados" e estava lá a evidência das consequências da falta de conservação do solo e das matas ciliares na qualidade e disponibilidade da água nos mananciais e mais recentemente (Hernandez e Franco, 2013), no artigo "Avaliação da disponibilidade hídrica na bacia hidrográfica do Rio São José dos Dourados, no noroeste paulista" mostramos novamente a fragilidade e concluímos que "para que a expansão da área irrigada aconteça de forma sustentável, ações imediatas devem ser empreendidas no sentido de promover a maior permanência da água nas microbacias e isso deve ser feito com práticas de conservação do solo e barramento."


Nossa convicção é grande de que ações públicas devem ser conduzidas para que tenhamos a conservação dos nossos solos, a recomposição ciliar, a preservação das nascentes, a construção de barramentos de terra em especial em áreas degradadas tomadas por Typha sp e assim garantir que a água das chuvas permaneçam por mais tempo na bacia hidrográfica e manifestamos esta convicção em nossos trabalhos técnicos-científicos, em artigos escritos, no [Pod Irrigar] e por onde mais andamos. Mas não estamos só, alegra-nos saber que o projeto "Produtor de Água" também foi defendido em Editorial na Folha de São Paulo, após constatar o impacto e a gravidade de passivo florestal no entorno dos Sistema Cantareira e aqui no oeste paulista não é diferente e temos ainda menos matas remanescentes. Então, fica a dica, os meios de comunicação deveriam dar mais ênfase à boas iniciativas que comprovem a efetividade da "produção de água" e quem sabe assim, todos se convençam da sua importância e iniciemos a imediata recomposição das nossas matas ciliares. Esse foi o tema que desenvolvemos esta semana no Pod Irrigar - o Pod Cast da Agricultura Irrigada desta semana. Ouça também os anteriores.

Aulas na semana
A semana que passou foi de seminários pela manhã com os temas "Desenvolvimento com agricultura irrigada: o exemplo na região Centro-Oeste, da região Nordeste e da Espanha", quando nossos alunos puderam apresentar aos colegas como a agricultura irrigada faz a diferença nestas regiões. Fizemos questão de diferenciar os investimentos privados e os públicos em áreas irrigadas, onde na pública há investimentos em perímetros ou distritos de irrigação. Enquanto a maior parte dos perímetros irrigados no Brasil estão na região Nordeste ou no Polígono da Seca (parte de Minas Gerais), na Espanha são os Distritos de Irrigação que predominam e exigem a administração coletiva da água, como pouca opção de captação  e bombeamento de água individual que acontece na maior parte do Brasil. Em relação à Espanha também foi dado destaque para a região de Almeria, El Ejido e Roquetas de Mar, mundialmente reconhecida pelo profissionalismo aplicado na produção sob cultivo protegido. Já a tarde, foi o momento da Segunda Prova de Irrigação e Drenagem, em que valorizamos os seminários e avançamos na análise dos elementos, onde foi exigido cálculos.

Crise hídrica, boas práticas e soluções
Estamos convivendo diariamente com a exibição de reportagens mostrando a crise hídrica, no [Pod Irrigar] desta semana destacamos a importância dos meios de comunicação dar mais ênfase à boas iniciativas que comprovem a efetividade da "produção de água" e quem sabe assim, todos se convençam da sua importância e iniciemos a imediata recomposição das nossas matas ciliares e da intervenção em mananciais degradados de modo a trazer mais segurança hídrica a todos. E não é que o Globo Rural "nos ouviu" e apresentou uma excelente matéria sobre a retirada da "taboa" para se ter mais água na bacia e ampliar o uso da água em um exemplo que vem de Minas Gerais? Parabéns Técnicos de Brumadinho por este trabalho! Parabéns Globo Rural por divulgar a iniciativa! A solução para se ter água é segurá-la por mais tempo na bacia hidrográfica! 

Jornal Nacional em um ótima reportagem mostrou o resultado do plantio de árvores na zona ripária, com proteção das nascentes. Vale assistir e conhecer este trabalho absolutamente necessário e quase nada praticado. O projeto "Produtor de Água" prova que recuperar a mata em torno das nascentes é fundamental para amenizar a crise da água. No dia 31 de agosto de 2014 o Globo Rural apresentou a reportagem "Agricultores do Cerrado desistem de plantar por causa da seca" realidade aqui também do noroeste paulista. Globo Rural percorreu São Paulo, Minas Gerais, Goiás e o Distrito Federal e mostra também as experiências bem sucedidas na reservação de água com represas e ainda do programa "Produtor de Água" e em outra reportagem do Globo Rural mostra que produtores economizam e aumentam o volume de água em propriedades, como o projeto "Produtor de Água" garante a maior oferta de água na estação seca e a necessidade do monitoramento dos mananciais e o exemplo de Cristalina é mostrado para todo o Brasil.



Fenicafé 2015
E a Fenicafé Araguari 2015 começa na terça-feira. A programação está excelente, no dia 4, se discutirá recursos hídricos, seu uso, sua importância ambiental e econômica e ainda como produzir água na propriedade e na bacia hidrográfica. A seca deste ano beneficiou em muito os cafeicultores irrigantes, mas um exemplo de que não podemos e nem devemos mais confiar nas séries históricas e acreditar que "Deus é brasileiro" e mandará a chuva na hora que a precisamos ou a desejamos. A Comissão Organizadora receba os nossos parabéns não somente por esta edição, mas pelo modelo de evento que vocês criaram. 

Safra - Cana - Irrigação - GIFC
No dia 27 de fevereiro de 2015, o Engenheiro Agrônomo Marcos Antonio Liodorio dos Santos recebeu o título de Mestre em Agronomia - Área de Concentração em Irrigação e Drenagem pela UNESP Botucatu, com a Dissertação "Balanço hídrico, crescimento e produtividade de genótipos RB de cana-de-açúcar em cultivo de sequeiro na região de Rio Largo - Alagoas". Trabalho extenso, difícil no campo e nas análises de 10 genótipos e se verificou a importância da irrigação para o estabelecimento de produtividades adequadas a sustentabilidade do negócio no setor sucroenergético. O Orientador foi o Professor João Luiz Zocoler e comigo na Banca Examinadora estava o Professor Antonio de Pádua Souza. Parabéns Marcos e mais sucesso!


Na safra 2013/14, o Brasil produziu aproximadamente 596 milhões de toneladas de cana, matéria-prima utilizada para a produção de 34 milhões de toneladas de açúcar e 25 bilhões de litros de etanol. Deste total, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), que é a entidade representativa das principais unidades produtoras de açúcar, etanol (álcool combustível) e bioeletricidade da região Centro-Sul do Brasil, principalmente do Estado de São Paulo, através das suas usinas associadas respondeu por mais de 50% da produção nacional de cana e 60% da produção de etanol. 

Estamos diante da maior crise hídrica já enfrentada no Brasil, com reflexos em todos os setores econômicos, a partir dos problemas ligados especialmente na produção de energia, de alimentos e suprimentos de água para a população. Por outro lado, o setor sucroalcooleiro enfrenta há alguns anos uma crise que tem origem em problemas estruturais e conjunturais. Entre os conjunturais, está a perda de produtividade média das safras, grande parte devido ao déficit hídrico resultante da instabilidade das chuvas e elevadas taxas de evapotranspiração, o que levou à inviabilização econômica de muitas usinas, gerando não somente preocupação ao setor, como também ao desemprego. Neste cenário, o uso de sistemas de irrigação é um dos caminhos para a elevação das produtividades médias dos canaviais, mas que exige novos investimentos em setor que passa por crise financeira, ao mesmo tempo em que a oferta de água em superfície e energia se mostra em situação crítica.
Neste cenário, O DEFERS-UNESP e o GIFC (Grupo de Irrigação e Fertirrigação em Cana) reunirá profissionais de diferentes áreas em 12 de março de 2015 na UNESP Ilha Solteira para debater os diferentes aspectos que envolvam o uso da água e efluentes para a irrigação na cultura da cana sob as condições climáticas atuais e históricas. Também se debaterá estratégias para a execução de pesquisa aplicada em irrigação em cana e estratégias de comunicação de modo a aumentar o alcance do conhecimento já acumulado. O crescimento da produtividade da cana é fundamental para a produção de açúcar e energia (álcool e elétrica, produzida pelo bagaço) e o uso da irrigação é fundamental para fugir da vulnerabilidade imposta pela falta das chuvas e este evento deverá apontar os caminhos para se sair ou mitigar as diferentes crises que afetam o desenvolvimento sócio-econômico de todas as regiões, quais seja, a produtividade de um setor estratégico como a cana, a instabilidade climática e a segurança hídrica para geração de energia, para a população e para a produção de alimentos.
O GIFC (Grupo de Irrigação e Fertirrigação de Cana-de-açúcar) é uma entidade criada com os objetivos de promover, incentivar e fomentar a evolução dos conhecimentos de toda e qualquer forma de irrigação e fertirrigação de cana-de-açúcar e de dedicar-se ao aperfeiçoamento dos processos e técnicas de irrigação e fertirrigação de cana-de-açúcar com vistas à qualidade e produtividade, à preservação do meio ambiente, à conservação de energia e à segurança operacional, atuando em prol do desenvolvimento tecnológico deste segmento através da promoção e a edição de boletins e publicações técnicas, bem como a produção e a divulgação, por meios convencionais ou eletrônicos, de informações de interesse de seus associados, levando a troca de informações e experiências entre os associados sobre todos os assuntos que envolvam a irrigação e a fertirrigação de cana-de-açúcar, buscando permanente atualização e desenvolvimento técnico dos mesmos. Confira a programação deste que será o 19o. Encontro promovido pelo GIFC e faça a sua inscrição, pois as vagas são limitadas.

A Agrovale em Juazeiro tem um histórico de investimentos em irrigação de cana, agora ao investirem na irrigação localizada foi alvo de um vídeo sobre o uso deste sistema de irrigação. Em inglês afirmam: “We did a feasibility analysis study and proved that even in diverse scenarios, the system that gave the best value and ROI and excellent payback was the drip irrigation system." Veja também outros depoimentos sobre o uso da irrigação em cana em eventos promovidos pelo GIFC, sempre em parceria regional.

Desperdício ou perda de oportunidade

Extensão - Comunicação

Dicas - Turismo - História
Roteiro de um dia no centro de São Paulo é sugerido pela Jornalista Gaía Passarelli. Enquanto isso, o Rio de Janeiro faz 450 anos, que tal uma seleção de músicas para comemorar?

Carreira

Entretenimento
João Gilberto no Festival de Águas Claras 1983, este foi o show mais improvável, mais imponderável de acontecer e mais ainda seria imponderável ir até o final, e foi!!! Assista e veja, ninguém dá um pio, até pareceia que estávamos hipnotizados... Por isso creio ser o mais inesquecível dos shows que assisti. João Gilberto entrando debaixo de chuva as 5 da manhã para cantar para os malucos que lá estavam. E eu estava lá... rsrsrs. Outros videos estão disponíveis e dão a percepção deste Festival (A, B), como Raul Seixas (A, B) e outros tocando. Apreciem sem moderação!


Nenhum comentário:

Postar um comentário