Estudantes de Goiás visitam a UNESP Ilha Solteira


[PodIrrigar] - UNESP recebe alunos da Universidade de Rio Verde - Agricultura irrigada com foco no manejo da irrigação foi o objetivo da visita
A Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira dá atenção especial à extensão universitária, considerando-a fundamental para a melhor formação profissional dos alunos, pois através dela consegue unir a pesquisa e o ensino de forma prática desenvolvendo o chamado conhecimento tácito (A), aquele adquirido ao longo das experiências e vivências particulares de cada pessoa, uma vez que nossos alunos passam a interagir com a sociedade civil em suas atividades ou necessidades de forma direta.

Assim, são atividades classificadas como permanentes o monitoramento climático realizado através da Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista e a sua divulgação através do Canal Clima da UNESP e ainda, mantemos as portas do Laboratório de Hidráulica e Irrigação abertas para todos que desejam conhecer nossas instalações, como trabalhamos e ainda aprender mais sobre sobre a agricultura irrigada e as áreas correlatas, permitindo entender e aumentar a eficiência do uso da água na agricultura. Estas atividades permitem também colocar em prática a democratização do conhecimento e da informação, além de dar transparência às ações realizadas por nossa Equipe.


Neste propósito recebemos na UNESP nos dias 2 e 3 de junho, 26 estudantes de Engenharia Agronômica e Ambiental da UniRV - Universidade de Rio Verde - Goiás - coordenados pelo Prof. Dr. Gilmar Oliveira Santos que assistiram palestras e desenvolveram atividades práticas preparadas pelos nossos Orientados.

 

Coube a mim dar as boas vindas destacando a importância de uma formação técnica e profissional sólida e os valores defendidos, bem como operamos a comunicação na Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira de modo a atingir um público amplo e eclético.


Depois, nossos Orientados apresentaram em detalhes a Rede Agrometeorológica do Noroeste Paulista e o Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira, ensinando os visitantes como acessarem os dados e informações transmitidas. O funcionamento das estações automáticas e seus respectivos sensores foram observados na visita à Estação Agrometeorológica de Ilha Solteira e assim vivenciaram na prática todo o processo de coleta e disponibilização dos dados climáticos em tempo real para a sociedade, incluindo a evapotranspiração, necessária para se realizar o manejo correto da irrigação.



Também mostramos os seis canais de comunicação baseados na Internet que operamos e quais as métricas utilizadas para avaliar este trabalho de extensão universitária e de volta ao campo, ensinamos como fazer a avaliação dos sistemas de irrigação e a sua importância no aumento da produtividade e redução de custos operacionais, a operação do software SMAI - Sistema para Manejo da Irrigação - baseado na evapotranspiração, o manejo da irrigação via Solo e fechamos com a qualidade da água para irrigação.


Com mais esta visita, mais pessoas ficaram conhecendo nossas pesquisas e preocupações aqui na UNESP ligadas à agricultura irrigada e como lidamos com elas, ao mesmo tempo em que os nossos alunos, ao ensinarem, fortaleceram o aprendizado e assim, sem perceber, estão se tornando melhores profissionais e se qualificando para enfrentar o mercado de trabalho. Deste modo, é sempre um motivo de satisfação atender as demandas que nos chegam, pois temos a certeza de assim fazendo, estamos contribuindo para uma sociedade melhor.





Este foi o tema do [Pod Irrigar] em 9 de junho de 2017, e o Internauta também pode ouvir as outras dicas que estão disponíveis semanalmente a partir de http://podcast.unesp.br/podirrigar.


Água para todos - História da agricultura irrigada - Irrigação fazendo a diferença
Enquanto isso, houve vazamento no no canal da transposição do Rio São Francisco e o Ministério da Integração Nacional em nota oficial, diz que “Sobre o vazamento registrado na manhã deste sábado (10) em um trecho do canal do Eixo Leste do Projeto São Francisco, esclarecemos que o vazamento, que ocorreu próximo ao reservatório Copiti, entre Sertânia e Custódia (PE), já foi totalmente controlado. Não há nenhuma vítima e nenhuma casa de comunidades da região foi atingida, já que a água seguiu por um riacho até chegar ao rio Moxotó. Foram registrados apenas danos de pequenas proporções em cercas, estradas vicinais e bueiros. Ontem mesmo as equipes de programas ambientais do Projeto São Francisco foram mobilizadas para levantar os danos e programar a recuperação." (Video). 



Rio São Francisco: Captações serão suspensas. Como medida adicional para preservar os estoques de água nos reservatórios da bacia do rio São Francisco, a Agência Nacional de Águas, em articulação com os estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe, o Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco e usuários deve publicar uma resolução que institui o Dia do Rio, a partir do dia 21 de junho. Com a publicação da resolução, as captações realizadas em corpos d’água superficiais perenes de domínio da União na bacia hidrográfica do rio São Francisco serão suspensas todas as quartas-feiras. A medida inclui retiradas para todos os usos, inclusive perímetros de irrigação, mas exclui as captações para abastecimento humano e dessedentação animal, em conformidade com a Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei 9.433/97), que considera esses usos prioritários em casos de escassez. A suspensão também vale para as aplicações de água para irrigação, mesmo que oriundas de volumes reservados previamente ao Dia do Rio. Desde o início de junho, a vazão média diária de defluência, autorizada pela ANA, nos reservatórios de Sobradinho e Xingó é da ordem de 600 m³/s, o menor patamar já praticado. O último ano de precipitação acima da média na Bacia foi registado em 2011. Desde então, tem chovido abaixo da média. Em 11 de junho, o volume equivalente dos reservatórios (Três Marias, Sobradinho e Itaparica) era 18,6%. Na mesma época do ano passado, o volume útil equivalente armazenado era 29,21%. Saiba mais...

Agronegócios - Clima - Produção agropecuária - Safra





Informática - Modernização - Administração - Gestão
"Como se preparar para a agricultura digital" por Antonio Carlos e Guilherme Melo que acreditam que a digitalização deverá ser a próxima onda que possibilitará ganhos de eficiência e de escala no setor.


Sobre o uso da informática, Tatiana Trícia de Paiva Revoredo assina o artigo "A digitalização da sociedade: economia da Web no Brasil - Impactos e reflexos na sociedade atual"

"Casos de Ensino em Administração: A Morte Simbólica em Mudanças Organizacionais: o Caso do Banco do Brasil" é um excelente artigo de Ana Maria Roux César, especialmente pela detalhada e didática metodologia empregada.

Mata Atlântica

Nenhum comentário:

Postar um comentário