Resumo - Aula Catorze (Irrigação localizada - parte 2)



Na última aula continuamos a trabalhar nosso projeto de microaspersão, onde tinhamos finalizado o dimensionamento da linha de derivação. Para concluir o projeto ficou faltando quatro itens:

8 - Dimensionamento da linha principal
9 - Dimensionamento da sucção
10 - Escolha do conjunto motobomba
11 - Listagem de materiais


8 - Dimensionamento da linha principal

É feito calculando a perda de carga da linha secundária e a perda de carga da linha principal, utilizando a fórmula de Hazen Willians (diâmetros superiores a 2"). Lembrando que o critério da linha linha principal é: velocidade de passagem de água menor ou igual a 2 m/s.

Encontrando a perda de carga, precisamos adicionar o desnível do ponto mais baixo (motobomba) até o ponto mais alto (início da linha secundária).

Somando pressão de entrada na linha lateral (Pell) mais as perdas de carga da linha principal e linha secundário mais a diferença de nível, encontramos a altura manométrica de recalque (Hs).

Hr = Pell + Hf.ls + Hf.lp + DN


9 - Dimensionamento da linha de sucção

Feito da mesma forma que no projeto de aspersão. Primeiramente calculamos a perda de carga na sucção e somamos o desnível entre a motobomba e o ponto de captação. Com a soma desses dois valores encontramos a altura manométrica de sucção (Hr).

Hs = Hf.s + DN

Layout de um projeto de microaspersão feito via Excel

10 - Escolha do conjunto motobomba.

Para encontrar o conjunto motobomba precisamos da vazão do nosso projeto (já encontrado), e a altura manométrica total (H).

H = (Hs + Hr)*1,05

Aqui você encontra os principais catalogos e marcas de motobomba.

11 - Listagem de materiais
Para melhor organização deve ser feita seguindo o passo a passo do dimensionamento. Ex:

 linha lateral
- 2.040 Microaspersores AMANCO bailarina azul, bocal preto, anti-inseto, protetor de caule.
- 2.040 Hastes para microaspersor.
- 7.888 m Tubos de PELBD 1630 DN 35 PN 20
- 136 Início de linha Tubo PELBD 16 mm.
- 136 Fim de linha 16 mm
- 136 chulinhas 16mm

linha de derivação
- 192 m Tubos PVC PN 40 DN 35
- 204 m Tubos PVC PN 40 DN 75
- 4 reduções PVC DN 75 → DN 35
- 4 curvas longas PVC DN 75


linha secundária
...

Materiais didáticos sobre as aulas e projetos de irrigação podem sem obtidos aqui no Canal da IRRIGAÇÃO

Na aula do período da tarde conversamos um pouco sobre a irrigação de parques e jardins, onde existe uma maior complexidade de cálculos devido a falta de padronização nos pontos onde se localizam os aspersores.

Irrigação em jardins

Também entramos nos assunto "avaliação dos sistemas de irrigação", onde respondemos a seguinte pergunta: Por quê eu preciso avaliar?
A resposta desta pergunta precisa estar bem clara para o irrigante, principalmente para aquele que trabalha com quimigação. Ter dados quantitativos e qualitativos vão influenciar diretamente sobre o manejo da irrigação e na quantiade de adubo ou pesticida que preciso injetar no meu sistema.
Mesmo repondo a água perdida pela evapotranspiração, ter uniformidade ou não na aplicação vai influenciar diretamente na produtividade e consequentemente no bolso do irrigante.

A esquerda uma situação onde não tenho diferença quando entrego 30% ETo de forma desuniforme ou uniforme. A direita fica evidente a diferença entre repor a quatidade de água perdida pela ETo de forma desuniforme e uniforme.

Uma das formas de avaliar se o sistema de irrigação está bem dimensionado é pelo Coeficiente de Uniformidade de Christiansen (CUC)

Fórmula para calcular o CUC


Que é 100 vezes a somatório da lâmina coletada menos a lâmina média, dividido pelo número de coletores multiplicado pela lâmina média. A amostragem das lâminas varia de acordo com o sistema de irrigação utilizado, sendo importante que ela seja representativa.

De acordo com o valor de CUC encontrado podemos classificar nosso sistema de irrigação conforme a tabela abaixo. 
Lembrando que quanto maior for a valor econômico da cultura irrigada maior a necessidade de um alto valor de CUC

Nos dias 04 e 05 de agosto de 2016 o curso com o tema "Avaliação de Sistemas de Irrigação" será realizado pela Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira em parceria com a Agência Nacional de Águas (ANA) e com o Instituto de Pesquisa e Inovação na Agricultura Irrigada (Inovagri). Clique aqui para mais informações.


Dúvidas?  Sugestões?
Ter seu feedback é muito importante para trabalharmos no aprimoramento de nossos conteúdos. 

Aqui você encontra os outros resumos deste semestre.
Acompanhe todo o trabalho da Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP de Ilha solteira a partir de:
Skype: equipe-lhi
Email: irriga@agr.feis.unesp.br
Irriga-L: http://www.agr.feis.unesp.br/irriga-l.php 

Nenhum comentário:

Postar um comentário