Resumo - Aula 10 (Projetos)



Na última aula demos início aos projetos de irrigação, onde um bom projeto é caracterizado por possuir 5 aspectos: Aplicação uniforme da lâmina (limite de 10% na variação de vazão); bons materiais; boa montagem; conseguir pagar a conta da evapotranpiração; econômico (relação investimento x custeio).

O consumo de potência para irrigar pode variar de acordo com o sistema de irrigação de utilizamos, onde temos como extremos o gotejamento que consome em média 1,21 cv/ha, enquanto que a utilização do carretel consome em média 3,57 cv/ha (porém possui um menor investimento).

Na aspersão convencional podemos utilizar o sistema móvel (movimentação das linhas laterais e da linha principal), semi móvel (movimentação das linhas laterais) ou fixo. Um sistema fixo possui a vantagem de possuir menor utilização de mão de obra, além de permitir a completa automação do sistema, porém apresenta um investimento maior por ser necessário comprar todas as linhas laterais.

sistema semi-móvel

sistema fixo
Antes de iniciarmos a construção do nosso projeto de irrigação precisaremos de algumas informações:
- Cultura;
- Disponibilidade de água e energia;
- Tamanho da área a ser irrigada;
- Evapotranspiração de referência (ETo);
- Velocidade de infiltração base (VIB);
- Tipo de solo; 
- Tempo de operação. 

Também definimos que trabalharemos com aspersão semi-móvel. Após reunir estas informações poderemos dar início aos cálculos do nosso projeto. É importante ressalta que é essencial que o aluno possua uma boa base em Hidráulica para entender a lógica de raciocínio da construção de um projeto de irrigação, acompanhar as aulas, prestar atenção e anotar tudo o que o professor fala é a chave para o entendimento do dimensionamento de projetos.
1 - Lâmina do projeto
 
Primeiramente precisamos encontrar a capacidade de água disponível (CAD) = CAD (mm/cm) * profundidade efetiva do sist. radiculat (PESR)
Em seguida encontramos a água disponível (AD) ou lâmina líquida (LL) = CAD * Fator de Disp.
O fator de disp. pode ser encontrado no material disponibilizado referentes às aulas teóricas. (slide 562)
Para finalizar, minha Lâmina de Projeto = AD * Eficiência do sistema (0,85 para aspersão convencional).

2 - Turno de rega
TR = Lâmina líquida (LL) /  Evapotranspiração da cultura (ETc)
O ETc é encontrado pela multiplicação da ETo pelo Kc.
3 - Escolha do emissor
Deve atender ao seguinte critério: Precipitação do emissor (aspersor) precisa ser menor que a VIB. Não atendendo este critério temos o escoamento superficial, que é indesejável.
O número de aspersores vai ser definido pelo comprimento disponível na área dividida pelo espaçamento entre aspersores.
4 - Dimensionamento da linha lateral
  
Seu comprimento vai ser encontrado por: 1/2 espaçamento + (n-1) * espaçamento entre aspersores. Sendo "n" o número de aspersores na linha lateral.
Em seguida escolhe-se o diâmetro do tubo que atenda o seguinte critério:
- A perda de carga (Hf) deve ser menor ou igual a 20% da pressão de serviço.
- A variação de vazão precisa ser menor que 10% entre o primeiro e o último aspersor.
Para encontrar a pressão de entrada na linha lateral (PeLL) = Pressão de serviço do aspersor + 3/4 da Hf + Altura do tubo que vai sustentar o aspersor.
5 - Dimensionamento da linha principal
O comprimento é encontrado da mesma forma que a linha lateral, devendo-se atentar somente ao espaçamento, que é entre linhas e não entre aspersores. Não devemos esquecer de somar a distância da área irrigada até a motobomba. Devemos lembrar que para trabalhar com duas mais linhas simultaneamente devemos manter o sistema em equilíbrio, ou seja, com uma linha subindo e outra descendo.


nº de posições = comprimento da área / espaçamento entre linhas.
Tempo por posição = lâmina de projeto / precipitação do aspersor.
n° de posições que consigo fazer em um dia = tempo de irrigação / tempo por posição.
 Com essas informações é possível saber se consigo irrigar a área inteira no dentro o Turno de rega que encontrei no item 2.
 Devemos em seguida encontrar a perda de carga na linha principal. Encontramos o diâmetro da linha principal considerando o seguinte critério: a velocidade na linha principal precisa ser menor ou igual a 2 m/s.

6 - Altura de recalque
Encontrado pela seguinte fórmula:

Hr = (PeLL + Hf da linha principal + DN)*1,05 (perda de carga localizada)

DN -
desnível entre a  bomba e o ponto mais alto da linha principal.


Existem detalhes dentro do projeto que necessitam de um pouco mais de detalhamento e atenção, então se você ficou com dúvida, não deixe acumular, apareça nas monitorias.
Vale ressaltar que ainda existem alguns procedimentos que ainda serão feitos para a conclusão do projeto, como calcular a altura manométrica de sucção, altura manométrica total, lista de materiais, realizar memorial descritivo, etc. Os mesmos serão vistos nas próximas aulas.
Fique à vontade deixando seu comentário sobre o que você está achando desses resumos e do nosso trabalho abordando os assuntos relacionados à disciplina de Irrigação e Drenagem da UNESP de Ilha Solteira. 

Dúvidas?  Sugestões?
Ter seu feedback é muito importante para trabalharmos no aprimoramento de nossos conteúdos.

Aqui você encontra os outros resumos deste semestre.
Acompanhe todo o trabalho da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP de Ilha solteira a partir de:
Skype: equipe-lhi
Email: irriga@agr.feis.unesp.br
Irriga-L: http://www.agr.feis.unesp.br/irriga-l.php 



Nenhum comentário:

Postar um comentário