Aulas CATORZE e QUINZE e uso da água na agricultura em discussão

Mexer com gente é complicado, mas ao mesmo tempo é fascinante. Quando a cultura da empresa é no comando e controle é muito fácil. Mudar para que as pessoas sejam protagonistas demora bastante tempo.(Fabio Barbosa, presidente do Grupo Abril)

Pod Irrigar - Discutindo, preservando e usando com eficiência água
Ontem gravamos para o programa TerraViva Sustentável uma edição especial em alusão ao Dia Internacional da Água que teve como tema a oferta e uso da água na agricultura. Sob a moderação do experiente Jornalista Tobias Ferraz na bancada estavam os diferentes atores que fazem a produção de alimentos acontecer com maior eficiência e produtividade da água. 


Os Engenheiros Agrônomos José Carlos Rossetti - Coordenador da CATI - falou pela Secretaria da Agricultura, Priscila Sleutjes da ASPIPP representou os irrigantes, verdadeiros artífices para geração da produção de alimentos e do desenvolvimento sócio-econômico de regiões e eu representei o ensino e pesquisa e ainda o Engenheiro Agrícola Alfredo Mendes Teixeira representou os fabricantes dos sistemas de irrigação na condição de Presidente da CSEI-ABIMAQ.


Em debate todos os lados da agricultura irrigada, desde a oferta e reservação da água, o estado da arte dos sistemas de irrigação no Brasil até o uso da água e como fazê-lo com elevada eficiência.


As conclusões foram: há a necessidade de padronização e agilidade nos processos de licenciamento ambiental e outorga no uso da água, a experiência da construção de barragens de terra já mostrou ter êxito em vários locais e deve ser incentivada, a intervenção em mananciais degradados deve ser autorizada , as nascentes devem receber proteção com conservação do solo e recomposição ciliar, o Brasil conta hoje com a mais alta tecnologia em todos os sistemas de irrigação se igualando ao que se produz nos Estados Unidos e Israel, o manejo da irrigação deve ser incentivado e treinamentos devem ser proporcionados para que os irrigantes possam interpretar os dados provenientes das estações agrometeorológicas, cujo número deve ser ampliado em todas as regiões brasileiras, para que se possa estimar com precisão a evapotranspiração das culturas e assim aplicar água no momento e quantidade certa para a máxima produtividade.


Também, o monitoramento da vazão e qualidade da água dos mananciais deve ser ampliado, permitindo o planejamento e antecipação ou mitigação de situações críticas.
O programa gravado no Parque Luis Carlos Prestes foi ao ar no dia 21 de março de 2015, as seis da manhã. Esse foi o tema que desenvolvemos esta semana no Pod Irrigar - o Pod Cast da Agricultura Irrigada desta semana. Ouça também os anteriores.  Esta edição do Pod Irrigar foi gravada ao vivo no estúdio da ACI - UNESP em São Paulo, quando tiver a oportunidade de rever amigos.

Jornalista Renato Coelho que produz na ACI - UNESP o [Pod Irrigar], o Pod Cast da Agricultura Irrigada, que vai ao ar toda quinta-feira em http://podcast.unesp.br/podirrigar

O programa apresentado no Canal Terra Viva pode ser assistido aqui: Primeiro Bloco, Segundo Bloco, Terceiro Bloco e Quarto Bloco.

Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista e software SMAI também na TV e em revista
Também ontem, dia 21 de março de 2015, foi ao ar na TV Tem - afiliada da Rede Globo - o programa Nosso Campo especial sobre "Economia de água no campo" e lá estava parte do trabalho da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira, com o software SMAI 2.0 que estima a evapotranspiração de referência e das culturas, possibilitando a aplicação da água no momento e na quantidade certa, ou seja, a realização do manejo racional da água.

Também no Dia Internacional da Água a revista Globo Rural publica dicas para economizar na irrigação e afirma que o "Brasil pode produzir mais com baixo consumo", detalhada na edição de março da Globo Rural. Tanto no site como na revista, a Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira também está presente com o software SMAI 2.0. Escreve o site: "Evapotranspiração: antes de acionar a irrigação é importante calcular a evapotranspiração de cada cultura, diariamente. Com isso é possível saber o volume exato de água que deve ser recolocado no campo. Para conhecer o valor é preciso medir as chuvas e a temperatura na área de cultivo todos os dias. A Universidade Estadual Paulista (Unesp) disponibiliza um aplicativo que pode ajudar: clima.feis.unesp.br/smai".

SAP Forum
No dia 18 de março de 2015 também participamos do SAP Forum 2015, o maior evento da SAP no Brasil, com intensa participação de colaborados e clientes. Nos interessou muito a solução desenvolvida de integração entre imagens captadas por drones e o banco de dados de modo a otimizar a produção agrícola.


Aulas - Manejando e projetando os sistemas de irrigação
Nas aulas passadas desenvolvemos o tema manejo da irrigação via atmosfera, onde conceitos como evapotranspiração de referência e da cultura, coeficiente de cultura, CAD, água disponível, reserva de água no solo, umidade crítica,velocidade de deslocamento, lâmina aplicada, entre outros, foram ensinados. Todas estas informações podem ser aprofundadas através da centena de exercícios disponibilizados em nosso canal "Atividades Acadêmicas" e também no Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira onde além de dados climáticos e a evapotranspiração de referência, é possível fazer download do software SMAI, que possibilita ao usuário que disponha de apenas os variáveis climáticas, calcular a evapotranspiração de referência.

Todo programa de manejo da irrigação começa com a avaliação da uniformidade da irrigação em campo e discutimos em sala de aula as diferenças na avaliação em campo entre a irrigação por aspersão e a localizada e ainda sobre a maior dificuldade e custos de avaliação e readequação de um campo de golf, que exigiria investimentos altos. Após a avaliação e melhorando o desempenho dos sistemas de irrigação temos os seguintes benefícios tais como: Melhoria da eficiência da aplicação da água, Aumento da produtividade, Aumento do lucro, Melhoria da qualidade da água, Diminuição do total da água aplicada, Diminuição da energia utilizada, Diminuição dos nutrientes e defensivos lixiviados, Diminuição do escorrimento da água e da erosão e Redução das doenças nas plantas. O artigo "Caracterização hidráulica de gotejadores em condição superficial e subsuperficial" é um ótimo exemplo de avaliação de sistemas de irrigação, com uma metodologia bem descrita.

Vários órgãos e Instituições utilizam os Laboratórios Móveis para avaliação dos sistemas de irrigação na propriedade. Por exemplo, na Florida, Estados Unidos, o Laboratório Móvil de Irrigação (Mobile Irrigation Lab - MIL) foi implantado em janeiro de 1999 com o objetivo de promover a conservação da água e energia através da melhoria da eficiência dos sistemas de irrigação, para promover a melhoria da qualidade da água minimizando a lixiviação dos nutrientes além da zona radicular mantendo-os entre as raizes para a melhor absorção, para promover a sustentabilidade da agricultura através da redução dos custos de produção, através da redução dos gastos com energia e fertilizantes e o aumento da produtividade das culturas. Veja quantos são e onde estão baseados. Sugerimos a leitura dos artigos que avaliaram o desempenho dos sistemas de irrigação na MBH do Córrego do Coqueiro e do Três Barras e entendam a importância de se conhecer a capacidade e qualidade da aplicação de água dos sistemas de irrigação.

Em aulas reforçamos o manejo da irrigação, onde conceitos como evapotranspiração de referência e da cultura, coeficiente de cultura, CAD, água disponível, reserva de água no solo, umidade crítica,velocidade de deslocamento, lâmina aplicada, entre outros, foram ensinados. Em relação ao manejo da irrigação via solo há a necessidade de se medir a umidade no solo e a partir daí chegar ao total de água armazenado na faixa que representa a profundidade efetiva do sistema radicular. Para tanto a curva de retenção de água no solo é fundamental e o modelo de Genucthen (1980) é muito útil para trabalharmos matematicamente estes dados e Dourado Neto et al (2000) escreveram o software SWRC que nos ajuda muito na modelagem, na busca pelos parâmetros do modelo e com estes dados podemos também construir com este conhecimento, o tensiômetro de faixa, ou "semáforo". Os livros-textos (didáticos), bem como os softwares e sítios para os temas abordados estão disponíveis no canal "Atividades Acadêmicas - Bibliografia" no canal da Área de hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira.
Tensiômetro monitorando a umidade do solo cultivado com grama e citros no entorno do LHI.


Consideramos o maior de todos os desafios é a implantação do manejo da irrigação pelo irrigante, exatamente por demandar conhecimento técnico e prática diária de coleta de informação e cálculos para a tomada de decisão. Trata-se de um grande desafio em qualquer lugar do mundo em que se use a irrigação para garantir as elevadas produtividades. Veja alguns exemplos de eventos para treinar e disseminar o conhecimento neste tema na Nova Zelândia (1) e Estados Unidos (Oregon, Maryland). Mas assista também o depoimento de irrigante no Perímetro Baixo Acaraú no Ceará e os cuidados com os tensiômetros para o manejo da irrigação. A previsão do tempo é uma ferramenta importante e deve ser utilizada em conjunto para decidir o início da irrigação. Vários serviços estão disponíveis, o Forecast é apenas mais um exemplo!

Sobreposição é o princípio do método de aspersão.

Todas estas informações podem ser aprofundadas através da centena de exercícios disponibilizados em nosso canal "Atividades Acadêmicas". No canal do Youtube, há ótimos videos produzidos pela nossa equipe de Extensão. Confira o "Cuidados para se ter projetos adequados de irrigação", "Escolha da tarifa de energia elétrica para irrigação: estudos de caso" e "Pivô central irrigando soja". Estamos convictos que com tanto material de referência, aulas bem ilustradas em sala e em campo, somente não aprende, quem não desejar, porque são inúmeras as oportunidades adicionais além das aulas semanais.

De autoria do nosso colega Edmar Scaloppi em Botucatu temos "Sistemas de irrigação alternativos de baixo custo", onde apresenta de forma didática e ilustrada os passos para a implantação de três sistemas de irrigação de baixo custo: por sulcos, por aspersão convencional e por gotejamento e "Elaboração de Projetos de Irrigação" da Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica é um livro conceitual ótimo. Irrigação localizada e aspersão, Sistemas de irrigação para todos os fins, Qualidade da água e os riscos ao sistema de irrigação e Balanço hídrico como instrumento de gestão no noroeste paulista são textos também recomendados e temos, além das aulas e da bibliografia da disciplina - nada deve substituir os livros textos recomendados - várias mídias de apoio que complementam os livros e são baseadas na Internet.

Ainda sobre aspersão recomendamos assistir alguns videos que tratam dos emissores e manutenção de sistemas por aspersão: Spray sprinklers to MP Rotator retrofit: Convert your standard sprinklers to efficient MP Rotators, Pressure Regulating Spray Head Demonstration e Hunter's MP Rotator Product Guide, este último muito legal para entender como a água é distribuída e se infiltra ao solo. Para fazer o cálculo da evapotranspiração, deve-se levar em consideração fatores como temperatura, vento, umidade relativa, radiação solar e velocidade do vento. Desta forma, consegue definir como os aspersores devem se comportar, fazendo com que entreguem a quantidade de água certa para cada ponto do campo.

Agricultura irrigada

Projetos e estratégias de parcerias e ações entre o Estado Goiás e o governo federal como missões comerciais entra na agenda do desenvolvimento, como o da viabilização - e superação de entraves jurídicos - do Projeto de Irrigação de Três Barras, no município de Cristalina. Um dos pontos centrais é a destinação dos equipamentos para irrigação que estão sob custódia do Estado de Goiás e que beneficiará várias famílias de pequenos produtores assentados pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Cristalina. Se viabilizado, o programa de irrigação mecânica permitirá a produção agrícola durante todo o ano e não apenas nos meses com chuvas. “Inclusive já foi criada a Associação de Irrigantes em Cristalina”, acrescenta Antônio Flávio. A agricultura familiar na região daquele assentamento é referência no plantio de café, soja, feijão, inhame e frutas, como manga, abacaxi, maracujá, limão e laranja.


Cana

Nenhum comentário:

Postar um comentário