Chuva acumulada no mês de março fica abaixo da média histórica, mas acima da média do ano 2016

Alguns noticiários vem mostrando que o mês de março de 2017 na grande São Paulo foi considerado o mais seco dos últimos 8 anos. Porém, a situação no Noroeste Paulista é um pouco diferente da capital e o volume de chuva acumulada no mês de março de 2017 é maior que no mês de março do ano de 2016, mas fica abaixo da média histórica.

Depois do mês de janeiro ter chovido acima da média histórica em todas as estações da Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista monitorada pela Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha solteira e o mês de fevereiro se encerrar com chuvas abaixo da média histórica em toda a região, o mês de março finalizou com aproximadamente 10% de chuva a menos que a média histórica e em contrapartida, com 10% a mais que no ano de 2016, conforme apresenta o gráfico abaixo: 

Apenas os municípios de Itapura e Marinópolis ultrapassaram o volume de chuva acumulada, tanto na media histórica, quanto as chuvas de março do ano passado. Itapura encerrou o mês registrando 191 milímetros, 8% acima da média do município, já Marinópolis chegou a 194 milímetros com 30% a mais da média histórica e 65% a mais quando comparado ao ano de 2016.

Já no município de Ilha Solteira, a chuva ficou próximo da média histórica, porém 70 % a baixo em relação a chuva do mês de março em 2016. Em Paranapuã foi registrado 174 milímetros, o que significou 74 milímetros a menos quando comparado a média histórica, mas ao comparar com o ano de 2016, o acumulado é de 77 milímetros a mais. 

Em relação as temperaturas máximas do mês, março caracterizou-se pelas altas temperaturas na região Noroeste Paulista. Foram quase todos os dias registrando temperaturas máximas acima de 32° C, e o município com a maior média de temperatura foi o de Ilha Solteira com 33,6 º C.


A evapotranspiração média no mês de março variou entre 4,2 mm/dia em Itapura e 3,9 mm/dia em Populina, sendo que no dia 15 de março o maior registro da região foi em Marinópolis, atingindo 5,3 mm/dia.


A Evapotranspiração é a perda de água para a atmosfera por evaporação da água do solo e transpiração das folhas e que para máxima produtividade, deve ser reposta por chuva ou irrigação. A UNESP Ilha Solteira através do Canal CLIMA atualiza a cada hora o valor da evapotranspiração no Noroeste Paulista. De acordo com o Professor Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez, da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira, "com essas informações divulgadas pela UNESP os irrigantes da região podem aplicar água através dos sistemas de irrigação com elevada eficiência no processo de produção de alimentos. O manejo da irrigação, nada mais é que uma conta corrente, onde são calculadas as perdas de água pela evapotranspiração da cultura e as entradas de água pelas chuvas, se o resultado for favorável para a evapotranspiração, a reposição de água deve ser feita pelo sistema de irrigação e de posse deste resultado, se estima o tempo necessário para que o sistema de irrigação fique ligado para recompor o armazenamento de água no solo e garantir a máxima produtividade".


Conheça mais sobre a AHI da UNESP Ilha Solteira e interaja conosco a partir de:
Acompanhe todo o trabalho da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP de Ilha solteira a partir de:
Skype: equipe-lhi
Email: irriga@agr.feis.unesp.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário