Abril se encerra com chuva acima da média e temperaturas baixas

Depois de mais da metade do mês com dias quentes e sem chuva, o mês de abril se encerra com dias de temperaturas baixas e precipitação acima da média esperada no Noroeste Paulista.

Na última semana de abril, a madrugada da ultima terça-feira (26) foi surpreendida, após 30 dias - com alguns municípios chegando até 44 dias - sem precipitação na maioria das cidades do Noroeste Paulista, a chuva chegou atingindo boa parte da região e as temperaturas vieram a cair.

Os únicos municípios que ficaram a baixo da média histórica foram Populina, Pereira Barreto (estação Santa Adélia) e Paranapuã que registram apenas 40%, 75% e 85% do esperado para o mês. Todos os outros municípios monitorados pela Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista, operada pela Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira ficaram a cima da média. Dentre os municípios que mais choveu, o destaque vai para Marinópolis em que de acordo com a média o esperado era de 43 milímetros e então registrou 75% a mais.

Quase toda a chuva foi registrada no dia 26 de abril, os municípios de Sud Mennucci, Itapura, Pereira Barreto e Ilha Solteira ultrapassaram a marca de 80 milímetros no dia. Assim a região atingiu o esperado para o mês e o Professor Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez, da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira destaca que "o volume de chuva registrado traz alívio para os agricultores pela recomposição do armazenamento de água no solo na profundidade ocupada pelo sistema radicular das culturas, ao mesmo tempo que garante um aumento do nível dos reservatórios e dá um alívio nos custos de produção, especialmente nas culturas de milho e feijão que estavam sendo irrigadas já há mais de um mês. Os Argisolos que predominam na região tem CAD - Capacidade de Água Disponível da ordem de 1,0 mm/cm de solo e assim, estas chuvas superiores a 40 mm garantem um otimo armazenamento de água até camadas mais profundas". 


Em comparação com o acumulado de chuva anual da média Histórica e até o mês de abril de 2016, o município de Sud Mennucci ultrapassa os 50% de chuva acumulada esperada para o ano todo e onde menos acumulou chuva é o município de Marinópolis, com apenas 34% do esperado para o período. 


O acumulado de chuva de janeiro a abril no ano de 2015 já é inferior em 5 dos 7 municípios monitorados pela Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista no ano de 2016 no mesmo período.


Depois de uma sequência de dias muito quentes que caracterizariam um abril com temperaturas acima da média histórica, o dia 28 registrou as menores temperatura na região Noroeste Paulista que chegou a 8 ºC aproximadamente em Ilha Solteira, Itapura e Marinópolis. Já a Sud Mennucci registrou a mais alta temperatura mínima na região, com apenas 11,1 ºC de acordo o Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira hospedado em http://clima.feis.unesp.br.


Comparando as temperatura minimas dos últimos 5 anos, o destaque vai para os municípios de Pereira Barreto e Sud Mennucci que ficaram mais de 2° C a menos em relação a alguns anos anteriores.


O mês de abril estava marcado por elevadas taxas de evapotranspiração, que associadas à até 44 dias sem chuvas exigiam o funcionamento pleno dos sistemas de irrigação para a garantir o suprimento de água ao solo e plantas e as produtividades desejadas. De taxas de evapotranspiração entre 4-5 mm, com as chuvas e a frente fria a região passou a registrar taxas entre 2 e 3 mm/dia conforme ilustrado no gráfico abaixo. Evapotranspiração é a perda de água por evaporação do solo e transpiração das plantas e que deve ser reposta por chuva ou irrigação para a garantia de produtividades que garantem a sustentabilidade do negócio de produção de alimentos.


No momento, nas áreas irrigadas no Noroeste Paulistas grande parte estão ocupadas com a culturas do milho na fase de pendoamento que favorece o aparecimento de doenças como ferrugem comum e mancha branca que causando grande prejuízo a lavoura, diminuindo sua produtividade. A mancha branca é considerada, atualmente, uma das principais doenças da cultura do milho no Brasil, estando presente em praticamente todas as regiões de plantio de milho no Brasil. As perdas na produção podem ser superiores a 60%.

Outra cultura bastante cultivada é o feijão que está recém plantado e são necessário cuidados para que não ocorra o aparecimento de antracnose e mofo branco, que causam queda das flores e frutos jovens, diminuindo o valor da produção ou até mesmo danos irreversíveis. A antracnose é uma das doenças de maior importância da cultura do feijoeiro, podendo causar perdas de até 100%. E uma doença cosmopolita, ocorrendo em locais de temperatura baixa a moderada e alta umidade. Por este motivo, é mais problemática em regiões de clima temperado e subtropical.

Monitoramento climático e apoio ao irrigante
O monitoramento agroclimatologógico da região Noroeste Paulista é feito pela Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira através da Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista, que tem no Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira (http://clima.feis.unesp.br) a sua parte visível e que faz a atualização dos dados coletados a cada cinco minutos. De forma livre e gratuita o Internauta pode ter acesso às informações agroclimatológicas, como por exemplo temperatura, umidade relativa, chuva, etc.

Aos irrigantes, através do conhecimento da evapotranspiração, que é a perda de água pelo processo de evaporação do solo e transpiração das folhas e que deve ser reposto ao solo pela chuva ou irrigação, é possível realizar o manejo da irrigação. Já aos pesquisadores, os registros dos clima nas estações fornecem uma base completa de dados agroclimatológicos, como radiação líquida, global e fotossintéticamente ativa, velocidade e direção do vento, pressão atmosférica, evaporação da água em superfícies livres e evapotranspiração por dois métodos, etc. Em relação às Seguradoras e Agências Ambientais, a chuva e a velocidade e direção do vento, por exemplo, podem servir de suporte para a comprovação dos efeitos de uma chuva ou ventania intensa ou até prover dados para estudos de dispersão de poluentes. 

O Internauta, a Imprensa e demais interessados podem receber informações climáticas e os resultados das pesquisas através do press-releases preparados pelos Bolsistas de Extensão. O cadastro deve ser feito em http://www.agr.feis.unesp.br/faleconosco.php


SERVIÇO:
- Informações sobre agricultura irrigada e agroclimatologia no noroeste paulista são publicadas regularmente BLOG da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira em http://irrigacao.blogspot.com
- Números e gráficos das estações agrometeorológicas no noroeste paulista estão em http://clima.feis.unesp.br
- Canal da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira: www.agr.feis.unesp.br/irrigacao.php
- Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira: http://clima.feis.unesp.br
- Pod IRRIGAR - O Pod Cast da Agricultura Irrigada: http://podcast.unesp.br/podirrigar
- Informações também em (018) 3743-1959

Nenhum comentário:

Postar um comentário