Aula NOVE - Qualidade da água


Qualidade da água
Tanto a disponibilidade ou vazão, como a qualidade da água encontrada dependem de como tratamos o solo na bacia hidrográfica, que é a região delimitada por divisores de água, que são os pontos mais altos do terreno. Ausência de conservação do solo, que envolve, por exemplo, terraceamento, cobertura do solo, presença de matas ciliares, causa erosão e com as chuvas, resulta em assoreamento dos córregos e rios, e como isso afeta diretamente a qualidade da água que pode ser classificada em fatores físicos, químicos e biológicos e pode afetar o homem, a cultura de interesse ou os equipamentos de irrigação. Conforme o interesse pelo uso da água, cada elemento assume importância diferente. No caso da irrigação, os principais problemas decorrentes de uma água de má qualidade estão relacionados com a obstrução física de equipamentos, contaminação de alimentos e toxicidade iônica específica, popularmente chamada de “queima” das plantas.

Entre os fatores biológicos os coliformes provenientes de instalações industriais e esgotos urbanos e plantas aquáticas são as principais preocupações para o irrigante. Dentre os fatores físicos, os sólidos em suspensão e areia na água causam principalmente desgaste nos equipamentos. Uma concentração de ferro total na água superior a 0,75 mg/litro é a principal preocupação quando utilizamos sistemas de irrigação localizada, tanto no gotejamento como na microaspersão, sódio é um problema mais comum na regiões semi-áridas e “águas duras” com elevada concentração de cálcio e magnésio podem trazem entupimento de gotejadores. Estes são fatores químicos. Qualidade da água e seus efeitos sobre os sistemas de irrigação é bem abordado no livro de Nakayama e Bucks (1986). UCKER et al (2013) fizeram uma boa revisão sobre os elementos interferentes na qualidade da água para irrigação.

Nas aulas da semana analisamos cada característica acima e como afetam o desempenho dos sistemas de irrigação, os cultivos e o homem. Também vimos as estruturas de filtragem que compõem um cabeçal de controle, um reservatório intermediário ou ainda um canal de decantação. Utilizamos na aula prática um módulo completo de filtragem, composto por filtros hidrociclônico, de areia e de discos ou malhas como elemento filtrante. Também conhecemos os elementos que compõem o bombeamento, ou seja, o crivo, a válvula de pé, o mangote, vacuômetro, registro de gaveta, manômetro, tubulação de PVC e suas conexões e por fim o tubo de subida (com válvula) e o aspersor. Assim, conhecemos qual a função de cada elemento filtrante, a ordem em que devem ser instalados e ainda entendemos e praticamos a limpeza dos filtros de areia, prática chamada de retrolavagem,

A estação chuvosa traz a água tão necessária à vida, mas também em muitos locais deixa mais erosão e assoreamento, e uma coisa é certa, se desejamos contar com abundância de água e de qualidade, devemos nos preocupar mais com a conservação do solo, realizando em vários níveis, ações para protegê-lo. Consulte também ANA (2005), AYERS e WESTCOT (1985), CARVALHO et al (2000) e CRUCIANI (1980). Veja a ilustração das fontes difusas de contaminação da água (1), dos aquíferos confinados e das recargas dos mananciais e intrusão salina.

Alguns dos nossos artigos sobre o monitoramento da qualidade da água e a vazão em bacias hidrográficas de interesse sócio-econômico no noroeste paulista e também na região do chamado Bolsão Sul Matogrossense são: Qualidade da água do córrego do cedro para fins de irrigação na produção de alimentos consumidos in-natura, Uso do solo e monitoramento dos recursos hídricos no córrego do Ipê, Ilha Solteira (SP), Qualidade de água na microbacia do Coqueiro no noroeste do Estado de São Paulo, Qualidade da água para uso em Irrigação na Microbacia do Córrego do Cinturão Verde, Município de Ilha Solteira, Análise dos Riscos à Sistemas de Irrigação causados pela qualidade da água do Córrego do Coqueiro, Influência da precipitação na qualidade da água para fins de irrigação na microbacia do córrego do Ipê em Ilha Solteira e Influência do uso e ocupação do solo na qualidade de água para fins de irrigação no Córrego do Ipê, noroeste do Estado de São Paulo. Confira esses e outros artigos publicados pela AHI, que monitora microbacias de importância sócio-econômica no noroeste paulista, como a do Cinturão Verde, do Ipê, do Boi, do Três Barras e do Coqueiro. Confira também mais um exemplo de monitoramento da água, neste caso no rio Acaraú, em Ubatuba.

A água da chuva que cai sobre o Laboratório de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira é captada e direcionada para dois grandes reservatórios e é esta água que usamos nas aulas práticas e para manter verde o gramado do entorno do LHI através dos sistemas de irrigação instalados com diferentes aspersores, também base base para as nossas aulas. Um video ilustra sobre o aproveitamento da água das chuvas é o "Águas de Holambra", ideia que deveria ser mais copiada. Apesar de grande usuários de água, os irrigantes investiram na segurança hídrica. É fato que "a água não pode ser um fator limitante quando você tem culturas intensivas como verduras ou flores, assim por diante. Então o esquema é você ficar menos dependente, criar um sistema que você seja independente da água da chuva, de córregos ou do lençol freático...", como é mostrado no video.

Filtragem - Novo livro a disposição
Roberto Testezlaf é um dos gigantes da irrigação. Fez carreira na Unicamp onde é Professor Titular e publicou o manual "Filtros de Areia na Irrigação Localizada" que já é uma referência para o setor, pois traz a público 56 páginas que consolida anos de pesquisa em sistemas de filtragem, onde a teoria encontrou a prática e dessa união teremos a oportunidade de operar de forma mais eficiente nossos sistemas de irrigação. Foi Testezlaf que em julho de 1987 como Gerente Regional da ABID nos franqueou um estágio na Codevasf e proporcionou as condições para que eu acreditasse no potencial da agricultura irrigada e me apaixonasse por esta área do conhecimento. Acostumado a ser avaliado por ele, ao longo da carreira também tive a oportunidade de avaliá-lo em vários momentos e assim, o parabenizo pelo trabalho e por este livro, além de agradecer o Roberto pela amizade e dizer que não gostamos da ideia de se aposentar. É um grande Irmão! A Biblioteca da UNESP Ilha Solteira já conta com este livro, por doação do próprio Autor!


Mais sobre água
Sensibilização sobre rios invisíveis é tema do PodAcqua Unesp e para cada ponto de enchente em São Paulo, há um rio escondido, afirma geógrafo paulistano Luiz de Campos Júnior. O PodAcqua Unesp é um Podcast semanal voltado para gestão responsável dos recursos hídricos. O Pod Acqua é mais um canal de comunicação oferecido pela UNESP para a disseminação do conhecimento em ligado aos recursos hídricos. Neste canal, o ouvinte conhece um pouco do trabalho de pesquisadores dedicados ao tema que será, sem dúvida, um dos protagonistas deste século: a água. O PodAcqua traz trechos de entrevistas com especialistas da Unesp e de outras instituições, nas mais diferentes áreas do conhecimento, com atenção especialmente voltada à gestão responsável dos recursos hídricos.


Na busca pela água, várias obras de engenharia foram necessárias para desenvolver regiões e foram exemplificadas em aula. E quando se fala de recursos hídricos para se iniciar uma obra, 5 "engenharias" devem ser levadas em consideração: Técnica, Financeira, Ambiental, Institucional e Política. Conheça o Sistema Cantareira.

A Lei 9.433/97, de 8 de janeiro de 1997, chamada Lei das Águas, instituiu a Política Nacional de Recursos Hídricos, criou o SNGRH (Conselho Nacional, Estadual, Comitês de Bacias, Agências de Águas, ANA) e instituiu cinco instrumentos de gestão para atingir os objetivos da PNRH que são: Outorga, Cobrança, Plano de Recursos Hídricos, Enquadramento dos corpos d´água em classes de uso preponderante e o Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos. Joaquim Shiraishi Neto faz comentários interessantes sobre a Lei das Águas. O Comitê e a Agência de Bacias do PCJ são ótimos exemplos de gestão dos recursos hídricos, que inclui um componente de comunicação muito forte, como exemplo há a TV PCJ, que disponibiliza inúmeros videos sobre a gestão dos recursos hídricos. Minas Gerais dá exemplo e construiu um banco de dados - Atlas Digital das Águas de Minas Gerais - que comporta as regiões irrigadas no país, formado por meio de uma análise que durou duas décadas, trazendo demandas, vazões específicas. Por meio de acesso online é possível analisar a situação das áreas onde há conflito de obtenção do abastecimento de água e qualquer pessoa pode ter acesso por meio da localização geográfica pelo sistema de GPS, em um trabalho realmente muito bom.




Em "Atividades Acadêmicas" há Catálogos Técnicos a disposição para o melhor entendimento deste assunto. Também há a aula prática com registro fotográfico e os dados coletados em campo. Na Fan Page da AHI no Facebook também registramos alguns momentos das nossas aulas, bem como em nosso álbum Aulas Práticas no Facebook.

Pod Irrigar
O convidado do [Pod Irrigar] desta semana foi Engenheiro Agrônomo Rodrigo Vieira da Codevasf que relata detalhes do projeto finalista do Prêmio ANA 2014 que promoveu o aumento da eficiência do uso da água em perímetros irrigados. Rodrigo também em entrevista divulga os cursos da ANA - Inovagri e defende o trabalho que vem fazendo de conversão de perímetros irrigados, que utilizavam a irrigação por superfície para métodos pressurizados, com captação individual de água.

Agricultura Irrigada - Agronegócios - Cana
Agricultores que irrigam com água do Rio São Francisco recebem curso para evitar gastos em ação da ANA - Inovagri que ganhou destaque na TV.

Chefes do Executivo de GO, PR e SP participaram do Ethanol Summit e prometem avanços pelo etanol. As diferenças tributárias em favor do etanol estão entre as promessas dos governadores Marcone Perillo (Goiás), Beto Richa (Paraná) e Geraldo Alckmin (São Paulo) pelo setor sucroenergético. Os três participaram de rodada de discussões no Ethanol Summit em 07 de julho de 2015. “Previsibilidade e planejamento atrairão investimentos para o setor sucroenergético, mas cabe ao governo federal saber qual será o papel do etanol na matriz de combustíveis, qual a participação da bioeletricidade na matriz energética”, disse Alckmin. “No Estado de São Paulo, em razão da queda de investimentos, o que fazemos, através do Instituto Agronômico (IAC), do governo estadual, é fornecer mudas pré-brotadas, em nome do ganho de produtividade”, exemplificou.

Chuva melhora produção de cana, mas ameaça esmagamento no centro-sul, diz Raízen. A produção dos canaviais do centro-sul do Brasil poderá ficar acima do esperado na atual safra 2015/16, superando 600 milhões de toneladas, com a ajuda do inverno chuvoso, mas se as precipitações persistirem nas próximas semanas nem todo o volume de cana seria processado nesta temporada, disse à Reuters o diretor operacional da Raízen, maior produtora de açúcar e etanol do mundo, Pedro Mizutani. Para o diretor técnico da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues, “o crescimento do consumo reflete a atratividade econômica do biocombustível na maior parte do mercado consumidor e reforça a expectativa de uma safra mais alcooleira”. A maior demanda por etanol hidratado também ampliou as transferências do produto do Centro-Sul para as regiões Norte e Nordeste em junho, acrescentou. O volume de cana-de-açúcar processado pelas usinas e destilarias da região Centro-Sul alcançou 46,5 milhões de toneladas na segunda metade de junho, alta de 5,33% no comparativo com a mesma quinzena de 2014 (44,14 milhões de toneladas). No acumulado mensal, a moagem somou 86,00 milhões de toneladas, frente a 85,68 milhões de toneladas verificadas em junho do ano anterior.



Infra estrutura - logística

Negócios - Dica de leitura e de video

Nas aulas de Armazenamento esta semana falamos um pouco do efeito perverso da inflação e brincamos que nossos alunos de hoje não conseguem imaginar como seria/foi uma inflação de 70%, que já tivemos no passado. Mauro Calil na Exame explica muito bem como a inflação prejudica a todos. Também demos como sugestão de filme "Trabalho Interno", em que critica o paper das agencias reguladoras. Aqui uma das resenhas sobre o filme.

Comunicação - Futuro do país - Para pensar

Ana Estela de Sousa Pinto analisa o Brasil de hoje com uma analogia ótima em "Corra, Dilma, corra".

Nenhum comentário:

Postar um comentário