Quando a agricultura irrigada é destaque

"Mostraram que um campeão não nasce apenas dos louros do vencedor mas sim de cada etapa trilhada, de cada batalha enfrentada e, principalmente, da determinação de seguir em frente, com a tenacidade e o orgulho do caminho percorrido... Tudo isso porque adoro sonhar, principalmente quando sei que esse sonho pode se transformar em realidade... Desde já, agradeço a Zé Roberto e a Bernardinho por serem guerreiros corajosos e jamais desistirem diante das adversidades. Eles sim são grandes homens que orgulham o povo brasileiro." João Carlos Martins, Folha de São Paulo, 24 de agosto de 2016, página A.5.


[Pod Irrigar] - Obtendo o coeficiente de cultura em função dos Graus-Dia acumulado
Na edição de 31 de julho de 2016 do [Pod Irrigar] - o Podcast da Agricultura Irrigada o tema abordado do "Coeficientes de cultura - os Kcs - o que são e para que servem?" e sobre ele, um Internauta comentou que foi difícil de entender, "pesado hein", observou. Sim, o tema coeficientes de cultura é sempre recorrente e voltemos a ele para melhor compreensão. 
Para aplicar água na quantidade adequada para se obter a máxima produtividade devemos repor a água perdida para a atmosfera pelo processo de evapotranspiração, que é a transpiração das folhas e a evaporação da água no solo.
Fazemos isso com apenas uma multiplicação. Pegamos a evapotranspiração de referência obtida em estações agrometeorológicas e a multiplicamos pelo coeficiente de cultura - chamado de Kc - que indica a fase fenológica da cultura de interesse e estimamos a evapotranspiração da cultura, que é a quantidade de água transferida para a atmosfera e que devemos repor pela chuva ou irrigação para a máxima produtividade. O Kc obtemos em livros ou trabalhos técnicos e pode ter como base o número de dias após o plantio ou, para várias culturas, os Graus-dia acumulados até aquele momento e neste caso podemos usar uma equação.

Exemplos de coeficientes de cultura baseados no número de dias após a semeadura e em diferentes ciclos de milho e amendoim.

O cálculo dos Graus-dia acumulados é simples de se fazer, pois na estação agrometeorológica onde vamos buscar a evapotranspiração de referência haverá a disponibilidade da informação sobre a temperatura máxima do dia anterior, base para o cálculo. Então pegamos a temperatura máxima do dia anterior, subtraímos a temperatura basal, que por exemplo, no milho é 10ºC e o resultado somamos com os Graus-dia acumulados desde a semeadura e com o total, buscamos o Kc correspondente que será multiplicado pela a evapotranspiração de referência. Para a maioria das culturas o Kc varia entre 0,5 e 1,2, quando se tem a máxima demanda por água pelas culturas.

Imagine que uma lavoura de milho que ontem esteja no 40º dia após o plantio, cujo Kc é igual a 0,9  e a evapotranspiração de referência foi de 4,0 mm/dia, então, a evapotranspiração da cultura foi de 3,6 mm/dia, que na verdade é a lâmina líquida de irrigação, que é a quantidade de água que deve chegar ao solo. E a lâmina bruta a ser aplicada hoje seria a lâmina líquida dividida pela eficiência do sistema de irrigação, que em pivô central é de 85% e assim, 4,2 mm é a quantidade de água a ser aplicada hoje para repor o que consumido pela planta ontem.
Resumindo, Kc é a relação entre a evapotranspiração da cultura e a evapotranspiração de referência. Kc se obtém em tabelas e evapotranspiração de referência se obtém em estações agrometeorológicas e com estes elementos se tem a base para se realizar o manejo racional da irrigação via atmosfera.
Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira em clima.feis.unesp.br divulga para todo o Noroeste Paulista o valor da evapotranspiração de referência, e também se poderá acessar artigos técnicos científicos com os valores dos coeficientes de cultivos pesquisado pela UNESP.


Esse foi o tema que desenvolvemos esta semana no Pod Irrigar - o Pod Cast da Agricultura IrrigadaOuça também os anteriores.

Exemplo da evapotranspiração de referência no Noroeste Paulista.
Adubando, irrigando
Adubação bem-feita aumenta em até 4x lotação no pasto e sabendo planejar o manejo, produtor garante oferta de capim de qualidade para o gado e colhe também outras vantagens, informa Marina Salles. Já em 2005, "IRRIGAÇÃO E ADUBAÇÃO NITROGENADA EM CAPIM MOMBAÇA NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO" foi o titulo do trabalho apresentado pela UNESP no XV Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem, que mostrava a viabilidade de se irrigar e adubar pastagens. Água e adubo devem ser aplicados em quantidades diferentes ao longo dos meses do ano. E em 2006, o Professor Gelci da UNESP, em artigo assinado já defendia o uso da irrigação e adubação em pastagens.

SPIE Remote Sensing 2016
Encerramos hoje o envio das versões definitivas dos artigos que iremos apresentar em Edinburgo no final do mês de setembro. Participaremos do SPIE Remote Sensing 2016 com os seguintes trabalhos:
- Energy balance in the watershed of Ipê, Northwestern of São Paulo State, Brazil
- Evapotranspiration and biomass production acquired from Landsat 8 images in hydrological basins with growing irrigated areas in the northwest side of the São Paulo State, Brazil
- Annual variability of water productivity components in the watershed of Cabeceira Comprida stream, Santa Fé do Sul, Brazil
- Water productivity mapping using Landsat 8 satellite together with weather stations
Estes trabalhos são frutos da parceria entre a UNESP, Embrapa, Utah State University e Nebraska State University, que nasceu inicialmente com financiamento da FAPESP e FACEPE, que possibilitou a construção da Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista - base para todos os trabalhos - e conta hoje com recursos financeiros do CNPq e ANA.

Safra - Exportações - Armazenamento
Dados apontam para supersafra de grãos nos Estados Unidos. Os produtores brasileiros têm mesmo de se preparar para a supersafra de grãos nos Estados Unidos, e as consequências que ela vai trazer, principalmente sobre os preços, pois os dados de acompanhamento de safra do Usda (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) indicam que pelo menos 72% das lavouras de soja estão em condições boas e excelentes. Esse percentual é o maior em 24 anos para esse período do ano. A média dos últimos cinco anos é de 56%, informa Mauro Zafalon. Apesar da queda de preços, agronegócio exporta 25% mais e assim, o setor do agronegócio, apesar das dificuldades econômicas vividas pelo país, continua bem. Mesmo com a queda dos preços internacionais das commodities e de uma leve recuperação do real, as exportações deverão atingir novo recorde neste ano. As receitas do setor, devido à redução de preços de vários produtos, aumentaram apenas 4% no período, atingindo US$ 45 bilhões. A evolução das receitas em reais, no entanto, foi de 8%. Nos últimos 17 anos, o volume exportado pelo agronegócio cresceu 318% sinalizando novo recorde em termos de volume para 2016. Cálculos do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, mostram que, no primeiro semestre deste ano, a quantidade embarcada (medida pelo IVE-Agro/Cepea) cresceu 25% em relação ao mesmo período de 2015.

Colheita de café da safra 2016/17 está em 91% no Brasil, estima Safras & Mercado.

Carreira

Oportunidade de trabalho
Concurso em 10 prefeituras oferecem vagas para técnicos agrícolas e agrônomos. Confira detalhes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário