IoT a serviço da Irrigação

Há algum tempo nós vivemos conectados por meio da internet, mas agora começamos a ouvir falar em objetos conectados, que interagem e cooperam entre eles, criando novas aplicações ou serviços, e isso é possível devido a IoT, do inglês Internet of Things, para nós Internet das Coisas. O mercado da IoT tem despontado bastante na indústria, segurança, saúde e encontra-se em expansão nos centros agrícolas do mundo, incluindo no Brasil. Na agricultura, a Internet das Coisas pode ser empregada em toda cadeia de produção desde do plantio até a entrega dos alimentos, com isso otimizando as atividades agrícolas e diminuindo as perdas e desperdícios de alimentos.

Internet das coisas. Fonte: Google.
Em vista os cenários futuros, que mostram que o setor agrícola irá enfrentar enormes desafios, onde a previsão da FAO é que o planeta em 2050 necessitará de um aumento na produção de alimentos de 70% para alimentar 9 bilhões de pessoas, e que apesar da limitação de água, existe a necessidade de aumento da irrigação, já que 40% da produção mundial é resultante de áreas irrigadas que representam apenas 16% da área cultivada no mundo. Diante deste panorama, muitos países enfrentam o desafio de como manter todas as suas áreas irrigadas, e o Brasil segue na contramão, pois temos capacidade e precisamos aumentar nossas áreas irrigadas, sendo assim, seremos grandes responsáveis pelo aumento da produção mundial necessária até 2050.
Desta forma, ferramentas utilizando IoT serão indispensáveis para aprimorar a irrigação fazendo com que possamos receber e enviar informações conectando ferramentas, como por exemplo, sensores para manejo da água indicando quando e quanto se deve irrigar, sistemas de irrigação e bombas, estações agrometeorológicas, sensores que auxiliam no gerenciamento da energia, integração de dispositivos como  drones, VANTs (Veículo Aéreo Não Tripulado) e também imagens de satélites,  enfim uma infinidade de formas e benefícios, tudo de forma conectada permitindo guardar os dados na nuvem e automatizar as soluções ligadas a irrigação, fazendo assim com  que o produtor possa realizar uma “irrigação inteligente”.

Internet das coisas a serviço da agricultura. Fonte: Google.
O Pajaro Valley na Califórnia, é um exemplo que pode ser citado no âmbito da busca de soluções na IoT. Ao longo de uma década do uso intensivo da água os produtores viram seus poços secarem e a solução encontrada foi ferramentas na IoT, onde foram desenvolvidos sensores para medir em tempo real a tensão de água no solo, funcionando em rede de comunicação sem fio que através da internet permitiu aos produtores as tomadas  de decisão. Utilizando essa solução, a redução no consumo de água foi de 15 a 30%. Entretanto, um fator limitante encontrado, foi e é a relutância de muitos produtores na divulgação dos seus dados, sendo um dos maiores desafios a ser superado pelas soluções de tecnologia de informação na agricultura, pois isso limita a afirmação dessas novas ferramentas no mercado.
Por outro lado, no Brasil existem outros agravantes, a falta de preparo para uso dessas ferramentas e a infraestrutura dos nossos ambientes agrícolas, sendo desta forma, primordial políticas públicas que levem melhorias ao campo e também a difusão e capacitação dos agricultores para utilização dessas soluções.

SERVIÇO: 


- Informações sobre agricultura irrigada e agroclimatologia no noroeste paulista são publicadas regularmente BLOG da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira em http://irrigacao.blogspot.com
- Números e gráficos das estações agrometeorológicas no noroeste paulista estão em http://clima.feis.unesp.br
- Canal da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira: http://www.feis.unesp.br/irrigacao/
- Canal CLIMA da UNESP Ilha Solteira: http://clima.feis.unesp.br
- Pod IRRIGAR - O Pod Cast da Agricultura Irrigada: http://podcast.unesp.br/podirrigar
- Informações também em (018) 3743-1959 

Nenhum comentário:

Postar um comentário