Aula ONZE: Aulas - Sistemas de irrigação para todos os fins

"É injusto, e de perversas consequências acadêmicas, que professores e pesquisadores das universidades estaduais paulistas, responsáveis por cerca da metade da produção científica nacional, sejam discriminados por desníveis no teto entre os funcionários de outros Poderes, de outros Estados e das instâncias federais. Esses docentes são justamente os que têm maior experiência e que assumem, em grande parte, as tarefas acadêmicas e administrativas mais complexas da universidade. Se quisermos preservar a qualidade tão duramente conquistada de nosso ensino superior paulista, é urgente que se aprove uma emenda constitucional colocando o funcionalismo público de São Paulo em situação similar à do funcionalismo público de 19 Estados brasileiros. Se a proposta é discutir as imensas desigualdades de remuneração na sociedade brasileira, que isso seja feito seriamente. É injusto tomar como bodes expiatórios os professores das universidades estaduais paulistas, que constituem o exemplo de maior sucesso na educação e produção científica brasileira." (Oswaldo Baffa Filho, Marcelo Ridenti e Marcos Del Roio, Folha de São Paulo, 26 de julho de 2015, p.A.3)

Aulas - Sistemas de irrigação para todos os fins
Nas nossas últimas aulas da disciplina de Irrigação e Drenagem estamos tratando dos métodos e sistemas de irrigação, ainda que já passamos por todos os métodos, o destaque até o momento está para a aspersão com o pivô central, carretel enrolador e aspersão convencional. Os sistemas de irrigação por aspersão foram visualizados e explicados, com ênfase no pivô central, com a possibilidade de aprender mais, através da visualização em campo.


Há diferentes emissores no mercado e alguns deles podem ser melhor conferidos através dos seus catálogos, que inclui os emissores para irrigação localizada (as principais empresas, os conceitos hidráulicos de cada tipo de emissor), conheceram os conceitos do sistema, alta frequência, baixa vazão e pressão, além de como as propriedades físico-hídricas do solo interferem na escolha ou manejo de cada sistema de irrigação.
O pivô central foi construído primeiramente em 1948. Seu inventor, Frank L. Zybach, submeteu o invento para ser analisado e finalmente foi patenteado em 1952, no Colorado - Estados Unidos. O pivô girava acionado por mecanismos de pistões movidos hidraulicamente pela água. O inventor produziu unidades até 1954, quando vendeu os direitos de fabricação para empresa americana Valley. O sucesso da agricultura irrigada começa com um bom e adequado projeto de irrigação, mas é necessário efetuar manutenção em um equipamento tipo pivô central, composto de inúmeros mecanismos mecânicos e elétricos, seja preventiva ou corretiva. Atualmente no Brasil os principais fabricantes são: AsperbrásBauerFockinkIrrigabrásKrebsLindsay - ZimmaticRomeiraValmont - Valley. Para evitar problemas futuros e percalços que podem comprometer a esperada produtividade da safra recomenda-se a cada 2 anos verificar a vazão do conjunto moto-bomba, dos aspersores, pressão dos aspersores e a uniformidade de distribuição de água no sistema. Muitas fazendas contam com pivôs centrais, mais ainda é raro no Brasil com o sistema de "corner", ou seja, irrigam toda a área quadrada (12). 


Há uma grande diversidade de emissores no mercado, desde aspersores de impactos até os emissores mais modernos do mercado para a distribuição uniforme da água sobre o solo. Sobre pivô central veja mais no video institucional da Lindsay (12), leia também um pouco de história em "Making Circles into Squares" e "Corner system addition for a center pivot irrigation system". Em 2013 visitamos a região de produção de grãos em Minnesota onde muitas fazendas contam com pivôs centrais, a maior parte deles com o sistema de "corner", ou seja, irrigam toda a área quadrada (12) . Este sistema ainda é raro no Brasil, o investimento é muito alto ainda se comparado ao preço da terra. Lá em Minnesota muitos dos equipamentos são bastante antigos, mas ainda funcionam bem, pois há uma boa manutenção e a mecanização é total, é raro ver pessoas no campo. Há uma grande diversidade de emissores, desde aspersores de impactos até os emissores mais modernos do mercado para a distribuição uniforme da água sobre o solo.

Pivô central equipado com sistema "corner" e aproveitamento de toda área até a estrada. A grama tem a função de proteger a área de drenagem. 

Com a neve nos Estados Unidos, é possível apenas um plantio de grãos por ano e assim mesmo, os equipamentos de irrigação são utilizados em parte do ciclo, como logo após o plantio, o solo tem alta umidade e assim, os pivôs não são ligados, mas são essenciais para garantir altas produtividades e os fazendeiros investem em irrigação. Em várias regiões brasileiras, o déficit hídrico é maior que seis meses e ainda assim, a maioria dos produtores preferem arriscar com a sorte e esperar a chuva, ao invés de investir em sistemas de irrigação e trabalhar com segurança em 2,5 safras por ano.

Esta é a "esquina dos pivôs", com vários equipamentos.


Pivôs muito antigos usados em Minnesota, ainda usando aspersores de impacto. A manutenção frequente garante vida longa ao equipamento.

Mas com um déficit hídrico crescente, seja sazonal, ou por veranicos, há um aumento do interesse pelos sistemas de irrigação, como pode ser verificado a cada semana, com exemplos do bom uso em todos os Estados brasileiros e assim, é muito comum a dúvida sobre qual seria o melhor sistema de irrigação. A resposta não é tão simples, pois não existe um melhor sistema de irrigação e sim aquele que melhor se adapta às condições de solo, topografia, clima, cultura a ser irrigada e ainda disponibilidade financeira e para avaliar e escolher o melhor sistema de irrigação o interessado deve procurar um Engenheiro Agrônomo ou Agrícola que saberá reunir as informações técnicas necessárias para a melhor decisão. A UNESP Ilha Solteira em seus canais de comunicação oferece informações que pode ajudar na tomada de decisão sobre agricultura irrigada oferecendo conteúdo sobre como produzir alimentos com o uso da irrigação. Também no Pod Irrigar, que é o Pod Cast da agricultura irrigada, semanalmente há novas dicas de como melhor entender os processos envolvidos em agricultura irrigada.

Área de drenagem totalmente protegida, produção com pivô central com sistema "corner" para aproveitamento total da área e ainda o escoamento da produção direto na estrada asfaltada.

Na parte prática da aula montamos linhas de irrigação por aspersão semi-fixa, onde os alunos puderam manusear tubos de PVC com engate rápido, conhecer classe de pressão e diâmetro nominal, além de aspersores de impacto, bocal e ainda aprender sobre o lay-out dos sistemas, que podem ter disposição retangular, quadrada ou ainda triangular e com isso visualizar e discutir uniformidade da água aplicação da água a partir da sobreposição implantada. Também ligamos e desligamos o conjunto moto-bomba segundo as recomendações técnicas, quando o registro deve sempre estar fechado ao parti e desligar o motor.







Na parte prática da aula conhecemos os aspersores utilizados em irrigação paisagística e campos esportivos e aspersores de impacto e algumas características dos seus jatos tipo gear-drive (ou rotores)spray-head ou ainda os modernos MP Rotators (todos aspersores tipo pop-up). HunterFabrimar e Agropolo são os fabricantes do emissores visualizados em operação. No nosso canal no YouTube damos destaque para alguns emissores em operação. Confiram

Na Fan Page da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira há o álbum "Aulas Práticas" onde está o registro fotográfico de parte das aulas.

Profissionais da água - Capacitação - Recursos hídricos - Crise hídrica
Estamos em plena crise por água, assim, entender dos recursos hídricos e seus usos é fundamental. Para isso, capacitação constante é o que se precisa ter. Richard Allen durante o II Inovagri Internation Meeting faz um alerta aos estudantes. Disse - "To the Students attending: Thank you for attending this conference, Thank you for entering the field of irrigation engineering and technology, This is a very important field for feeding the world, This is a very enjoyable area of work: play in water, watch plants grow, be outside but also play with computers, You students are the future of water management and resources use: Do not be afraid to work in any area of irrigation, gronomy or engineering; Nothing is perfectly known (yet); Nothing is perfectly developed; Please, exercise integrity and good judgement with data and modeling and reporting". Concordo com tudo o que ele disse! E ele deve saber o que fala, é o profissional atualmente mais citado pelo Google Academic quando tema é evapotranspiração. Só o seu Boletim 56 (Allen et al, 1998) tem 10.997 citações no momento em que eu faço a consulta. Allen já esteve em Ilha Solteira, tivemos o privilégio de hospedá-lo em nossa residência e participou do projeto que resultou na instalação da Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista, que tem a sua parte visível o Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira.


I Debate Sobre a Crise Hídrica
Aconteceu em dia 22 de julho UNESP Ilha Solteira o I Debate Sobre a Crise Hídrica. Promovido pelo IEEE - WIE. Participamos juntamente com os Professores Carlos Alberto Canesin, Jefferson Oliveira e Edson Lazarini que atuou como Moderador. O objetivo de nossa participação foi motivar nossos alunos a transformar a crise em oportunidades profissionais. Foi uma ótima oportunidade para os presentes conhecerem visões distintas para o mesmo problema, qual seja a falta de água para diferentes atividades.



Recebemos alguns feedbacks de quem participou e os reproduzimos: "o evento foi de grande importância para todos os presentes, pois é algo que afeta a todos e cabe a nós, futuros profissionais criarmos maneiras de contornar o problema e inovar como citou o Professor Tangerino, tanto na área de irrigação, levando em conta a preservação das nascentes, na área de energia aplicando modos alternativos de geração de eletricidade, como as placas fotovoltáicas e na área de abastecimento urbano, planejando estruturas que melhor aproveitem o uso da água".



"Eu gostei bastante do formato do evento, acho adequado cada palestrante apresentar seus dados nivelando as informações e usar o debate no final para fechar as ideias". Outro estudante disse "gostei bastante, achei as apresentações bem dinâmicas e a platéia se mostrou participativa e realmente interessada. Gostei dos exemplos dados e da dinâmica como ocorreu o debate". 



Recebemos outras manifestações dos alunos, mas o importante é que não foi somente os professores que gostaram de estar presente e sim, o fato de que os alunos estiveram atentos para entender o problema vivido, desde a sua origem, até como conviver, mitigar ou superar o problema. Parabéns ao IEEE - WIE pela iniciativa de reunir profissionais de áreas diferentes para discutir esta crise que afeta a grande parte dos brasileiros e agradecemos o convite e a oportunidade.

Agenda - Próximas palestras



Notas

Outorga - Uso da água

Esgoto tratado favorece agricultura e poupa água para consumo, mostra estudo. Falta implantarmos em larga escala e colhermos mais alimentos e melhor uso da água.

Agricultura - Cana - Eucalipto - Bambu - Hortaliças
O setor sucroenergético nacional vem enfrentando um problema muito sério, afora a terrível crise financeira. Há uma crise na produtividade agrícola de seus canaviais. Desde a safra 2009/2010, quando o Brasil alcançou 81,6 t/ha de produtividade, ao lado de 86 t/ha da região Centro-Sul, tais números só fazem cair. Conheça tecnologias que podem aumentar a produtividade da cultura.




Teto salarial
Oswaldo Baffa Filho, Marcelo Ridenti e Marcos Del Roio no excelente artigo "Universidade estadual e teto salarial único" argumentam que é injusto que os professores das universidades paulistas sejam discriminados por desníveis no teto dos salários do funcionalismo público. Estou com eles e fica a sugestão para a leitura completa do artigo.

Infra estrutura

Capacitação - Gestão - Negócios - Marketing


Dicas

Nenhum comentário:

Postar um comentário