São até 74 dias sem chuva no Noroeste Paulista - Seca é antecipada e fragiliza a produção de alimentos e energia

Produtor de Alimentos holandês faz homenagem ao Brasil no campo - Jacobus Derkis se mudou com os irmãos e os pais para o Brasil há 60 anos. Com culturas de inverno, ele transformou parte da sua área de cultivo numa bandeira gigante. Como disse: "resolvi plantar uma bandeira!" Iniciativa sensacional. Sensibilidade, reconhecimento, homenagem, planejamento, profissionalismo, tudo junto em um momento de festa mundial. Parabéns Família Derks! As plantas (cevada, canola, triticale e tremoço branco) foram escolhidas a dedo para dar o efeito desejado. Assista a reportagem! A bandeira está em sua fazenda, em Campos de Holambra, Distrito de Paranapanema. Com 530 mil metros quadrados - 860 m de comprimento por 640 de largura, o equivalente a 50 campos de futebol, essa pode ser a maior bandeira nacional do mundo. O engenheiro agrônomo responsável, Érik Krabbnborg, estudou para que cada semente crescesse no mês de junho, destacando as cores da bandeira nacional durante a Copa. O sonho de homenagear o país foi de Jacobus Derks, holandês naturalizado brasileiro, um grande admirador do nosso futebol e da nação que o acolheu. Do alto, é possível até a leitura do lema Ordem e Progresso. Ele homenageia também o agricultor brasileiro que a cada ano amplia o volume de produtos agrícolas no país.

[Pod Irrigar] - São até 74 dias sem chuva no Noroeste Paulista - Seca é antecipada e fragiliza a produção de alimentos e energia
A região Noroeste Paulista tem o histórico de apresentar um período seco frequente. Na média são 85 dias sem chuvas por ano, o que por si já exige investimentos em sistemas de irrigação para ter a sustentabilidade do negócio de produzir alimentos, mesmo chovendo em média 1264 mm por ano. Mas o problema muitas vezes não está no volume total de chuvas, mas sim, na dispersão ao longo do ano.
Este ano parece que está mais crítico! E está, mesmo com "apenas" 74 dias em média no Noroeste Paulista sem chuva! No ano passado, o período seco começou em 21 de junho e neste ano o período seco começou em 1o. de abril, com redução do volume esperado. Temos apenas em média 534 mm, dos esperados 727 mm, redução de 27%. Seca antecipada com menos chuva, o resultado é esperado: agropecuária sofre e quem investiu em sistemas de irrigação, eles garantem a sustentabilidade do negócio de se produzir alimentos o ano todo.


Predominante na região, as pastagens são encontradas em situação crítica, tanto para quem não exagerou na lotação dos animais, que  tem plantas altas, como se fosse um "feno em pé" e pior para aqueles que entraram no período seco com o pasto totalmente exaurido e terão dificuldades para recompor seus pastos, mesmo quando as chuvas chegarem.

Fonte: João Manetti Filho.

Fonte: José Ricardo Solfa.

Esperamos pela chuva ou pelos investimentos em sistemas de irrigação!

Fonte: André Breda.

Este foi o tema da edição de 15 de junho de 2018 do [Pod Irrigar] - o Podcast da Agricultura Irrigada -, mas o Internauta também pode ouvir as outras dicas que estão disponíveis semanalmente a partir de http://podcast.unesp.br/podirrigar.

 Foto: Ivan Oliveira.

 Foto: Ivan Oliveira.


 Foto: Willimberg Barreto.

Foto: Patrick Campos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário